Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
120. Todos aqueles → que vão a ela não regressarão, nem reentrarão → nos caminhos da vida. Pr 2, 19. 120. Todos aqueles que vão até ela, não regressarão nem tomarão os caminhos da vida.


  • Que vão - Os que ensinando e trabalhando se aproximam dela , se deleitam com ela, se associam a ela, a abraçam e a seguem; aqueles que bebem da sua taça, o que ocorre frequentemente entre os seres humanos, quando estão encantados, inebriados pela bebida de Circe, são transformados em animais ferozes e em porcos imundos.
  • Os caminhos da vida - Eles são em número de Dez que tu verás na segunda figura deste Anfiteatro.

    Aquele que, revestido Teosoficamente pelas dez vestes da Regeneração, caminha neles, está Unido Com Deus; eles conduziram felizmente à fonte da vida, ao Oceano da Sabedoria, os Magos Cabalísticos vindos (segundo o versículo 170) do Oriente, pela estrela brilhante da Sabedoria que se tinha levantado Micro e Macrocosmicamente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 30 de Abril

Teosofia Prática - Da leitura em nós próprios


  1. A procura não é o mais importante;

    Mas a sensação, o sabor, o gosto, que nenhuma língua pode descrever e de que o amador não pode conceber os abismos por nenhuma leitura, devem passar dentro do Ser e aí atravessar o fogo interior;

    Depois disso, poder-se-á meter as suas experiências no papel.

    Reconhecer-se-á, completamente sozinho, que se sentiu na alma bem mais profundamente que durante a leitura.
  2. Certamente, com excepção da Bíblia, nós não teríamos necessidade de nenhum livro do mundo, se nós aprendêssemos a ler, em nós próprios, o nosso livro interior dos três Princípios.

    Porque ele está tão cheio de maravilhas que a língua humana não consegue exprimir e que o ignorante não acreditaria nelas.
  3. É por isso que os escritores iluminados, não encontrando as palavras suficientes, se exprimem por intermédio de analogias tomadas da Natureza exterior, afim de que o estudante seja conduzido à meditação mais profunda.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da leitura em nós próprios

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
119. Porque a sua casa → está inclinada para a morte, e os seus caminhos para os infernos. Pr 2, 18. 119. Porque ela inclinou a sua casa para a morte, e que os seus caminhos conduzem aos mortos.


  • Está inclinada - A sua doutrina conduz à ruína do Corpo, do Espírito e da Alma, nesta vida e na eternidade; mas a Lei do Sábio é uma fonte de vida para que tu evites a ruína da morte (Pr 13, 14).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 29 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 28 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
118. E abandona → o guia da sua puberdade e esqueceu o → seu pacto com Deus. Pr 2, 17. 118. Que deserta o guia da sua adolescência e esqueceu o seu pacto com Deus.


  • O guia da sua puberdade - Quer dizer Deus ele próprio; que, pela sua Sabedoria, no Grande Livro da Natureza, na Lei (no Micro e no Macrocosmo) Divinamente transmitida, no seu Verbo escrito, desde o início do mundo, a desviou da malícia e convidou a seguir a via Real da Verdade, e a chama e a convida ainda hoje.
  • O seu pacto com Deus - A exemplo do seu Pai, quer dizer, o diabo que não perseverou na verdade (Jo 8, 44), e de quem ela é a filha muito obediente.

    Todos aqueles que se juntam e se conjugam com ela em casamento, esquecem completamente o seu pacto com Deus, e constituem-se filhos do diabo, e têm por parente o inimigo de Deus, da Criatura, da Natureza e de todo o género humano.

    Eine ehrlich Gesellschaft! Uma companhia honesta! Afim de que tu estejas prevenido, eu aviso-te, amigo.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 28 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 27 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
117. Afim de que tu sejas arrancado → à mulher indigna e → à estrangeira → que suaviza as suas conversas. Pr 2, 16. 117. Afim de que ela te arranque, digo, à mulher estrangeira, à indigna que suaviza as suas conversas.


  • À mulher indigna - O Sábio não trata aqui apenas da nódoa carnal, mas também da dos sentido, da razão e da alma, como é evidente no versículo 108.

    Porque assim como as conversas perversas corrompem os bons costumes, do mesmo modo os dogmas falsos corrompem os bons espíritos.

    A Sabedoria mundana, astuciosa, vã, orgulhosa, litigiosamente disputativa, empolada, proferindo um palavreado de vãs palavras, uns sons vazios de sentido, e pelos prestígios da dialética (eu distingo, amigo Leitor entre o verdadeiro uso e o abuso) e pelos circunlóquios dos sofistas, estendem as redes da sedução, é precisamente esta mulher sedutora, lisonjeadora e indigna (Pr 7), e esta mulher estrangeira, louca e faladora que, por um título muito enganador, se faz diabolicamente passar junto dos loucos, como sendo a Sabedoria verdadeira, enquanto, de acordo com S. Paulo, não há mais perfeita loucura aos olhos de Deus que a sabedoria terrestre, que deve ser desaprendida por aquele que verdadeiramente deseja saber.

    Nas Obras filosóficas de Luís Vivès, escutem o velho Filósofo (que deve ser visto como um mestre na sua arte) possuindo a autoridade da Doutrina e da experiência: «O que, na minha juventude», diz, «acreditei ser sublime e elevado e que eu tomei como tesouros da Filosofia, eu vejo, agora que estou convertido e velho, que apenas são excrementos e outros tantos impedimentos à vida devota e aos estudos necessários

    É isso mesmo.

    Porque os Santos Pais, S. Jerónimo, S. Ambrósio, S. Agostinho, S. Cipriano, S. Hilário, S. Basílio, S. Cirilo, Tertuliano, Bernardo, Prudêncio, Isidoro, e muitos outros homens devotos e doutos (dos quais eu poderia, se tivesse o tempo e o espaço, enumerar num prolixo catálogo, os seus escritos atestam-no abundantemente) não se arrependeram pouco das penas que eles passaram antigamente ao tratar da Filosofia secular, sempre disputativa, pagã, terrestre; e todos, depois de numerosos e penosos trabalhos por ela, compreenderam por fim em si que ela é o flagelo, a peste da verdade, da ciência sólida, da Lei de Deus e da Religião de Cristo.

    Fujam portanto, fujam adolescentes, da meretriz; e a exemplo do Imperador Maximiliano I escutem aqueles que filosofam Pagãmente ou profanamente como rãs e não como rouxinóis.

    Que aquele que pode compreender, compreenda (se o diabo não o impedir) e corrija-se.
  • À estrangeira - A peregrina grega que não é aprovada na sua mentira, pelo testemunho interno do Espírito Santo.

    O motivo deve-se a que a Sabedoria não se adquire pelas palavras alindadas e pintadas da Retórica, nem pela tortuosidade dos silogismos pelos quais esta Estrangeira atrai as crianças e os desprevenidos ao seu amor (infelizmente, vergonhoso e indigno!) mas pela Luz da alma Divinamente iluminada, caindo (Entusiasticamente) sobre o intelecto e pondo em movimento a livre vontade de crer; a qual é a mais nobre via para saber todas as coisas.
  • Que suaviza as suas conversas - Dialeticamente, Retoricamente.

    Séneca diz-nos: «A conversa lisonjeadora é um veneno muito suave. Quem lhe der crédito será enganado facilmente

    Cícero diz igualmente com grande verdade: «As forças e o nervo da Sabedoria são as de não crer facilmente

    E Eurípedes: «Nada é melhor e mais útil ao juiz que o desconfiar dos homens

    Aprendam portanto, ó mortais, vocês que são tantas e tão frequentemente avisados, a evitar imitar o erro dos que erram, devido ao ardor da sua juventude e da sua ignorância, em vez da penitência daqueles que, devido à idade, se tornaram mais sábios.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 27 de Abril

Teosofia Prática - Do voltar da alma para o interior


  1. O leitor pode facilmente compreender, por esta Figura, que Deus está bem mais perto no interior dele próprio do que no exterior, nas constelações do empíreo.

    Tudo se reduz a voltar a nossa alma, a dirigir a nossa convulsão interiormente, a desejar Deus, e a não cessar até que a cara Sofia com o Espírito Santo encontre o desejo da nossa alma e a conduza gradualmente.
  2. Porque nós não poderíamos conceber tudo de uma só vez, porque a roda da Natureza gira continuamente e porque nós só nos podemos aperceber da profundeza da divindade por clarões e como num espelho escuro.
  3. A primeira espreitadela é muito fraca, e é impossível de conceber tudo até que o espírito, por um longo exercício, perfure na profundidade e chegue à compreensão do Misterium Magnum;

    Foi assim que eu o experimentei;

    Eu falo mais acerca disso no quinto capítulo.
  4. Isto não é como quando se olha para qualquer coisa e que se retém a imagem na memória, para depois discorrer acerca dela;

    Mas a alma deve formar um único ser com o conhecimento, e passar muito frequentemente pelo Fogo afim de que ela se torne Fixa.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Do voltar da alma para o interior

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 26 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
116. → Cujas vias são perversas, e as suas diligências infames. Pr 2, 15. 116. Cujos caminhos são perversos, e que são perversos nas suas vias.


  • Cujas vias são perversas - Ah! como não seriam elas perversas?

    Quando as larvas muito perniciosas do orgulho, dos sofismas, das mentiras, das razões litigiosas, das conclusiunculas, das decepções e das falsidades são maliciosamente preferidas e muito, em vez da face esplêndida da verdade.

    Por causa disso, as suas diligências são verdadeiramente infames.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 26 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 25 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
115. Que rejubilam → quando fazem mal e exultam → nas coisas péssimas: Pr 2, 14. 115. Que rejubilam de fazer o mal, exultam nas perversidades do mal.


  • Quando fazem mal - Quando eles habilmente e muito fraudulentamente substituem o falso pela verdade, o iníquo pelo equitativo, o nefasto pelo justo; junto dos quais o Direito e a Justiça, a Verdade e a Consciência não são nada senão um vão e público objeto de tráfico, e junto do vulgar ignorante e profano que estima pouco segundo a verdade e muito segundo a opinião, a procura da glória.

    Que pereçam, aqueles que, do branco se voltam para o preto.
  • Nas coisas péssimas - Desgraça para estes; porque eles cometem aquilo que não será facilmente remitido: o pecado contra a Consciência.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 25 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 24 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
114. Que deixam o caminho reto e caminham pelas vias tenebrosas. Pr 2, 13. 114. → Que abandonam as veredas retas, e caminham pelas vias tenebrosas.


  • Que abandonam - Quer dizer, aqueles que abandonam os verdadeiros caminhos da Sabedoria; e que a Sabedoria abandona por sua vez, e que ela entrega aos sentidos reprovados, pela mais perfeita equidade (S. Paulo, Romanos, 1, 28 e seguintes), de modo que eles andam nas vias tenebrosas, e fazem ações indignas, estão cheios de todas as injustiças (pesa estas palavras, eu peço-te, tu que julgas a Terra, Eclesiasticamente, Politicamente e Escolasticamente, versículo 65 e seguintes) de impudência, de malícia, de avareza; eles estão cheios de inveja, de assassinatos, de contenções, de fraudes; eles estão corrompidos nos seus costumes, denunciadores, caluniadores, inimigos de Deus, contumazes, orgulhosos, gloriosos, excogitadores de maus, insubmissos aos seus pais, privados de inteligência, não fiéis nos pactos, estrangeiros à afeição da caridade; infiéis, imisericordiosos.

    Que aquele que tem a vontade e se congratula de se chamar e de ser filho da verdadeira Sabedoria, examine os seus atos e os seus feitos e aproxime a sua Consciência desta pedra de toque (de qualquer ordem, estado ou faculdade que seja).

    As suas Assinaturas demonstram-nos com a mais perfeita evidência que aqueles que são tais como foram descritos mais acima não podem saber nada nem opinar nada de firme, de sólido e de reto; porque quando eles opinam eles estão sempre em contestação e disputa, e nunca chegam ao fim da verdade.

    «Porque ao disputar demasiado, a verdade foge», de acordo com os provérbios de Públio Clódio ou Varrão.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 24 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 23 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
113. Afim de que tu seja liberto → da via má, e da pessoa → que diz coisas perversas: Pr 2, 12. 113. Afim de que ela te liberte da via má e da pessoa que diz coisas perversas:


  • Da via má - Quer dizer do dogma da Sabedoria mundana ou secular; dado que esta Filosofia é completamente destituída da luz da Verdade, portanto ela é apenas uma loucura toda sofista e insensata aos olhos de Deus, como atesta S. Paulo (1Cor 1, 20).

    É por isso que ele diz (Cl 2, 8): «Cuidem-se para que ninguém vos engane pela Filosofia e por raciocínios vãos e falaciosos, segundo uma tradição humana, ou segundo os elementos do mundo e não segundo Cristo.»

    Quer dizer, pela Filosofia à qual falta o sopro de Deus e da ilustração Divina, e que se apoia na sua própria prudência fantástica e mundana, e não sobre a luz da verdade, Divinamente escrita, transmitida e manifestada nos Livros da Sacro-Santa Escritura, da Natureza e da Consciência.
  • Que diz coisas perversas - De toda a maneira possível.

    Que ele seja Diabólogo ou Juiz perverso, ou Cacomédico ou Pseudo-Físico ou Sofista, ou qualquer outro, substituindo a Retidão pela sombra vã e falsa da verdade.

    De tal modo que em qualquer espécie de estado (dos quais se queixam todos os verdadeiros amantes da Justiça), apesar daqueles que têm hoje o governo das coisas dirigíveis sejam considerados como sábios, quase que não está assegurado que a Doutrina da Sabedoria seja professada de forma pura.

    Tanta força tem o fumo da malícia!

    Porque se estes se entregam completamente à Verdade (engendrada pelos Deuses) eles são chamados de insanos, ignorantes, irreligiosos, até mesmo heréticos; eles são odiados; eles põem mesma a sua cabeça em perigo, sofrem ultrajes e são privados frequentemente do uso da luz.

    É a recompensa dos amantes da Sabedoria, neste mundo imundo.

    Como a Sabedoria incarnada que é a cabeça, é atacado injuriosamente, nós próprios que somos os membros, suportamos os tormentos.

    Porque é a soberana felicidade, para os Melhores, sofrer pelos mais maus.

    Ó tempos! ó costumes! que Deus dê a estes o apoio e o fim.

    Amém, respondem todos os amantes da Teo-Sofia.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 23 de Abril

Teosofia Prática - Do número dez


  1. O décimo número é a Trindade; é aí que o espírito bem-aventurado deve ficar imóvel e cantar o Sanctus, Sanctus, Sanctus, com todas as cortes celestes.

    Nós, seres humanos, não podemos compreender nada disto fora da Virgem Sofia.
  2. Nós devemos mesmo perfurar profundamente se quisermos contemplar a revelação dentro da imagem interior virginal, porque ela se gera a si própria segundo os três Princípios e nasce imediatamente da imagem virginal:

    isto é um segredo escondido, conhecido apenas por aqueles que vivem na sua intimidade.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Do número dez

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 22 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
112. → O Conselho te guardará, e a Prudência te servirá, Pr 2, 11. 112. A cognição te guardará e a Inteligência te conservará,


  • O conselho te guardará - Não humano, mas Divino, que Iahweh enviou do mais alto dos céus.

    Que os passos da tua alma não tropecem contra a pedra das decepções e dos erros.

    E assim serão corrigidas as vias dos homens sobre a terra, e eles aprenderão os salutares conselhos da vida e das ações.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 22 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 21 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
111. → Se a Sabedoria penetra o teu coração e a Ciência → agrada à tua alma. Pr 2, 10. 111. Quando a Sabedoria tiver penetrado no teu coração e a cognição for suave para a tua alma,


  • Se a Sabedoria penetra - Se o teu coração provar o néctar da Sabedoria.
  • Agrada à tua alma - de modo que tu decidas associá-la a ti para o uso e o hábito da tua vida, versículo 308, e de lhe dizeres com todo o teu coração, tu és minha irmã, e de chamares à Prudência tua amiga, versículo 106, e de te associares a ela como tua esposa, versículo 146, e de dormir com ela, versículo 236.

    Ó quantas doçuras para aqueles que te amam, Senhor!

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 21 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 20 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
110. → Vias do inferno, a sua casa, penetrando nas partes interiores da morte. Pr 7, 27. 110. Vias do inferno, a sua casa, descendo ao leito da morte.


  • Vias do Inferno - Que conduzem ao lugar de onde vêm.

    As vias da Sabedoria Divina são direitas, e conduzem às residências celestes e eternas, penetram nas partes secretas da Vida; as vias da impiedade são as vias que conduzem ao inferno, às acrimónias internas da morte.

    O fim da Sabedoria Verdadeira e Divina é a vida; o fim da sabedoria falsa e mundana é a morte.

    Porque esta astuta serpentina introduziu a morte no mundo: A Divina Sabedoria (incarnada, que é o filho de Deus) realmente deu a vida ao mundo.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 20 de Abril

Teosofia Prática - Da nona forma


  1. Quando portanto o ser humano é trespassado pela espada do Querubim e que assim ele superou Deus e o Homem, a celeste Sofia reencontra-se com ele na nona forma;

    Ela refresca a sua alma numa doçura inexprimível, ela veste-o de novo com a sua presença celeste:

    Então a alma torna-se num anjo de Deus, que habita no Céu e pode conversar com Deus.
  2. Porque é só com esta nova roupagem que a alma pode chegar diante da Santíssima Trindade e servir o Deus Santíssimo, em espírito e em verdade, como Melquisedeque, sacerdote do Altíssimo.
  3. A alma chega ao seu objectivo como uma noiva que suspira desde há longos meses pelo noivo Jesus, e que é por fim conduzida à câmara nupcial;

    Mas é preciso que a alma tenha passado pelas formas do Fogo e que ela tenha completado os seus anos de prova.
  4. Porque o Pai não aceita filhos para esposos da sua cara Sofia ou Jesus, ele não conduz nenhum ao leito nupcial, que não seja puro e constante;

    E a celeste Sofia também não se confia aos braços do seu bem-amado se também não estiver bem certa disso de muitas maneiras, porque ela foi enganada por Adão.
  5. E apesar de ela descer, algumas vezes, para se juntar com o seu amante, dentro da convulsão tenebrosa, afim de que ele não se entristeça e não se desespere, ela não permanece lá muito tempo;

    Ela retira-se em breve para o ser humano interior como dentro do seu Princípio interior.

    É por isso que a paciência e a humildade são necessárias.
  6. Mas aquele que fraqueja e que crê poder forçá-la a unir-se pela obstinação ou a impaciência, e por uma propriedade poderosa, esse deve saber que Deus não tem para com ele nenhuma complacência, e que a sua cara Virgem não tem estimação pelo seu egoísmo;

    Porque a graça só responde aos humildes e aos mansos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da nona forma

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 19 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
109. → Porque ela abateu vários, feridos, e os mais fortes foram mortos por ela. Pr 7, 26. 109. Porque ela fez cair vários, feridos, e todos os forte, foram mortos por ela.


  • Porque ela abateu vários, feridos - Muitos daqueles que se terão deitado com essa meretriz, pessoas cujo natural, noutras circunstâncias, no entanto não era mau, são infectados gravemente pelo seu veneno subtil como num contágio epidémico, de forma que com grande dificuldade sentem na agonia da morte alguma suavização dos seus males; muitos, entre os mais fortes, quer dizer aqueles que (aos olhos dos seus semelhantes) passam para doutos e muito sábios (apesar de serem no entanto muito insensatos) pelas trevas dessa Sabedoria tão insensata, são feridos mortalmente e, lançados por terra, expiram miseravelmente (os exemplos são inúmeros e fáceis de encontrar) e perecem nas suas vaidades, e, digo eu, ficam jazentes, enterrados no abismo das trevas.

    Aprende, ó filho, com o exemplo dos outro.

    Porque feliz daquele a quem a experiência do outro o torna previdente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 19 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 18 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
108. → Que o teu espírito não seja arrastado pelas vias dela, e que tu não te percas nos seus caminhos. Pr 7, 25. 108. Não voltes o teu coração para as suas vias, e que tu não erres nos seus caminhos.


  • Que o teu espírito não seja arrastado - A Sabedoria mundana é uma meretriz, porque pelas suas atrações carnais, pelo fausto, a arrogância, o orgulho, as voluptuosidades, as honras, as riquezas, ela atrai os espíritos dos seres humanos; contudo a Alma humana não é iluminada por todas essas coisas, mas pelo contrário é coberta de trevas, corrompida e suja.

    Os seus caminhos são caminhos de decepção que não conduzem ao verdadeiro fim dos seres humanos, à verdadeira e eterna Sabedoria, mas à morte e à confusão.

    A Sabedoria Divina é uma virgem que não se junta, não se casa e não copula com as almas impuras, mas com aquelas que estão imbuídas do temor de Deus e que ela ilumina pela sua pureza, e que ela conduz à fonte da Sabedoria e à luz primordial, Jesus Cristo, do qual ela é a esposa.

    Ver mais abaixo, o versículo 117.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 18 de Abril

Teosofia Prática - Da oitava forma


  1. A oitava forma é o Mundo-do-Fogo, com as constelações ígneas;

    Ele está colocado no meio do macrocosmo e do microcosmo;

    Ele é o ponto de separação entre o ser humano exterior e o interior;

    Na regeneração, o Mundo-da-Luz fica no centro;

    É aí que reside Jesus que submeteu a Si o Mundo-do-Fogo na nossa humanidade.
  2. A raiz desse Mundo-do-Fogo é o Mundo-Tenebroso, com a constelação tenebrosa, que tem encerrado em si o Mundo-do-Fogo, com todos os diabos e a almas danadas;

    É o local de separação do Bem e do Mal, é o crivo que não deixa passar nada para o céu interior de Deus.
  3. Nesse Mundo-do-Fogo está o Querubim com o seu gládio de dois gumes;

    Ele guarda o caminho da árvore interior da vida;

    É preciso que nós o combatamos, nesta vida ou na outra, e que nós experimentemos a força do seu braço;

    Porque no fim da nossa vida estão Moisés, com as suas leis severas, e o diabo, com o registo dos nossos pecados;

    O que deve prevenir os seres humanos de não deferirem a sua penitência até ao fim.
  4. Porque nenhuma língua humana pode exprimir a dor que causa a lâmina dessa espada!

    Bem-aventurado aquele que se purifica neste tempo e que chama Jesus: a segunda morte não terá poder sobre ele.

    Maldição para aquele que retardou esse cuidado, porque uivará e rangerá os dentes, amaldiçoará o dia do nascimento, e desejará nunca ter vivido;

    Ver Jr 20, 14 e Ap 6, 16.
  5. Para lá deste Mundo-de-Fogo, ou propriamente entre este Fogo e a Tintura, estão os Anjos e a alma de Adão, que formam a nona roda.

    É dela que a Escritura fala quando diz: «Ele faz os seu Anjos espíritos, e os seus servidores das chamas de fogo.» (Hb 1,7)
  6. O Mundo-Tenebroso escondido contém as três primeiras formas até ao Fogo, e é chamado o Inferno, fora do Fogo;

    É o poder severo de Deus, para o qual o Diabo tendeu, e que infernizou, da mesma forma que Adão;
  7. Esse mundo devia, depois que Cristo o fechou, ter ficado secreto dentro do Fogo, se o ser humano, pelos seus pecados e os seus crimes, não o tivesse reaberto neste mundo ao diabolizar-se.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da oitava forma

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 17 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
107. Afim de que ela te guarde → da mulher estrangeira e da mulher indigna que torna as sua palavras suaves. Pr 7, 5. 107. Afim de que ela te guarde da mulher indigna, da estrangeira que suaviza as suas conversas.


  • Da mulher estrangeira - Da qual se fala no versículo 117.

    A fornicação com ela conduz à perda eterna: porque ela tem mel na boca e veneno arsenical (que corrói as partes secretas) no coração.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 17 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 16 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
106. → Diz à Sabedoria; tu és minha irmã; e chama à Prudência tua amiga. Pr 7, 4. 106. Diz à Sabedoria: Tu és minha irmã; e chama à Inteligência, tua aliada;


  • Diz à Sabedoria, etc. - Bom Deus, o que é isto? Dizer à Sabedoria Eterna: tu és Minha Irmã, e chamar à Prudência de Deus minha Amiga!

    Ousarei eu isso, eu pobre mortal? Que farei eu?

    Eu obedecerei sabiamente ao Sábio; desejando do mais profundo do meu coração, pela estimulação do movimento da própria Sabedoria, vertendo, por causa da alegria interior, lágrimas penitenciais, que são a matéria primordial da Regeneração, eu digo e eu direi sempre à Sabedoria de Iahweh: sê minha amiga, formosa mea, minha pomba!

    Eu escolho-te, ó tu a quem eu me dirijo porque só tu me agradas!

    Vem para dentro do jardim da minha Alma!

    Vem, vem, vem, meu coração! minhas delícias!

    Ó Hhochmahel ! ó Benahél ! ó muito frutuoso advento da Sabedoria verdadeira em nós!

    Eu gosto muito da frase que o Filósofo Sócrates, Ateniense, trazia esculpida no seu selo: «A Sabedoria do homem é a sua amiga; a sua loucura é a sua inimiga.»

    O que há de mais semelhante, eu pergunto-te, às palavras da passagem citada do nosso Sábio, se nós o escutarmos devotamente e Cristãmente, da Sabedoria Eterna, única verdadeira?

    Jesus Cristo, theanthrôpos (que é a Sabedoria de Deus feita carne por causa de nós) é verdadeiramente um amigo, e mesmo um irmão muito suave, que penetra as coisas incertas.

    Neste Arquétipo, imitando-o fielmente, conheçamos, tentemos e impetremos Todas as Coisa, Cristiano-Cabalisticamente, e Físico-Magicamente, Teosoficamente.

    Pela Sabedoria são conservados aqueles, quais quer que sejam, que agradaram ao Senhor desde o princípio, versículo 270. Ver o capítulo 10 completo do Livro da Sabedoria.

    Seguidamente, Tu disseste, ó melhor dos irmãos (Mt 8, 20): «As raposas têm covis e os pássaros do céu têm ninhos, mas o filho do homem não tem onde descansar a sua cabeça.»

    E eu, eu te conjuro, inclina a cabeça: eu me descubro completamente para ti, eu sou todo teu; não mais para que tu te repouses, mas que por causa de ti, pelo Corpo, o Espírito e a Alma, seja para mim o repouso eterno.

    Santo Agostinho concorda com as nossas palavras nas suas meditações, no cap. 7 e 8, onde diz: «Eu amo-te, ó meu Deus, com um grande amor; mas eu desejo amar-te ainda mais; concede-me portanto de te amar sempre tanto quanto eu quero, tanto quanto eu devo, afim de que tu sejas a minha única intenção e toda a minha meditação; de te meditar cada dia sem cessar, de te conhecer no sono da noite; faz com que o meu Espírito fale contigo, que a minha Alma converse contigo; que o meu coração seja iluminado com a luz da tua Santa Visão, afim de que, sendo tu o meu condutor, o meu reitor, eu caminhe de virtude em virtude, e que eu te veja enfim, ó Deus dos Deuses em Sião, não como num Espelho, através dos mistérios e dos enigmas, mas então verdadeiramente face a face.» Amém.

    Aprofunda aquilo que eu quero, filho da Doutrina.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 16 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 15 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
105. → Liga-a aos teus dedos; escreve-a → nas tábuas do teu coração. Pr 7, 3. 105 Ata-a aos teus dedos; escreve-a na tábua do teu coração.


  • Liga-a aos teus dedos - Como um anel de recordação.

    É o Anel dos Teósofos, da assistência do Espírito do Bem.

    «Vincula sem descanso os meus preceitos no teu coração, e ata-os em redor da tua garganta» (Pr 6, 21).

    «E estas palavras que eu te dou hoje, estarão no teu coração; e tu as narrarás aos teus filhos, e tu as meditarás sentado na tua casa, e andando no caminho, dormindo assim como um ancião; e tu as vincularás como um sinal na tua mão; elas estarão e se moverão entre os teus olhos; e tu as escreverás no limiar e na porta da tua casa» (Dt 6, 6).

    Tudo isto, aprende, foi escrito para nos servir de doutrina. É por isso que, aqui, aprende-a.
  • Nas tábuas do teu coração - Este virtuoso Pentáculo de Salomão (não o dos Necromantes ou Cacomagos, que é fantasista e blasfematório) que deve ser suspenso ao pescoço do teu espírito. Ver a figura quarto deste Anfiteatro.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 15 de Abril

Teosofia Prática - Das sete formas da Natureza exterior


  1. Esta vida, com as sete formas da Natureza exterior,

    insinua-se até ao coração, até ao sol,

    cuja raiz está no Fogo,

    de onde tira o seu esplendor e o seu brilho.

    Nessas sete formas, o Diabo, a antiga Serpente, escondeu-se

    e envenenou a alma,

    sobre isto pode consultar-se o Apocalipse 5 1.

Notas
  1. Apocalipse 5:
    1. E vi na destra do que estava assentado sobre o trono um livro escrito por dentro e por fora, selado com sete selos.
    2. E vi um anjo forte, bradando com grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de desatar os seus selos?
    3. E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele.
    4. E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele.
    5. E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos.
    6. E olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro animais viventes e entre os anciãos um Cordeiro, como havendo sido morto, e tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra.
    7. E veio, e tomou o livro da destra do que estava assentado no trono.
    8. E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos.
    9. E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação;
    10. E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.
    11. E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares,
    12. Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças.
    13. E ouvi toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.
    14. E os quatro animais diziam: Amém. E os vinte e quatro anciãos prostraram-se, e adoraram ao que vive para todo o sempre.
    Tradução de Almeida. [ ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Das sete formas da Natureza exterior

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 14 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
104. Conserva os meus Mandamentos → e tu viverás; e a minha Lei como a pupila do teu olho. 1 Pr 7, 2. 104. Guarda os meus Preceitos e tu viverás, e a minha Lei como a pupila dos teus olhos.


  • E tu viverás - Porque eles são a vida daqueles que os encontram. Ver o versículo 28.

    Ó muito gloriosa sentença cheia de Sabedoria!

    Porque assim como a pupila é a sede dos raios visuais e da luz visível, do mesmo modo, os preceitos de Deus são a luz e os raios luminosos dentro dos espíritos dos seres humanos.

Notas
  1. Ele exorta à contemplação do Verbo de Deus afim de que nós sejamos salvos da mancha do Espírito e do Corpo. [ ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 14 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 13 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
103. (Ó) → meu filho, guarda os meus discursos e → esconde em ti os meus preceitos.
Meu filho, honra o Senhor e tu terás a autoridade e a força, porque em seguida tu não temerás nada. 1
Pr 7, 1. 103. Ó meu filho, guarda os meus discursos e esconde perto de ti os meus preceitos.


  • Meu Filho - Que Deus te converta para o melhor, tu que, por uma arrogância ignóbil e mundana, desprezas as admoestações do Sábio assim como as minhas, paternais e fraternais.
  • Esconde em ti os meus preceitos - Numerosos e quase incalculável são os impedimentos que os espíritos malignos e impostores opõem ao génio humano, e pelos quais eles obstruem a via que leva à salutar conversão e iluminação.

    Qual é, eu peço-te, o número das seduções do Mundo?

    E o número das voluptuosidades, pelas quais, como com o engodo são retidos os corações dos mortais, como canta o Poeta: A vossa lisonja é um verdadeiro engodo.

    E do mesmo modo que aqueles que usam ópio adormecem, do mesmo modo, pelo ópio do Estige e do Inferno, as almas dos mortais caem no sono do Lete e no esquecimento profundo das coisas Celestes.

    É por isso que o Sábio avisa aqui, afim de que o filho da Teosofia esconda os seus preceitos nas partes mais secretas do seu coração, e que ele guarde memória do seu jugo fiel.

    Porque se os vivos discursos de Deus são obliterados no peito do ser humano, o Espírito de Iluminação e de Sabedoria afasta-se, e então sucede o espírito de trevas e de loucura.

Notas
  1. Extraído da Septuaginta. [ ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 13 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 12 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
102. E ele ignorou que os gigantes estão lá e que os seus convidados estão → nas profundezas do inferno. 1
Porque quem se aproxima dela desce aos infernos, e quem se afasta dela é salvo. 2
Pr 9, 18. 102. E ele não sabe, o simples, que os mortos estão lá, e que os convidados por ela estão nas profundezas do inferno.


  • Nas profundezas do inferno - Isto é o fim da Sabedoria mundana imunda, em direção à qual se dirigem também todos aqueles que estão por ela imbuídos, insuflados e inchados.

    Aqui o esplendor deles será convertido em trevas, o luxo deles em miséria, as voluptuosidades deles em crucifixão, a alegria deles em lamentação, as honras deles em ignominia, as riquezas deles em fetidez abominável.

    Porque aquele que, nesta vida, não é o domicílio da Sabedoria Eterna, da Luz Divina e do Espírito Santo, será o habitáculo das trevas, do horror infernal dos espíritos maus; porque ele procurou a Luz dentro das Trevas e porque ele pediu a Verdade à mentira.

    Ó Eterna Verdade, conduz-nos; Eterna Via, dirige-nos; Eterna vida, vivifica-nos; Eterna Luz, ilumina-nos: Eterna salvação, salva-nos, com receio que o nosso banquete seja nas profundezas do inferno, mas que nós nos sentemos pelo contrário no mais alto dos céus, à mesa da Sabedoria Eterna, para sermos saciados na eternidade do aspecto de Deus.

Notas
  1. Exortação à Sabedoria e à observância dos preceitos. [ ]
  2. Extraído da Septuaginta. [ ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 12 de Abril

Teosofia Prática - Da primeira constelação


  1. A primeira constelação é a mais exterior,

    é o regime do ser humano natural,

    que o leva para as diferentes artes, trabalhos, estudos ou actividades,

    que faz os indivíduos bons ou maus, ricos ou pobres, altos e baixos, como cada um pode constatar.

    Adão caiu neste regime por sua falta,

    e entraram com ele todos os seus filhos,

    de tal forma que actualmente, sem um combate obstinado, e sem a regeneração, efectivamente nós não conseguimos sair dele.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da primeira constelação

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 11 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
101. → As água furtivas são mais doces, e → o pão escondido é suave. Pr 9, 17. 101. As águas roubadas são doces, e o pão escondido é suave.


  • As água furtivas - Todas as Ciências não divinamente e não Divino-Magicamente e Cristiano-Cabalisticamente adquiridas pelas orações e pelas lágrimas são as águas furtivas, que não são divinamente dadas; é por isso que elas não são dons perfeitos, revelados pelo pai das luzes; portanto elas são enganadoras, falsas e sem nenhum proveito.

    Elas são suaves porque são adquiridas sem mortificação da carne, sem verdadeira penitência, sem verdadeiro temor de Deus; é por isso que elas são doces segundo a carne.
  • O pão escondido - furtivamente adquirido, não é o pão da Sabedoria e da vida, de que se alimenta a alma; mas é o pão da voluptuosidade mundana, das obras e da honras fúteis; é por isso que é suave para a carne, mas mortal para a alma.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 11 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 10 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
100. Quem é criança volta-se para mim; e → ela falou aos perversos. Pr 9, 16. 100. Quem é simples volta-se aqui; e ela disse a quem tem falta de coração:


  • Ela falou aos perversos - O insensato, o perverso e o louco é aquele que se deixa enganar pela Sabedoria mundana, a qual engana os simples com as honras, as voluptuosidades e as riquezas que desaparecem e se desfazem em fumo.

    Os Filhos da Sabedoria procuram as honras pela humildade, as voluptuosidades pela sobriedade, as riquezas pela benignidade, a alegria pelas lágrimas, a ciência pela experiência no Oratório e o Laboratório.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 10 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 9 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
99. Afim de que ela chamasse → aqueles que passam no caminho e prosseguem o itinerário deles. Pr 9, 15. 99. Afim de que ela chame aqueles que passam no caminho, e que se dirigem nas veredas deles, dizendo:


  • Aqueles que passam no caminho - Muitos são atraídos às veredas da loucura, pelos vãos títulos, pelas honras, as recompensas, o elogio da erudição, e concordam com esta frouxa e verbosa filosofia, e permanecem ignorantes da verdadeira Sabedoria que deve ser procurada e adquirida por uma via muito diferente e bem afastada.

    É esta última que o nosso Rei muito sábio nos mostra no livro da Sabedoria.

    Ah! vocês que passam pela via desta muito curta e muito miserável vida, aprendam a dirigirem-se prudentemente e devotamente nos vossos caminhos, afim de que vocês sejam conduzidos à porta, e à porta da Sabedoria Eterna.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 9 de Abril

Teosofia Prática - Da tripla constelação do ser humano


  1. O ser humano é, propriamente, na sua génese exterior e interior, uma tripla constelação, como se pode ver nesta figura;

    Ele vive num movimento incessante, e numa convulsão esfomeada, em direcção ao seu Centro;

    Ele turbilhona sempre em volta do seu Centro, para o atingir, e para aí encontrar o seu repouso;

    Mas, mesmo que ele atinja o seu centro, não pode repousar aí até que tenha regressado ao seu primeiro estado, do qual tudo foi criado e engendrado.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da tripla constelação do ser humano

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 8 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
98. Sentou-se → à porta da sua casa, num banco, → num local elevado da cidade. Pr 9, 14. 98. E sentou-se na soleira da sua casa num banco, nos locais elevados da cidade.


  • À porta - Assim como a porta da Sabedoria é verdadeiramente o temor de Deus e as orações assíduas, assim também a porta da casa da loucura é a ignorância de Deus e a fantasia particular de cada um, que se liga às bagatelas e aos jogos de palavras, e se exibe ela própria sumptuosamente.

    E assim como os vestíbulos da casa são sempre belos e esplêndidos, da mesma forma a porta da loucura está ornamentada com grandes lâmpadas de palavras vãs.
  • Num local elevado, etc. - Embora apesar da maquiagem e da atração das palavras vãs, a Sabedoria mundana só possui o nada, ela mostra-se no entanto, sentada no lugar elevado da cidade, quer dizer que ela concilia a Opinião do Sábios, deleita as pessoas com admiração por ela, e é adorada por todos como uma Divindade, enquanto que a verdadeira Sabedoria é oprimida e expulsa; assim como os Escribas, os Fariseus e os Grandes Sacerdotes se sentavam no lugar elevado, quer dizer gozavam da completa autoridade, enquanto que Cristo, nosso Salvador, que é a Sabedoria verdadeira, era rebaixado e desprezado.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 8 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 7 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
97. → A mulher insensata e gritadeira e cheia de seduções e que não sabe nada de nada, Pr 9, 13. 97. A mulher insensata, que cria tumulto é simples e não sabe nada de nada.


  • A mulher insensata - A Sabedoria mundana é esta mulher insensata, que, por esta razão é chamada insensata porque ela não é iluminada por nenhum raio da Celeste Sabedoria.

    Tudo o que o génio do ser humano engendra sem a iluminação do Espírito Santo é a suprema loucura; desta loucura seguem-se as ruidosas, zumbidoras e tumultuosas contenções; as questões, as subtilezas, os sofismas que se resolvem no fim em vento e fumo.

    No entanto, essa orgulhosa meretriz pintada e vestida com um casaco de púrpura, pelas suas fraudes e pelas suas seduções engana um grande número, e por títulos capciosos palia a sua loucura e por todos os graus da loucura conduz insensivelmente os seus discípulos até à larva suprema.

    Sobre isto, ver vários versículos, 107 a 117.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 7 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 6 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
96. Aquele que junta → durante a colheita é um Filho sábio; mas aquele que repousa durante o Verão, é uma criança de confusão. Pr 10, 5. 96. Aquele que junta no verão é um filho inteligente; mas aquele que dorme durante a colheita é uma criança que atua com confusão.


  • Durante a colheita - Na ocasião ou no tempo oportuno. Porque a cabeça cabeluda, depois, torna-se calva .

    É necessário observar esta palavra do Imperador Fernando: Muitas vezes, um só dia dá aquilo que um ano inteiro não é suficiente para dar, noutras circunstâncias.

    Observa portanto o Tempo, o lugar, as pessoas e a ocasião nas coisas que tu deves realizar; que cada um se apresse a aproveitar a ocasião que lhe é oferecida por Deus de bem conduzir uma coisa. S. Paulo, de acordo com a mesma opinião, mandou aproveitar o tempo (Ef 5, 16).

    É o verão, não apenas do ano, mas também da juventude de toda a vida, da ocasião, do tempo, dos amigos, dos tutores, das promoções, dos bens do corpo e da Alma e das decisões da Fortuna: O teu Génio ou o teu Espírito Bom pode e quer; ele pode e quer porque te incita, quando, movido em ti, tu percebes o bem através dele.

    Este movimento, este impulso interno e externo é a vocação Divina, a qual, segundo a doutrina do Apóstolo, devemos fielmente seguir, Orando e Laborando (1Cor 7, 20).

    Ver os versículos 170, e 177.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 6 de Abril

Teosofia Prática - Da minha experiência


  1. Porque agradou ao Deus bom levar-me, a mim indigno verme, ao conhecimento de mim próprio, eu não enterrei esse conhecimento na minha propriedade;

    Pelo contrário, quero comunicá-lo àquele que o utilizará, se encontrar em si inclinação para isso,

    E portanto eu representei estas Figuras afim de que quem imaginar ver Deus na constelação exterior, possa concebê-Lo em espírito.
  2. Eu trabalhei muito nesse sentido na minha juventude;

    Tendo lido na Escritura santa que Moisés, Josué, David e outros santos homens falavam com Deus e viam o céu;

    Mas eu não conseguia realizar a minha Intenção.
  3. Até que Deus misericordioso me apareceu interiormente, face a face, que Ele abriu o seu céu em mim, que Ele falou com a minha alma, boca a boca, segundo o Ens 1 e o Mens 2 ;

    Isso rejubilou-me extremamente, e inflamou-me de amor pelo meu adorável Jesus, ao qual eu me liguei de corpo, de alma e de espírito, não querendo mais sair d'Ele, nem fraquejar no sofrimento ou na aflição, e tendo a firme confiança de que Ele nunca mais me deixaria separar d'Ele.
  4. Foi o que Ele fielmente realizou:

    A Ele sejam portanto a honra, o poder, a força, o reino e o esplendor na Eternidade.

    Amém!

Notas
  1. O "Ens" é a Entidade ou Ser.

    "Ens" enquanto substantivo é o predicado mais geral e mais simples; enquanto particípio, é um predicado essencial apenas em relação a Deus em Quem a existência e a essência são uma só, ou cuja essência implica a existência. [ ]
  2. O "Mens" é o princípio que corresponde, ainda que imperfeitamente, à "Alma" da Teologia católica, já que nela se verifica o discernimento entre o bem e o mal, embora que, no entanto, ele represente um certo elemento de inércia dirigido pela "Ratio" e o "Intellectus".

    O princípio "Mens", com efeito, só pode perceber a luz pela intuição ou a contemplação, mas não pelo estudo.

    Também não é concebido como unido sistematicamente ao corpo, e é curioso o facto de que, quando os hierólogos concedem uma alma a Deus, dizem sempre "Mens Divina" e não "Anima Divina" nem "Animus Divinus".

    Os hebreus expressaram este princípio com a palavra "Neshamah".

    Atualmente é confundida com demasiada frequência com o entendimento por causa das derivações modernas "mental" e "Mentalidade", quando na realidade expressa apenas a parte inconsciente do mesmo.

    Quando dizemos, por exemplo: "Tal pessoa não é inteligente", conservamos intuitivamente a diferença com o conceito que nos fez definir genericamente o ser humano como "uma criatura inteligente", notória contradição que apenas traduz uma simples limitação idiomática. [ ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da minha experiência

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 5 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
95. E → a tua indigência virá como um viajante e a tua pobreza como um homem armado. → Se verdadeiramente tu não és preguiçoso a tua colheita virá como uma fonte e a indigência fugirá para longe de ti. Pr 6, 11. 95 E a tua indigência virá como um viajante, e a tua pobreza como um homem armado com um escudo. (O restante falta no texto grego).


  • A tua indigência e a tua pobreza - Não apenas de pão, mas antes de Sabedoria, de Prudência e de Inteligência, tanto das coisas Naturais, Artificiais, Mecânicas, etc., como das Metafísicas e Divinas.

    Aqui se referem os Provérbios: Quem recusa o trabalho recusa as honras. Honra e penar encontram-se. Que aquele que quer conhecer o lucro conheça primeiro o penar.

    Do mesmo modo, Pr 10, 4: A mão relaxada produz a pobreza; mas a mão dos fortes gera as riquezas.

    E, ibid. 14, 23: Em toda a obra boa será a abundância; mas onde se fala muito, a indigência será vista com frequência. Porque nenhum fruto provém do discurso ouvido.

    As pessoas do povo dizem, na Alemanha: Es ist mit seggen nicht gethan: As benção não são suficientes.

    Que as mãos sejam postas ao trabalho em nome do Senhor; e então seguir-se-ão o lucro e o emolumento.
  • Se tu não és preguiçoso, etc. - E isto: aquele que está em pé e é incansável recebe muito e frequentemente. Que o Pai de família seja o primeiro a sair fora da cama e o último a deitar-se.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 5 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 4 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
94. Tu dormirás um pouco; → tu dormitarás um pouco; tu juntarás um pouco as tuas mãos para dormir. Pr 6, 10. 94. Tomando um pouco de sono, um pouco de repouso, um pouco de complicação das mãos, afim de dormir:


  • Tu dormitarás um pouco - Este pouco tem sempre o costume de crescer e de se tornar imenso, seguindo estas palavras: O erro é pequeno no princípio, mas grande no fim.

    O preguiçoso, pelos seus atrasos, dissipa-se a si próprio, e dissipa os dons de Deus.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 4 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 3 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
93. Até quando dormirás tu, preguiçoso; quando te erguerás tu → do teu sono? Pr 6, 9. 93. Até quando dormirás tu, preguiçoso? Quando surgirás tu do teu sono.


  • Do teu sono - Muito pernicioso, não somente pela preguiça, mas também pela malícia, pelo ridículo, pela incredulidade, pela ignorância e pela negligência, tanto da reputação como da vida, da alma e do corpo.

    Pr 20, 13: Não ames o sono, com receio que a pobreza te oprima; abre os olhos e sacia-te de pão.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 3 de Abril

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 2 de Abril



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
92. → Prepara no verão o seu alimento e junta durante a colheita aquilo que come. Pr 6, 8. 92. No entanto, ela prepara no verão o seu alimento e junta durante a colheita os seus alimentos.


  • Prepara no verão - Mesmo pela formiga, é-nos sabiamente ensinado que nós devemos trabalhar.

    Nós devemos Teosoficamente Orar e Sabiamente Laborar por tudo o que nos pertence.

    É por isso que S. Paulo (Ef 4, 28) ensina que cada um trabalhe com as suas mãos em qualquer boa obra afim que tenha assim algo para dar a quem sofre de necessidade.

    Esta é a vontade de Deus que execra a ociosidade porque a ociosidade produz os vícios.

    A preguiça é o templo de Satã, de acordo com Ezequiel; porque entre os pecados de Sodoma, ele cita a preguiça, em 16, 49, onde se lê: Esta foi a iniquidade de Sodoma: o orgulho, a saturação do pão e a abundância, e a preguiça dela e das suas filhas; e elas não estenderam a mão ao indigente nem ao pobre. E elas elevaram-se e cometeram abominações; e eu destrui-as como vocês viram.

    Recorda-te que a preguiça significa aqui aquela ociosidade e aquela apatia vergonhosa que torna o mal agradável; aquela ausência de vida e aquela doença héctica que priva de todos os bens e que não é nem honesta nem liberal; ver mais distante, sobre este assunto, o versículo 205.

    A mão deve trabalhar com habilidade, como o ensinava perfeitamente a antiguidade venerável; e ela deve fazê-lo no verão, quer dizer no tempo oportuno. Ver versículo 170.

    Tem por conseguinte cuidado de não deixares para o dia seguinte ou para um tempo distante o estudo e os trabalhos da Sabedoria; hoje, hoje, reza, aprende, observa, anota tudo o que o Espírito de verdade te sugere Teosoficamente; hoje, hoje trabalha, prepara estudiosamente para o teu corpo, o teu espírito e a tua alma, o alimento da Sabedoria, da Cristiano-Cabala, da Físico-Magia e da Físico-Química.

    Examina com cuidado a balança da razão para o negócio supremo, enquanto não vier com a noite o labirinto do qual não poderás sair.

    Não defiras, por conseguinte, de seguir aquele que te avisa sabiamente e de te entregares aos bons trabalhos (mentais e manuais).

    Was du gutes thun und laboriren wilt das thue balde, quer dizer: aquilo que tu queres fazer e experimentar, faz imediatamente. Porque a vida é curta, mas a arte é longa.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 2 de Abril