Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 31 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
243. → Longe dos ímpios está o Senhor; e ele atenderá as Orações dos justos. Pr 15, 29. 243. Porque Iahweh está longe dos ímpios; mas ele atende a oração dos justos.


  • Longe dos ímpios está o Senhor - É a soberana miséria não desfrutar da presença de Deus e a soberana beatitude o ter Deus presente e propício.

    Os ímpios estão frustrados na exaudição das suas preces e nada é mais miserável e mais infeliz.

    Da mesma forma que a perdição e a desgraça dos sujeitos é extrema, quando eles são afastados da face do Rei, apesar das suas súplicas, da mesma forma é a perda extrema não ser ouvido por Deus.

    E o contrário é a soberana consolação que o nosso Sábio canta aqui com o Salmo 144, 18-19: «O Senhor aproxima-se dos que o invocam, daqueles que o invocam com sinceridade. Ele satisfará o desejo dos que o temem, ouvirá os seus clamores e os salvará.»

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 31 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
242. Aqueles que se Confiam a ele → compreenderão a Verdade, e os fieis na dileção repousam n'Ele, porque o dom e a paz são para os eleitos. Sb 3, 9. 242. Aqueles que colocam a sua fé nele, compreendem a verdade; e os fieis em caridade permanente nele; porque ele tem graça e misericórdia para com os seus santos e porque ele cuida dos seus eleitos.


  • Compreenderão a Verdade - Assim nos diz a Sabedoria incarnada (Jo 8, 31): «Se permanecerem na minha palavra, serão meus verdadeiros discípulos e conhecerão a verdade.»

    A verdade, digo eu, Toda, nas coisas Teo-Sóficas, Jurídicas, Físicas, Físico-Médicas, Físico-Químicas, Físico-Mágicas, Hiperfísico-Mágicas e Cristiano-Cabalisticas, em e pela Sacro Santa Escritura, no Livro da Natureza e Tu Próprio, Divinamente ungido pelo óleo do Espírito da Sabedoria; em Orando e Laborando.

    Pede portanto ao Senhor, afim de que as gotas do Espírito da Sofia supraceleste caiam em chuva e sejam destiladas pelo próprio Senhor no receptáculo da tua Alma, penitencialmente lavada e mundificada; e que estando embriagada e embebida (Tu que és loucamente enfatuado pela tua prudência) tu segues sabiamente tudo o que Ela Própria te sugere; afim de que, assistindo-te, tu permaneças na verdade e que a verdade permaneça em ti.

    Porque, sem a direção da eterna verdade, tu nunca provarás a verdade das coisas Humanas e Divinas, nem serás sábio.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 30 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
241. → O Erudito no Verbo encontrará Coisas Boas, e quem Espera no Senhor é bem-aventurado (Pr 28, 25). → Quem Espera no Senhor será curado. Pr 16, 20. 241. Aquele que compreende a coisa encontrará o bem, e o confiante em Iahweh é bem-aventurado (Pr 28, 25). Quem tem fé em Iahweh será alimentado.


  • O Erudito no Verbo - Quer dizes a Doutrina da Sabedoria, e como ela deve ser procurada pelo temor de Deus, como ela deve ser adquirida pelas orações assíduas, como se deve unir e copular com ela pelo Amor e o desejo.

    Ó gloriosa doutrina, e Verbo Santo, pleno de beatitude, pleno de alimento, e cheio de todos os bens temporais e eternos!
  • Quem Espera no Senhor - O fruto dessa esperança é a felicidade perpétua.

    Salmo 145, 5: «Feliz aquele que tem por protetor o Deus de Jacó, que põe a sua esperança no Senhor, seu Deus» e que o serve com fé na eternidade.

    Muito louco e muito infeliz é aquele que se orgulha da sua confiança na sua própria sabedoria, na sua habilidade, nos seus talentos e nas suas obras; porque o Espírito da Sabedoria afastando-se das coisas mortais, elas arrastam para a morte e tornam-se venenos e flagelos para aqueles que as possuem.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 29 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 28 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
240. → As vítimas dos ímpios são abomináveis ao Senhor; as promessas dos justos aplacam-no. Pr 15, 8. 240. O sacrifício dos ímpios é a abominação de Iahweh, mas a Oração dos retos é o que lhe agrada.


  • As vítimas dos ímpios são abomináveis - É preciso notar esta diferença entre os verdadeiros e os falsos cultos.

    Os hipócritas oferecem a Deus apenas as práticas externas do seu culto, a audição da palavra, a celebração das festas, o hábito dos sacramentos, as orações prolixas, as magníficas e preciosas esmolas, sem nenhuma fé e integridade da boa consciência.

    Portanto todas as obras destes são abominável aos olhos de Deus; porque elas provêm de um coração perverso e não purificado.

    Mas os adoradores do verdadeiro Deus, que realizam as suas obras com uma fé sincera, agradam tanto a Deus em tudo e nas mais pequenas obras, que a corrente das águas frescas, produzida pela caridade e a que eles são admitidos beber, toma a sua fonte de Deus, nos seus tesouros inesgotáveis e provém do próprio santuário de Deus.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 28 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 27 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
239. Bem melhor é não prometer nada do que → não pagar segundo a promessa, as coisas prometidas. Eclo 5, 4. 239. É melhor que tu não prometas, do que prometas e não dês.


  • Não pagar as coisas prometidas - Com que disposição as promessas devem ser feitas, foi dito no versículo precedente.

    Eu acrescentaria agora isto: se tu prometes qualquer coisa a Deus, que seja dentro do culto da primeira tábua, como no Salmo 21, 23: «anunciarei o teu nome aos meus irmãos»; idem Salmo 50, 15: Ensinarei as tuas vias iníquas; quer nas obras de Misericórdia da segunda Tábua, aquilo que tu deves prometer e pagar é como o testemunho da tua gratidão para com Deus, e o selo da tua oração pela qual tu comprometes a tua fé e a tua gratidão para com Deus.

    Porque se tu violas a tua fé e não a manténs, certamente tu determinarás Deus a retirar de ti o seu Benefício e a sua liberalidade e a pedir-te contas dos seus bens.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 27 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 26 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
238. (E) → se tu prometeste alguma coisa a Deus, não demores para lho pagar, porque a promessa infiel e louca desagrada-lhe; mas o que tu tiveres prometido, paga-lhe. Eclo 5, 3. 238. Quando tu tiveres prometido uma promessa a Deus, não te demores a pagá-la porque Deus não coloca a sua bondade nos loucos; portanto, aquilo que prometeste, paga-lhe.


  • Se tu prometeste alguma coisa a Deus, etc. - O Sábio fala de um hábito do Antigo Testamento.

    Porque as pessoas devotas tinham estabelecido o costume de prometer a Deus uns Sacrifícios eucarísticos, nas grandes dificuldades.

    Como Ana (1Sm 1, 11), quando Samuel pedia um filho a Deus, dedicou e prometeu que o consagraria ele próprio ao Senhor; como também Jefté (Jz 11, 30).

    Prometam e pagem ao vosso Senhor Deus, diz o Salmógrafo (Sl 76, 12; vulg. 75).

    E quando alguma coisa tiver saído dos teus lábios, tu cumprirás (Dt 23, 23).

    Tais promessas provêm do soberano amor de Deus, do seu muito santo desejo e da sincera gratidão da alma; também devem ser pagas a Deus sem atraso.

    Assim o Patriarca Jacó tendo visto num sonho a escada celeste prometeu a Deus, quando acordou, construir nesse mesmo lugar uma casa de Deus, quer dizer de propagar ele próprio a agnição e o verdadeiro culto de Deus e a doutrina do Messias (Gn 28, 20).

    Nós prometemos a Deus, no Novo Testamento, a promessa da obediência filial no Batismo, e nós pagamos essa promessa a Deus pela santidade e pela justiça, pela fé, pela penitência e pela humildade.

    Nós definiremos portanto assim a promessa do Novo Testamento: A promessa é a obrigação de pagar as honras escritas na primeira tábua da lei, e que são: o temor de Deus, a fé, a dileção, a paciência, a invocação, a ação de graças, a confissão e a predicação do Nome Divino.

    Estas promessas devem ser pontualmente pagas a Deus por todos os Cristãos.

    Mas há promessas especiais, porque nós somos obrigados, exceto a liberalidade costumada para com o próximo, a uma certa bondade particular e singular pela qual a honra de Deus e a salvação dos Seres Humanos sejam amplificadas; e isto, sem nenhuma hipocrisia, nem temerariamente, mas por uma íntima e sincera gratidão da alma, para o fim de que a bondade recebida de Deus (que nós obtemos por orações) reflua também sobre o próximo.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 26 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 25 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
237. → Não fales temerariamente, e que o teu coração não seja rápido a proferir Discursos diante de Deus; porque Deus está no Céu e tu estás na Terra; é por isso, que sejam raros os teus discursos. Eclo 5, 3. 237. Não te apresses com a tua boca, e que o teu coração não se apresse a proferir palavras diante de Deus; porque Deus está no Céu, e tu sobre a Terra; é por isso que sejam raras as tuas palavras.


  • Não fales temerariamente - O perscrutador dos corações gosta da alocução do coração íntimo, puro e sincero, segundo o Salmo 19, 15.

    E as Palavras da minha boca serão tais que elas te agradarão, e a meditação do meu coração estará sempre diante da tua face, ó Senhor meu adjutor e meu redentor.

    O teu discurso formar-se-á portanto daquilo que tu dirás a Deus no fundo do teu coração e não nos lábios; e é mais a propósitos que tu converses com Deus com suspiros projetados da intimidade do teu coração, que por palavras temerárias.

    Porque os suspiros das pessoas devotas procedem do Espírito Santo quando ele geme em nós; as palavras, geralmente vêm da fantasia humana, e grande é a diferença entre as palavras do Espírito e as palavras da boca.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 25 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 24 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
236. → Entrando (assim) na minha casa, eu dormirei com Ela. A sua conversação não tem amargor e a sua intimidade nenhum aborrecimento, mas → alegria e prazer (versículo 18). → Eu rondava, procurando-a afim de me assegurar de que ela era minha. Sb 8, 16. 236. Entrado na minha casa eu dormirei com Ela e a sua frequentação não tem nenhuma acerbidade e a sua intimidade nenhum aborrecimento, mas alegria e prazer (versículo 18). Eu procurava-a rondando afim de a atrair para mim.


  • Entrado na minha casa - Como Daniel entrou na sua casa (Dn 2, 17 e Dn 6, 10).

    É preciso notar que: Todas as assistências da Sabedoria são ou públicas ou privadas; tratava-se antigamente das públicas; agora das privadas; ao indicar a deleitação privada que elege domicílio com a Sabedoria exercendo Teo-Soficamente as suas meditações e solilóquios na casa do Oratório, quer externa ou visível, (que é o Santuário Monástico, chamado assim por causa da Mónada ou Unidade), quer interna e invisível que é a do coração penitencialmente purificado e da alma Divinamente iluminada, versículo 223.

    Entrando também na casa do Laboratório Físico-Químico.

    Nós somos avisados aqui como é que a nossa Alma, longe do contágio secreto das coisas terrestres, adere profundamente a Deus pelas contemplações secretas; de tal forma que no próprio interior do seu leito, desfrutando Cristiano-Cabalisticamente, Divino-Magicamente e Físico-Quimicamente das delícias supracelestes Macro e Micro-Cósmicas, ela pode clamar (em ovação) de boca e de coração com Isaías 24, 16: O meu segredo é meu, o meu segredo é meu.
  • Alegria e prazer - A alegria interna, a alegria arcana, a alegria conhecida apenas por aqueles que ela atinge, e que, por fim, não se desfaz não se apaga com as alegrias do Mundo, mas se acumula na alegria eterna.
  • Eu rondava, procurando-a, etc. - Onde?

    Na Lei do Senhor, no Livro da Natureza e em Mim próprio.

    E como é que eu a peço?

    Amando-a, versículos 18, 142 e 146.

    Temendo Deus, versículo 216.

    Velando às suas portas e observando às portas da sua cidade, versículo 48.

    Tendo fé nela, versículo 216, desejando-a ardentemente, versículo 260, velando por ela desde a Luz, versículo 229.

    Escolhendo-a, invocando-a, versículos 223 e 251.

    Propondo-me tê-la por luz, versículo 226, e de atraí-la para mim na vida comum, versículo 307.

    Da mesma forma, da mesma forma para Nós que realizamos isto tudo segundo as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro, a Sabedoria verdadeira mostrar-se-á também.

    Procuremo-la então agora Teosoficamente; ela preocupará aqueles que a desejam, versículo 144.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 24 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 23 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
235. Assim, o Desejo da Sabedoria conduz → ao Reino Eterno. Sb 6, 21. 235. A procura da Sabedoria conduz portanto ao Reino.


  • Ao Reino Eterno - Quer dizer de Deus.

    Se tu procurares acima de tudo este Reino (cujo começo está nesta vida e o complemento na vida futura) e a sua Justiça, todos os outros dons, quer dizer os tesouros imensos e os frutos infinitos da Sabedoria ser-te-ão dados.

    Este Reino é o Sabat dos Sabats, a Jubilação última (segundo a Doutrina dos Cabalistas, resumida por nós na segunda figura deste Anfiteatro) e a Terra dos vivos, quer dizer a imortalidade que é a vida eterna onde nós teremos as alegrias muito doces e muito suaves ao vermos a glória de Deus face à face, ou desfrutando de Deus ele próprio, da eternidade na eternidade.

    SUMÁRIO: Procura primeiro Catolicamente o Catolicon Tri-um (como ensina o nosso Anfiteatro) que é possuir a Agnição de Deus, conheceres-te a ti próprio e principalmente dentro da Natureza e a Arte excelente, quer dizer, eu ouso afirmar, a Pedra Filosofal; então portanto, se tu Oras cristãmente e se tu Laboras sabiamente (diferentemente de acordo com as diversas circunstâncias) Todas as Coisas, especiais ou particulares, em todas as coisas possíveis (se agradar a Deus; versículo 1) te serão concedidas.

    Recebe o Reino de beleza e o Diadema de esplendor da mão do Senhor, porque a sua direita te cobrirá e o seu braço santo (psi) te defenderá (Sb 5, 17).

    «Tu que habitas sob a proteção do Altíssimo, que moras à sombra do Onipotente» (Sl 90, 1).

    Tu serás protegido pela mão de Deus e tu verás as maravilhas de Deus (Sb 19, 8).

    Em todos os tempos e em todos os locais, Deus te Assistirá. Idem, versículo 20.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 23 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 22 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
234. E → a incorrupção torna o ser humano próximo de Deus. Sb 6, 20. 234. Em seguida, a imortalidade faz com que nós acedamos à proximidade de Deus.


  • A incorrupção torna, etc. - O ser humano, regenerado pela rejeição do Binário (versículo 118) torna-se próximo e amigo de Deus que é a Entidade eterna e imortal, e é conjunto e unido com ele; tanto nesta vida como na vida futura.

    Porque «bem-aventurados os puros de coração; porque verão Deus!» (Mt 5, 8).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 22 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 21 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
233. → Portanto, o cuidado da Disciplina é a dileção; e a dileção é a guarda das suas leis; a guarda das suas leis é a consumação da incorrupção. Sb 6, 19. 233. O amor, a observação das suas leis; e a observação das leis é a conservação da imortalidade.


  • Portanto, o cuidado da Disciplina - Aqui aparece, quem, quais, e quantas são as muitíssimo frutuosas utilidades do Temor de Deus.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 21 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 20 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
232. Portanto, o seu começo é → o verdadeiro desejo da Disciplina. Sb 6, 18. 232. Portanto o seu começo é a verdadeira procura da erudição; a preocupação da erudição, → o amor.


  • O verdadeiro desejo da Disciplina - Porque aquele que ama a disciplina, quer dizer a admonição, a correção, a repreensão e a dissuasão para sair da via má, da via viciosa, esse ama a ciência; mas aquele que odeia as increpações é insipiente (Pr 12, 1).

    Tal é também a Disciplina de Deus na tribulação e na cruz; a Disciplina envia-nos e permite-nos Divinamente aquelas (tribulação e cruz) afim de que elas nos chamem à penitência, e que nós provemos nelas a consolação Divina pela qual sentimos que somos amados, ensinados e defendidos por Iahweh.

    «A vexação dá o intelecto», diz Isaías (Is 28, 19).

    De onde S. Paulo: A Tribulação produz a paciência; a paciência, a provação, quer dizer a agnição da vontade de Deus para conosco.

    Aquele que não é tentado, o que sabe ele? dizia com razão a devota Antiguidade.

    Sê banido do nosso Oratório e do nosso Laboratório, tu que repudias o castigo; eu anuncio-te que tu nunca te tornarás num Cristiano-Cabalista, Físico-Mago ou Físico-Químico; tu continuarás a ser um sofista.

    Aceitando pacientemente a nossa cruz, carregamos ao mesmo tempo a cruz de Cristo; seguí-lo-emos a ele próprio imitando-o; abriremos esta porta das virtudes e entraremos no Reino Perpétuo da Sabedoria; ao fugirmos à Disciplina fecharemos esta porta.

    Chegaremos aos esplendores augustos por uma via e uma porta estreitas.

    Importa que estejamos primeiro com Cristo nos Infernos antes de ascendermos com ele ao Céu.
  • O amor - Nenhuma conjunção e copulação pode ter lugar sem a intervenção do amor e do santo desejo.

    Porque aqueles que estão imbuídos do amor meretricial, quer dizer mundano e vão, são indignos da conjunção da Sabedoria Celeste.

    Acredita em mim, aqueles que querem as coisas terrestres não podem ter as coisas celestes.

    E qualquer um que ama é digno de ser amado.

    E, verdadeiramente, este santo amor da Sabedoria é a flâmula do Espírito Santo, alumiada pelas orações assíduas.

    Esta, brilhando nos nossos corações, abre a via que leva à Sabedoria Celeste.

    Porque, amar a Sabedoria, é realmente adquiri-la.

    A Sabedoria Divina é de tal forma fiel no amor, que ela só pode dar o seu santo amor ao amante que a ama em retorno e que satisfaz o santo desejo do seu amor.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 20 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 19 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
231. → Porque os dignos d'Ela, Ela própria vai procurá-los, e nas vias Ela mostra-se a eles com hilaridade, e em todas as coisas a Providência oferece-se a eles. Sb 6, 17. 231. Porque os dignos d'Ela, Ela própria os vai procurar; e nas vias mostra-se benevolente para com eles próprios, e em todas as cogitações se oferece a eles.


  • Porque os dignos d'Ela, etc. - Ver a explicação disto no versículo 145.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 19 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 18 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
230. Portanto, → ocupar com Ela as suas cogitações, é o sentido consumado, e quem velar por ela estará brevemente em segurança. Sb 6, 16. 230. Porque a cogitação recebida dela, é a perfeição da prudência, e quem velar por ela ficará imediatamente em segurança.


  • Ocupar com Ela as suas cogitações - Ver os versículos 18 e 142.

    Da mesma forma que aqueles que querem contrair um matrimónio começam por manter uma conversação amigável, da mesma forma aqueles que procuram a união conjugal com a Sabedoria Eterna recebem dela devotas, santas, muito belas e muito amáveis cogitações, e oferecem aos olhos da sua alma uma imagem muito bela da Sabedoria, tal como o Sapientíssimo Rei a descreveu nos primeiros capítulos dos Provérbios, e no livro 7 da Sabedora.

    Estas cogitações, geradas pela plenitude da Sabedoria, são o liame e o acoplamento dotados da virtude magnética celeste; elas são as fontes das alocuções e solilóquios da Divina Sabedoria; e a verdadeira Sabedoria é a tal ponto acariciadora, familiar e humana que o seu amador nunca fica sem uma suavíssima resposta; mas ela responde com uma voz interna, oculta, intelectual e mental; às vezes mesmo com um beijo de jocundidade e com um movimento diviníssimo, como atestam o Cântico dos Cânticos (Ct 1, 1): «Que ele me beije com o beijo da seu boca, porque o seu fruto é doce para a minha garganta.»

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 18 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 17 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
229. → Aquele que, desde a Luz, tiver velado por ela, não trabalhará, porque a encontrará → sentada às suas portas. Sb 6, 15. 229. Aquele que, desde a manhã, se levantar por ela, não trabalhará; porque a encontrará sentada à sua porta.


  • Aquele que, desde a Luz - Como é dito nos versículos 96 e 170; e isto está anotado ainda em algumas outras passagens deste Prólogo.
  • Sentada às suas portas, etc. - Em quais? nas dos Sentidos, da Razão, do teu Intelecto e da tua Alma.

    Porque ela se dá mediatamente e imediatamente a todos aqueles que a escolhem e se aplicam segundo a lei deste Anfiteatro, a ouvi-la, a vê-la e a observá-la falando e ensinando nos Livros da Sacro Santa Escritura, da Natureza e de si próprio.

    Que Deus queira que todos os seres humanos sintam e compreendam a Sabedoria que os assiste e que se apresenta por ela própria a eles! Ó quanto isto seria excelente para eles!

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 17 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 16 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
228. → Ela preocupa aqueles que a desejam, de forma que ela se mostra a eles em primeiro lugar. Sb 6, 14. 228. Avançando, ela dá-se a conhecer aos seus fiéis.


  • Ela preocupa - Veja a explicação disto, a seguir (versículo 144).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 16 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 15 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
227. (Com efeito) ela é → facilmente vista por aqueles → que a amam, e → é encontrada por → aqueles que a procuram. Sb 6, 13. 227. Ela é facilmente apercebida por aqueles que a amam e encontrada por aqueles que a procuram.


  • Facilmente vista - Ó beatíssima visão e mesmo Deí-fica, o ver a Sabedoria no Livro da Sacro Santa Escritura; na Natureza, e mentalmente em si próprio!

    Não há nada mais feliz! Não há nada mais bem-aventurado!

    No entanto, isto não pode nascer no coração pelos objetos mundanos; só pode ser gerado pelos Deuses. Ver os versículos 52, 195 e 218.
  • Que a amam - Porque Deus atrai aquele que caminha para ele. Ver os versículos 145 e 160.
  • É encontrada - É por isso que Salomão (Eclo 7, 25), diz gemendo: grande é a sua profundidade, ou: profunda, profunda! (porque é assim que se lê em Hebreu) quem a encontrará? é como se ele tivesse dito: Ó quanto é difícil encontrar a Sabedoria entre tantas e tão numerosas loucuras deste mundo imundo, sedutor e desencaminhador da reta linha de vida da verdade.

    É preciso encontrar a Sabedoria, porque ela desce mais Divinamente que adquirida humanamente (que dizer pela prudência humana, pelo raciocínio, a fantasia ou a especulação).

    «O Senhor dá a Sabedoria» (Pr 2, 6), e «Felizes aqueles que a encontram» (Pr 3, 13).

    Por conseguinte ela só será encontrada por um pequeno número.

    Por quais então, peço-te? Eis a sábia resposta do Sábio.
  • Aqueles que a procuram - Como? Orando com jejuns, no Temor de Deus, vivendo Teo-Soficamente e Laborando sabiamente segundo as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro.

    Ela será encontrada por aqueles que desde a manhã vigiam por ela (versículo 160), e que não a tentam (versículo 216).

    Porque Deus vende Todas as Coisas (como é dito em Provérbio) contra os labores.

    Os Deuses (Elohim) ajudam as mãos que fazem Teo-Soficamente violência (versículo 92, e alguns dos seguintes).

    No entanto, não é por causa dos nossos méritos e da nossa santidade que ela faz brilhar sobre nós o esplendor da tão venerada Divindade e Luz (Numen et Lumen) mas por um Dom de Deus misericordioso.

    Consulta aqui o último capítulo de Jesus filho de Sirach (Eclo 51) que eu te recomendo muito particularmente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 15 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 14 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
226. Eu amei-a mais que à salvação e à beleza e eu propus-me → tê-la por Luz, porque a sua luz é inextinguível. Sb 7, 10. 226. Eu amei-a mais que à saúde e à pulcritude das formas, e eu desejei extremamente desfrutar dela como luz porque o seu esplendor não pode ser suprimido.


  • Tê-la por Luz, etc. - Porque ela é a Luz que brilha nas trevas, que vem ao Mundo e que o Mundo não conheceu (Jo 1).

    É Sábio com o sábio, aquele que se propõe tê-la por Luz; é por isso que Sirach diz no último capítulo do Eclesiástico: «Estendi as minhas mãos ao alto e a sua sabedoria brilhou na minha alma e iluminou as minhas ignorâncias.»

    Eu suplico-te, ó Hochmael, Sabedoria de Deus, luz e lâmpada da alma, pelas minhas mãos e os meus pés, sê minha, num e no outro Oratório (Micro e Macro-Cósmico) e no Lab-Oratório.

    Digna-te, ó tu, luz das nações, luz dos corações, ilustrar o meu coração com o raio da tua iluminação, expulsar as trevas das ignorâncias do meu espírito, dispor as minhas ações e os meus labores, influir neles a benção dos sucessos felizes e mostrar-me e comunicar-me a verdade em todas as coisas, Amém. Ver o versículo 78.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 14 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 13 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
225. Eu não comparei com ela → a pedra preciosa, porque todo o ouro, em comparação com Ela não passa de um pouco de areia, e a prata é considerada → como lama perante Ela. Sb 7, 9. 225. Eu não a comparei certamente com a Pedra Preciosa porque o ouro em oposição a ela não é mais que um pouco de areia e a prata comparada com ela é considerada lama.


  • A pedra preciosa - Poder-se-á, não ineptamente, suspeitar que o nosso Sábio fala da Pedra dos Filósofos por causa da conjunção causal quem se segue: Porque todo o ouro, etc.

    Com efeito, uma das virtudes desta Pedra, entre muitas outras, quando ela é ritualmente aplicada, é a de transmutar os metais inferiores em superiores, quer dizer em Prata e em Ouro.
  • Como lama - Com toda a força do termo; com efeito o que é a prata (todo o erro das pessoas dissipado), senão um limo branco, formado de terra e de água em excesso, e o ouro, um limo vermelho formado de água e de terra em excesso, depois congelado e tornado fixo?

    É um sábio dizer do Sábio: Todo aquele que é admirador do ouro, odeia a disposição para a virtude e as artes honestas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 13 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 12 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
224. E → eu preferi-a em vez dos reinos e dos tronos, e eu desprezei as riquezas em comparação com ela. Sb 7, 8. 224. Eu preferi-a em vez dos ceptros e dos reinos, e eu estimei em nada as riquezas ao pé dela.


  • Eu preferi-a em vez dos reinos - Ver os versículos 45, 317, 318 e 327.

    A Sabedoria verdadeira deve ser preferida, com razão, a todas as coisas e aos tráficos mundanos; visto que ela é a única que descobre e explica os segredos da natureza; ela dá os tesouros inesgotáveis, ela une aos Anjos bem-aventurados, ela conjuga com Deus, ela torna verdadeiramente feliz e beato.

    Ela dá Tudo, os Bens aos bons, os males aos maus (e eles são dignos disso).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 12 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 11 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
223. Foi por isso que → eu a Escolhi, e o sentido foi-me dado; e eu Invoquei, e → veio em mim → o Espírito da Sabedoria. Sb 7, 7. 223. Foi por isso que eu escolhi e a prudência foi-me dada; eu invoquei e o Espírito da Sabedoria veio a mim.


  • Eu a Escolhi - Ele não perdeu o seu tempo nas letras das Academias, e não ouviu os Gregos, Dialéticos, Retóricos, nem fez uso do método de estudar, muito usado hoje em dia.

    Este modo de filosofar é rejeitado pelo Apóstolo S. Paulo (1Cor 1, 19, etc. e Cl 2, 8).

    Mas ele escolheu e invocou aquela Sofia supraceleste que ultrapassa todas as solenidades e os tesouros deste mundo. Ele foi certamente Sábio.

    Sabe-se que S. Agostinho escolheu três coisas para ele próprio: «S. Paulo pela Eloquência, Roma pela glória e Cristo pela companhia.»

    Eu escolho possuir a Pedra dos Filósofos e de desfrutar dela perfeitamente durante vinte anos com todos os seus frutos e utilidades; então eu terei sido verdadeiramente afortunado e felizes tanto nesta vida como na vida futura, se eu a usar Teo-Soficamente.

    É por isso que é necessário observar que o desejo da Alma deve nascer primeiro com ardor; depois (versículo 144) a invocação, seguidamente a oração.

    Faz portanto de igual modo; regressa a Ti próprio; não suponhas nada (em e por Deus) como sendo impossível (visto que tu tens as promessas de Deus que deve ajudar-te aí e que te ajuda, versículo 10) em ti; coloca a tua confiança no Senhor (observando Cristiano-Cabalisticamente) e tu compreenderás; vigia Teo-Soficamente e alcançarás.

    É sobre este fundamento que está construído o Oratório do nosso Anfiteatro, indicado por S. Mateus (Mt 6, 6), e que é o da vigilância e da confiança Cristã, não da audácia e da temeridade.

    Crê firmemente; vive no temor de Deus; ora jejuando em Espírito e em Verdade e Labora sabiamente; ser-te-á dado sem demora; tu serás constituído amigo de Deus e tu serás feito participante do fruto dessa Sabedoria.

    A Alma ébria de Deus vê, como num espelho, Deus em si e a si em Deus; e mesmo Tudo o que ela quer e escolhe (versículo 138).

    Isto é a Lua Microcósmica dos Cabalistas, crescente, cheia e minguante; de acordo com a abordagem, a oposição diametral ou a declinação do Sol Divino.

    Durante a Lua crescente, os bons Espíritos avançarão com a permissão de Deus; no tempo da Lua Cheia é Deus ele próprio; mas na Lua minguante, reza a Deus com receio que sejas seduzido e arrastado para longe do caminho reto da Verdade, pelos poderes das Trevas.
  • Veio em mim - Quando? Não antes que eu a tenha escolhido e invocado.

    Isto não é obra de um dia ou de uma noite.

    É preciso trabalhar com o suor da testa para obter a recompensa (recebendo a graça de Deus, versículos 142 e 145).

    Pára aqui e medita Harpocraticamente sobre isto; esta é uma daquelas coisas que são melhor compreendidas, apreciadas, estimadas pelo silêncio que pelas palavras.

    A Sabedoria verdadeira não se aprende humanamente (versículo 142), pela exclusiva virtude dos livros e dos pergaminhos, mas insinua-se e vem Divinamente em nós; ela não recebe a luz dos nossos estudos, como as outras Ciências, mas ela a produz ela própria, e, como do seu prontuário, irradia e brilha nos seres humanos que não são indignos (versículo 145).

    A letra por si própria não é útil para nada; é o Espírito da Sofia supraceleste vindo Divinamente em nós, que instrui, que ensina, que vivifica, que ilumina, que explica o livro, o interpreta e o expõe.

    Digno é Jesus Cristo somente, quer dizer a Sabedoria do Pai, de interpretar o Livro (a saber: da Sacro Santa Escritura, da Natureza e do Espírito Divinamente infuso em nós) e de quebrar os seus selos. Aleluia.

    Foi retamente dito: «Onde opera a graça do Espírito Santo, a ocultação dos Filósofos não serve para nada; assim como a sua manifestação é inútil, lá onde falta esta mesma graça.»

    Instruído pela Experiência, eu provei mais de uma vez que isto é infinitamente verdadeiro.

    Recordo-me, refletindo bem, ter lido nos Filósofos mais secretos ou ter ouvido da sua boca, conversando com vários de entre eles, certas palavras e ênfases de locuções das quais eu não tinha apreendido o verdadeiro espírito, apesar delas ensinarem a verdade; mas em seguida, com o tempo, o véu da ignorância tendo sido levantado de mim (graças à Misericórdia Divina, sem qualquer dúvida), pelo Espírito da Sabedoria, e mesmo numa hora e num momento (pela direção, como suponho, do meu Bom Génio e pela graça de Deus que me assiste) compreendi mais que no espaço, anteriormente, de um ano inteiro. Porque o Espírito sopra onde e quando quer.

    O que os Dons de Deus conferem aos humildes e aos obedientes (submissos no seu intelecto, versículo 307) pelo Espírito da Sabedoria, ultrapassa toda a razão humana; eles são subtraídos e escondidos aos argutos e subtis mundanos imundos. É a absoluta verdade.

    Quer recolher água com uma peneira, aquele que sem a explicação (mediata ou imediata, versículos 32, 74 e seguintes, 187) do Espírito da Sabedoria quer aprender no livro.

    O livro é apenas o índice que nos mostra as numerosas súplicas que é necessário dirigir a Iahweh para que ele nos comunique (segundo a sua muito livre vontade) os arcanos da Natureza, que ele nos ensine os segredos, nos inspire Toda a verdade.

    Aquilo que é ensinado no versículo 167 e repetido no versículo 65 continua a ser portanto bem verdadeiro, e confirmado, a saber: que a Filosofia é o espiráculo de Deus e a ilustração divina.

    Porque o Senhor dá a Sabedoria.

    É por isso que um ser humano não é grande (como Cícero observou e anotou, liv. 2 Da Natureza dos Deuses) sem o sopro Divino.

    Feliz portanto, três e quatro vezes feliz, aquele que segue Iahweh nos seus conselhos como é indicado no nosso Oratório; porque ele receberá do Senhor, a vontade, quer dizer, de bem querer, conhecer, poder e ser, em todas as suas ações e os seus labores (versículo 329).

    Eu peço ardentemente (com S. João Crisóstomo) e mesmo do fundo do coração, afim de que Deus misericordioso e benigno satisfaça as minhas orações e os meus gemidos, abra os ouvidos do coração, e reforce em mim a fé; que ele dê o espírito capaz dos mistérios divinos, o raciocínio sóbrio e a vida cheia de deveres e de virtudes, a mim e a todos os seguidores estudiosos da Sabedoria verdadeira, afim de que nós pensemos, meditemos e realizemos as coisas que vêm de Deus e que nos são salutares em toda a vida; Amém, responde todo o amante da Sabedoria, Amém!
  • O Espírito da Sabedoria - Hochmael (versículos 52 e 106). Que é admirável e realmente Divino.

    Porque ele cria (Jó 33, 4: «Foi o Espírito do Senhor que me fez». Salmo 104, 30: «Tu envias o teu Espírito e eles serão criados») sustenta, fortifica, e completa todas as coisas, por toda a parte onde se espalha (Sl 138, 7; Rm 8, 11; 1Cor 2, 4; Sb 1, 7).

    O Espírito do Senhor preencheu a esfera das terras.

    Todas as Coisas estão Cheias de Iahweh (versículo 154).

    Ele dá a Sabedoria e a faculdade de discorrer (Mt 10, 20).

    S. Cipriano diz-nos a esse respeito: «Não é difícil a Deus inspirar ao seu confessor a constância, a segurança no discurso, ele que, no livro dos Números, fez mesmo falar um burro, contra Balaão.»

    Ele faz milagres (Rm 15), pela virtude dos sinais e dos prodígios, e pela virtude do Espírito Santo.

    Ele penetra nos abismos de Deus (1Cor 2, 10): «O Espírito sonda todas as coisas, mesmo os abismos de Deus.»

    Ele distribui os Bens (1Cor 12, 11).

    Portanto, visto que ele é o distribuidor benigno dos Bens e Dons, procuremo-los junto dele unicamente e não junto do espírito maligno (versículos 185, 205, 206 e 298). Fi seja para o Diabo, Amém.

    É ainda ele que faz os Filhos de Deus (Rm 8, 14): «Todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.»

    Ele santifica (Rm 1, 4).

    Ele governa a Igreja e designa os seus ministros (At 13, 4; Is 48, 16): «O Senhor enviou-me com o seu Espírito.»

    Ele dispensa com largueza a graça e a paz (Ap 1, 4).

    Ele justifica (1Cor 6, 11): «As justificações são em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.»

    Ele faz os seres humanos livres (2Cor 3, 17): «Onde está o Espírito do Senhor, aí está a liberdade.»

    Ele regenera, ele move os corações para as boas obras e a invocação.

    Ele é chamado o Espírito das orações (Zc 12, 10).

    Ele tirou o povo do Egito (Is 63, 13 e 14): «O Espírito do Senhor conduziu-o como um cavalo.»

    Ele redime os pecados (Jo 20, 23): «Recebam o Espírito Santo, aqueles a quem vocês perdoarem os pecados, etc.», como se dissesse: o Espírito perdoará, não vocês.

    Ele revela os mistérios (Jo 16, 13); é por isso que é e se chama o autor de todas as santas revelações e visões e o mestre das coisas escondidas.

    Ele dá a Fé (1Cor 11).

    Ele excita os movimentos piedosos (Rm 8, 26).

    Ele ensina os fieis (Jo 16, 16).
  • SUMÁRIO - Pela virtude e assistência deste Espírito, tu poderás Tudo.

    Serve-o Teo-Soficamente e Ele próprio te dirigirá, a ti e aos teus empreendimentos no Oratório e no Laboratório.

    É por isso que o Espírito da Sabedoria é chamado Múltiplo e Multiforme (versículos 44 e 134), e isto pode ser suficientemente provado por tudo o que foi dito.

    É por isso que S. Paulo (1Cor 12, 4), diz: «Há Diversidade de Graças, mas o Espírito é o mesmo.»

    E há divisões nos sujeitos (ministrationes), mas só há um Senhor.

    E há divisões nas operações, mas é verdadeiramente o mesmo Deus que opera Todas as Coisas em Todos.

    Com efeito, a um é dada a manifestação do Espírito, para fazer uso dela; a um outro é dado pelo Espírito a linguagem da Sabedoria; a outro, a linguagem da Ciência segundo o mesmo Espírito; e a outro a Fé no mesmo Espírito; a outro a graça de realizar as curas, pelo mesmo Espírito; a um outro o dom dos milagres; a um outro o dom da Profecia; a um outro o discernimento dos Espíritos; a um outro o dom de falar diversas línguas; a um outro a interpretação das línguas.

    Mas é o mesmo Espírito que opera todas as coisas, dividindo-se em cada um, conforme ele quer.

    E, S. Paulo (1Cor 7, 7): «Cada um recebe de Deus o seu dom particular; um, deste modo; outro, daquele modo.». Que o nome de Iahweh seja bendito nos séculos dos séculos. Amém.

    Eu acrescento: Este Espírito de Deus é triplamente Familiar aos Sábios:

    1º Divinamente; imediatamente; pela Influência, a Luz e o Movimento; mediatamente, Biblicamente e mesmo associado à carne humana;

    2º Macro-Cosmicamente na Natureza; (que é Ruachelohim, Gn 1, ou a Alma do Mundo), Catolicamente, quer dizer pela universal virtude ou operação na Pedra dos Filósofos; ou Particularmente em cada uma das Criaturas tanto Espirituais como Corporais e em todas as coisas que vêm destas, por todo o universo criado;

    3º Micro-Cosmicamente, no Ser Humano, e mesmo Somaticamente quer dizer corporalmente ou imaterialmente, no Corpo e no Espírito devido à quinta Essência, simplesmente pela Anima ou Mens, que é uma partícula do Sopro Divino.

    Percorre cuidadosamente todo este Anfiteatro (tu que és tolamente Filósofo) e tu encontrarás então aqui vários esclarecimentos sobre estes assuntos.

    Fi para o diabo com a sua familiaridade muito perniciosa e muito pestilenta. Outra vez Fi.

    Em Deus nós vivemos, nós movemo-nos e nós somos (como ensina S. Paulo segundo Aratus (Arator?) At 17, 28) e de quem nós somos a raça; não profanemos portanto os Templos de Deus a quem Cristo ele próprio se consagrou pelo seu sangue; mas que o Espírito de Deus habite em nós (1Cor 3, 16).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 11 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 10 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
222. Porque → conhecer-Te (ó Senhor) é a Justiça consumada, e → saber a tua Justiça e a tua virtude é a raiz da imortalidade. Sb 15, 3. 222. Porque conhecer-Te é a Justiça consumada, e compreender o teu poder, a raiz da Imortalidade.


  • Conhecer-Te, etc. - A agnição de Deus, sólida, integra, verdadeira e perfeita, é a justiça que encerra nela própria todas as virtudes.

    Porque Conhecer Deus, é não só dissertar sabiamente sobre a Natureza Divina (que me seja permitido com S. Pedro, 2Pd 1, 4, dizer Natureza Divina) mas também compreender e realizar a sua vontade, que é declarada na Lei (pela voz da Justiça Divina) e no seu Verbo Ele Próprio Macro e Microcosmicamente escrito; quer dizer temer Deus e acreditar na sua misericórdia.

    Assim, diz Jeremias (Jr 9, 24): «Que o ser humano se glorifique de me conhecer, eu que sou o Senhor que faço Julgamento, Justiça e Misericórdia»; quer dizer que pune os pecadores e que perdoa (por causa da Sabedoria incarnada, quer dizer Jesus Cristo crucificado) àqueles que fazem penitência; e que exerce a misericórdia para com aqueles que me temem e que creditam em mim.

    S. João (1Jo 2, 3 e 4): «A prova de que conhecemos Deus está em cumprirmos os seus mandamentos. Aquele que disser que conhece Deus, mas não cumprir os seus mandamentos, é um mentiroso, uma pessoa que falta à verdade.»

    Assim o Salmo 147, 11 (vulg. 146) encerra o resumo desta Doutrina: «O Senhor compraz-se nos que o temem, nos que esperam na sua misericórdia.»

    E Cristo (Jo 17, 3): «E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, como o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que tu enviaste.»

    É a única raiz da imortalidade.

    É realmente uma grande parte da Sabedoria, o conhecer a Criatura e a Natureza; uma ainda maior o conhecer-se a si próprio; a maior e soberana, o conhecer Deus.

    Isto foi retamente, saudavelmente, verdadeiramente e sabiamente dito por S. Agostinho: «Concede-me, Senhor, que eu me conheça e que eu te conheça.»

    Que isto também seja repetido por mim. Ó Iahweh, ajuda-me e concede-me que eu queira! Amém.

    Eu acrescento: Tu conhecer-te-ás a ti próprio quando, pela luz Deífica resplandecente, no espelho tri-um da majestade Divina tri-una (que é o Universo criado, o Verbo escrito e incarnado e a Alma em nós próprios Divinamente inspirada) pelos olhos quer do corpo quer do espírito, Teo-Soficamente, Fisicamente, Físico-Medicamente, Físico-Quimicamente, Físico-Magicamente, Hiperfísico-Magicamente, Cabalisticamente, tu te vires, te olhares e te contemplares a Ti próprio.

    Então tu verás tais quais são todas as coisas que tu realizarás; tu verás as marcas, as deformidades e as manchas do corpo, do espírito e da alma.

    É por isso que tu poderás clamar penitencialmente a Iahweh, com o Salmografo Real (Sl 51): «Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua grande misericórdia; apaga as minhas iniquidades, segundo a multidão das tuas compaixões. Lava-me completamente da minha iniquidade, e purifica-me do meu pecado.» E o que se segue.

    Lava, ó Senhor, o que está sórdido; rega o que está árido; sanifica o que está doente; dirige o que está desviado.

    Então, tu serás lavado e purificado; então, Teo-Soficamente assim lavado e purgado, tu conhecerás Deus; porque «bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão Deus» (Mt 5, 8).

    Então, tu terás procurado e terás encontrado o Reino de Deus e a sua justiça; então, Todas as outras Coisas (os Bens e os Dons do Espírito da Sabedoria anotadas no versículo seguinte, se tu orares Teosoficamente e laborares Sabiamente) se darão a ti (Macro e Micro-Cosmicamente).

    Bem-aventurado portanto, e sábio, quem se conhece retamente.

    Quem conhecer Deus e a Si próprio, Todas As Coisas citadas poderão ser dele. Ver a figura segunda deste Anfiteatro.
  • Saber - Onde então? Nos livros da Sacro Santa Escritura, na Natureza e em Ti próprio, iluminado pelo raio da Divindade.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 10 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 9 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
221. → Então tu compreenderás o Temor do Senhor e tu encontrarás a Ciência de Deus. Pr 2, 5. 221. Então tu conhecerás o Temor de Iahweh e tu encontrarás → a cognição de Deus.


  • Então - Depois que tu tenhas procurado Teosoficamente a Sabedoria e que tu a tenhas perscrutado pelo Método supracitado.

    Os Deuses (Elohim) ajudam os Espíritos e as Mãos que se aplicam e que se aproximam sabiamente.

    Ele não é dado às Musas seguirem a via pública e vulgar, quer dizer mundana; porque a via vulgar é a via do mundo, a via Académica.
  • A cognição de Deus - Tu, meio sábio (sciolus) que negas pouco Cristãmente que Deus possa ser conhecido por nós, disputa portanto sobre estas palavras com o nosso Sábio. Ó homens diabólicos!

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 9 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 8 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
220. → Se tu A procuras como se fosse prata e se tu escavas para a encontrar → como para os tesouros: Pr 2, 4. 220. Se tu a procuras como a prata e se tu a procuras como aos tesouros.


  • Se tu A procuras - Se, Cristãmente, tu estimas menos as vaidades do mundo imundo que a Sabedoria, tão esplêndidas e pecuniárias que elas sejam, e se tu procuras a Sabedoria.

    Mas, dirás tu, Onde, por quais auxiliares, Porquê, Como, Quando?

    Escuta; bate às portas da Sofia supraceleste, indicadas no versículo 48, no Oratório e no Laboratório, seguindo as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro, e tu encontrá-la-ás, se Deus ajudar.
  • Como para os tesouros - Na terra mundana e nas profundezas das montanhas e dos rochedos, as fontes dos bens foram escavadas para aí encontrar tesouros.

    A terra da Sabedoria é o Livro tri-um, Católico, quer dizer da Sacro Santa Escritura, e da Natureza, e da nossa Alma Divinamente iluminada; perscruta com ardor as riquíssimas veias daquela segundo as Leis e a Doutrina deste presente Anfiteatro, e tu encontrarás a Sabedoria, se Iahweh to acordar; escava-a seguidamente Cristiano-Cabalisticamente, Divino-Magicamente e Físico-Quimicamente, como para aí procurar tesouros, seguidamente esconde-a prudentemente na caixinha do teu coração; e eu ouso então prometer-te, eu que escrevo verdadeiramente isto, que tu agradarás a Deus, que tu receberás a vontade do Senhor, que tu obterás dele, por Ela, nos teus negócios, conselhos e labores, de bem querer conhecer, ser e poder; e assim tu atrairás a salvação do Espírito e da Alma.

    Ele não há calamidade, crê-o bem, ou torrente de adversidades asfixiando assim o ardor impetrando daquele que adere a Deus pela fé, que não possam ser restituído pela Pedra da Sabedoria que rejeitaram aqueles que construíam (Sl 118, 22; vulg. 117, 22).

    A Pedra, é a Sabedoria feita carne.

    É Jesus Cristo que possui a fonte do fogo celeste e a veia das águas vivas que jorram na vida eterna.

    Isto foi feito pelo Senhor e é um milagre aos nossos olhos, diria eu junto com o Salmista.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 8 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 7 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
219. Porque → se tu invocas a Sabedoria e se tu inclinas o teu coração para a Prudência, Pr 2, 3. 219. Porque se tu clamas pela inteligência e se dás a tua voz à Inteligência:


  • Se tu invocas - Da mesma forma que é devoto implorar a Misericórdia Divina e a ajuda da Omnipotência de Deus; assim também, que o mesmíssimo Cristianismo invoque portanto a própria Sabedoria de Iahweh (Hochmael) encarnada no século último para obter Teo-Soficamente a Sabedoria, aquela incarnada, que o nosso Sábio invocou.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 7 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 6 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
218. Porque a Sabedoria → não entrará na alma malévola; nem habita no corpo → sujeito aos pecados. Sb 1, 4. 218. Porque a Sabedoria não entrará dentro da alma maliciosa nem habitará no corpo culpado de pecado.


  • Não entrará na alma malévola - A razão é a de que nenhuma União se faz entre dissemelhantes.

    Como conjugar a Luz com as trevas, o benévolo com o malévolo, a verdade com a mentira, o bem com o mal?

    A redução à simplicidade da Mónada não terá lugar se o Binário não for rejeitado; nenhuma união com Iahweh sem, primeiro, o afastamento para longe de Ti Próprio e a abnegação de Ti.

    «Afasta-te do mal e faz o bem» (Sl 34, 15).

    Afasta-te de ti próprio que és deformado, e segundo as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro, reforma-te a Exemplo do Protótipo; segue pacientemente e imita Teo-Soficamente a Sabedoria incarnada; então o Espírito da Sabedoria Hochmael habitará em ti; então Iahweh, o Pai; Jesus Cristo crucificado, o Irmão; o Espírito Santo, o Amigo, entrará em ti, habitará e sentar-se-á, Rei, dentro do seu palácio e sobre o seu trono Micro-Cósmico que és Tu Próprio, tri-um, renovado, verdadeiramente católico segundo a segunda figura deste Anfiteatro; transmudado para melhor pela Loção penitencial (Is 1, 16), tu te conjugarás e te unirás com Deus; tu serás iluminado pelo raio do Sol supraceleste.

    E, puro de coração, tu verás Deus em ti e a ti em Deus; Tudo em Tudo.

    O terrestre une-se às coisas terrestres, o mundano às coisas mundanas, saídas do Príncipe deste mundo imundo; o espiritual às coisas espirituais, saídas dos bons Espíritos devido à administração que lhes é delegada por Deus, Macro e Micro-Cosmicamente; o Divino às coisas Divinas, saídas de Deus ele próprio.

    De que maneira, aquele que não é puro, presume atingir o puro?

    Tu que és terrestre e mundano, abastem-te de pretender às coisas espirituais e Divinas.

    Tu julgas sobre elas, das quais tu nunca saboreaste a suavidade, como um cego julga as cores. Ver os versículos 46 e 157.

    Tu julgaste-me mundano e imundo, a mim e a este livro; não me examines demasiado mundanamente. Procura o versículo 46.
  • Sujeito aos pecados - Com receio portanto, que tu peques, ó filho da Sabedoria, porque Deus ele próprio vê (porque, em todos os lugares, os olhos do Senhor contemplam os Bons e o Maus, Pr 15, 3) e porque não veria ele? ele que formou o olho; porque não ouviria ele? ele que implantou a orelha (Sl 94, 9).

    O teu Anjo guardião (Sl 91, 11), ministro de Deus (Sl 104, 4), está de pé ao teu lado; a Consciência (com mil testemunhas) reclama; o diabo (o inimigo muito violento do género humano) acusa.

    Representa diante dos teus olhos, eu peço-te, meu irmão, que és solicitado pelo pecado, representa o teu Anjo guardião, assíduo espectador e testemunha de tudo o que tu fazes e pensas; Deus inspetor, aos olhos do qual todas as coisas são evidentes, que está sentado sobre os céus e sonda os abismos; e por outra parte a ação tão vergonhosa que se tem vergonha de realizá-la abertamente em presença dum simples e miserável ser humano; não temerás tu portanto de cometê-la diante dos olhos do teu Anjo guardião, de Deus e de todo o coro dos seres celestes que olham para ela e a esmagam? Fi, em que abismo cairás tu?

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 6 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 5 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
217. → Porque as cogitações perversas separam de Deus; e se a sua força é posta à prova, ele corrige os insensatos. Sb 1, 3. 217. Porque as cogitações perversas separam de Deus; → quando o seu poder é tentado, ele confunde os insensatos.


  • Porque as cogitações perversas separam, etc. - Deus é um espírito casto; ele quer, pelo espírito casto (do Corpo, do Espírito e da Alma) ser chamado, procurado, encontrado e retido.

    Vocês não podem, disse S. Paulo, ser ao mesmo tempo adeptos do deboche e do Espírito Santo.

    Reza a Deus afim de que, pela sua graça, ele excite e confirme em ti, com o ódio dos vícios, o amor das virtudes; é o Temor de Deus.
  • Quando o seu poder, etc. - Quer dizer o poder de Deus, cujo Poder não pode ser tentado sem o maior perigo do Corpo, do Espírito e da Alma.

    Porque são esses os dois vícios (e como que as assinaturas que os indicam) dos infiéis: o primeiro é o da desconfiança, o segundo, o da audácia e da temeridade em Deus; e eles tentam-no assim.

    Aprende isto com receio de tentares Iahweh com questões frívolas, com petições soberbas, prejudiciais para o teu próximo ou para ti. Ver o versículo 216.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 5 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 4 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
216. Porque ele é encontrado por aqueles → que não o tentam; → ele aparece àqueles → que têm fé nele. Sb 1, 2. 216. Porque ele é encontrado por aqueles que não o tentam, e ele mostra-se àqueles que não o desafiam.


  • Que não o tentam - Não é em vão que a Lei Divina avisa: «Não tentarás o teu Senhor Deus» (Dt 6, 16; Mt 4, 7; Lc 4, 12).

    Não se pode gracejar com Iahweh, esse Ciumento.

    Reporta aqui o décimo Canon da quarta parte deste Anfiteatro na reformação instauradora e renovadora da Magia e pelo contrário na extirpação erradicadora da Nigromancia.

    Então tu me compreenderás na Proposição do que se trata. Ver os versículos 142, 217 e 251.

    Aquele que consulta Teo-Soficamente não tenta Deus, mas aquele que consulta temerariamente, levianamente e arrogantemente.
  • Ele aparece - Emfanidzetai, ele mostra-se. Este verbo significa a cognição pela qual Deus se mostra e se declara ou se dá a conhecer aos seres humanos devotos, de qualquer maneira que seja, mediatamente ou imediatamente, Macro ou Micro-Cosmicamente.

    Assim a Sabedoria eterna, manifestada na carne, Jesus Cristo, diz-nos (Jo 14, 21): emfanisô emauton, «eu me manifestarei e me declararei a mim próprio». Ver os versículos 142 e 195. E sê inteligente.
  • Que têm fé nele - O Sábio ensina que a incredulidade (tên apistian) é o impedimento pelo qual a Verdade é menos conhecida e os Dons de Deus menos obtidos.

    A Incredulidade (eu afirmo-o constantemente sendo instruído pela Experiência) é como uma mão sinistra pela qual nós afastamos perversamente os Dons de Deus que ele nos oferece benignamente por sua própria iniciativa.

    Porque do mesmo modo que a porta dos milagres, a mão para obter do Senhor os Bens e os Dons admiráveis, é a Fé; pelo contrário a desconfiança ou incredulidade é a perda ou a expulsão dos milagres e é o impedimento para obter de Iahweh as coisas grandes e admiráveis, e para as concluir em nós (porque a Teo-Sofia está para Deus como a mão está para o ser humano).

    É portanto com razão que Cipião, homem admirável que nunca será bastante louvado, proclama no livro De Verbo Mirifico, 2, cap. 6: «Deus faz aliança com o ser humano; não indiferentemente com todos, mas com aquele que se distingue pela Santidade, pela Piedade, pela Religião e principalmente sobretudo pela confiança da Credulidade».

    Do mesmo modo para com a União mental com Deus; Deus não se une conosco quando os nossos crimes o impedem.

    A incredulidade não é um dos menores de todos os crimes.

    Assim como o justo vive pela sua fé, assim o vidente vê pela sua fé.

    Deus impede-se de abandonar aquele que tem fé, canta o Poeta Cristão.

    E o filósofo Morien: «Aquele que teme confiar-se não é perfeito na verdade.»

    E é sobretudo ao Sábio que não convém desafiar-se em coisa nenhuma. Porque se ele teme confiar-se ele desesperará rapidamente.

    E se ele desespera, a sua alma vacilará e nenhum efeito da sua intenção se seguirá. Ver o versículo 167. Exercita o teu espírito nisto.

    Clamemos portanto todos com os discípulos de Cristo: «Senhor aumenta em nós a Fé.» Crê afim de veres. Eu já disse o suficiente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 4 de Agosto

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 3 de Agosto


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
215. Pensem (ó mortais), → no Senhor em sua bondade; e procurem-no → na simplicidade do coração. Sb 1, 1. 215. Pensem (ó seres humanos) no Senhor em sua bondade, e procurem-no na simplicidade do coração:


  • No Senhor - E às suas Obras, aos seus Bens e aos seus Dons, segundo a vontade da sua verdade, na Sacro-Santa Escritura, no Livro da Natureza e nos testemunhos da vosso consciência.
  • Na simplicidade - Na simplicidade da pomba, quer dizer na integridade, imitando o Protótipo; não na astúcia ou na calidez da serpente diabólica.

    A Simplicidade é a Santa Amiga da Verdade da Sabedoria Eterna.

    Não finjas, e que os males não te forcem a ser mau; sê Bom; que o socorro do melhor esteja contigo, mesmo se todos os males estiverem à tua volta.

    Sê prudente, com receio de ser enganado, e simples, com receio de te enganares.

    «O pior conselho é para aquele que dá maus conselhos» Mt 10, 16.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 3 de Agosto