Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 31 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
90. → Vai à formiga, ó preguiçoso, e considera as suas vias, e aprende a Sabedoria. Pr 6, 6. 90. Vai à formiga, preguiçoso; observa as suas vias e sê sábio:


  • Vai à formiga - Não apenas à formiga, mas também a todos os animais, quais quer que sejam; porque em cada um deles tu verás brilhar uma chama da Sabedoria ou da Prudência.

    Aventinus, nos Anais dos Boios, ou antigos Germanos e Gauleses, prova com histórias prolixas que a castidade conjugal da Cegonha é muito rigorosa, de tal forma que se o macho surpreendesse a sua própria fêmea em adultério (se essa impudência tivesse lugar), ele despedaçava-a e dilacerava-a com os pintainhos concebidos pela mãe em adultério.

    Sobre a fidelidade dos Cães existe uma falácia que não tem falta de elegância, de Jacob Mycillus, cujo começo é:

    Entre todos os quadrúpedes, como muito fiel,
    Entre todos os quadrúpedes, como um prazer,
    Entre todos os quadrúpedes, como seu Rei,
    O cão é conhecido, venerado e admirado, etc.


    Vê em Plutarco, no livro da Indústria dos Animais um grande número de exemplos escolhidos, da fidelidade do cão.

    Uma idéia da fidelidade, da constância, da coragem, da graça e da suavidade do belo cãozinho ternamente amado por Júlio César Scaliger é-nos dada pelo seu epitáfio, na primeira parte dos poemas do seu Mestre. Os exemplos doutros cães não faltam em quase todos os locais que quisermos.

    O Elefante, o maior dos animais terrestres é dócil, clemente, prudente, dotado de uma excelente memória; "filanthropon", amigo do homem, segundo Plínio, liv. 8 da sua História Natural, e Juste Lipse, nas suas Cartas, segundo também o testemunho da experiência de cada dia; porque testemunhos oculares e dignos de fé afirmam que deu no nosso tempo exemplos de magnanimidade, em Antuérpia, em Lisboa, e em Viena.

    A Cotovia também é famosa junto dos sábios, devido ao elogio que dirige maravilhosamente a Deus e da ação de graças que lhe presta pelos seus Dons e os seus Bens; porque é reconhecido que sete vezes, voa ao alto depois volta a descer antes de apanhar da terra um único grão para o seu alimento. Não é isto louvar a Deus de forma racional e prestar-lhe graças? Elas são nisso muito mais sábias que um grande número de seres humanos desumanos.

    Quem ensinou à andorinha a construir para si uma casa com tanta arte?

    Há sobre a terra, diz Agour, filho de Iakeh (Pr 30, 24, etc.) quatro coisas extremamente pequenas; e elas são mais sábias que as pessoas mais sábias: as formigas, esse povo ínfimo que prepara o seu alimento durante a colheita; as pequenas lebres, esse bando fraco que estabelece a sua residência nos rochedos; o gafanhoto que não tem rei e que anda em bandos; o lagarto que anda sobre as mãos e vive no palácio do rei.

    Um campo vasto se abriria se nós quiséssemos tratar dos vestígios da Sabedoria e da Prudência nos diferentes animais. Mas o pouco que foi dito (o mais que foi possível aqui) é suficiente.

    Acrescentarei aqui: Plutarco conheceu isto quando disse que os "zôa aloga" ou animais brutos eram "logika", quer dizer dotados de razão: (senão completamente, ele pôde dizer que eles tinham pelo menos alguns átomos ou chamas de razão e de virtudes) o que Lactâncio igualmente estabeleceu, e que nos nossos dias Guillaume Onciacus defendeu ao tratar por escrito dos mistérios dos números.

    E todos convictamente pensaram bem que, (e na minha opinião igualmente) visto que uma chama da Sabedoria Divina brilha em todos os animais, quer dizer terrestres, aquáticos e aéreos, eles não são completamente irracionais, mas num grau bem inferior aos seres humanos, porque nestes a Sabedoria brilha, de forma muito mais abundante.

    Temo efetivamente que, se o Criador tivesse dado a alguns animais (porque todos os seres humanos não são prudentes e sábios ao mesmo grau) as vantagens da palavra, isso teria sido suficiente para lhes dar tudo o que lhes falta.

    Mas a falta de linguagem falada é compensada pela linguagem das obras e dos atos; que aqueles que o experimentaram decidam.

    As Criaturas que gemem, das quais fala S. Paulo (Rm 8, 22), não significam outra coisa.

    Podem objetar estas palavras do Salmista: Aqueles em quem o intelecto não existe. A objeção é realmente fraca. Não há o costume de dizer o mesmo dos seres humanos veementes, impulsivos e ferozes que no entanto, não são destituídos de razão?

    Deus é admirável nas suas obras; todo o universo fala e testemunha a sua Bondade, a sua Omnipotência, a sua Sabedoria e manifesta-as (tanto particularmente como universalmente) de forma que aqueles que observam Deus falando macro-cosmicamente serão aqueles que o compreenderão.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 31 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
89. (Porque) suave é → a Luz e o olho fica deleitado a ver o Sol. Ecl 11, 7. 89 Suave verdadeiramente é a Luz; feliz é o olho ao contemplar o Sol.


  • A Luz, etc. - Deus é a Luz soberana, infinitamente pura, imaculada.

    Cristo é a verdadeira Luz, o Sol da Justiça; o Espírito Santo é a Luz e o Brilho da Sabedoria.

    A Luz é um Anjo; a Luz é a verdade, a vida e a alegria; a Luz é o amito e o vestuário de Deus.

    Ó como é agradável admirar com os olhos da Alma e atingir com o Espírito esta Luz eterna, infinita; de receber pela fé esta Luz incriada e incarnada no Salvador; de contemplar esta Luz criada nos Anjos; de a admirar, brilhante na Luz Micro-Cósmica da Natureza e nas Luminárias do Céu, de a excitar, brilhante, na alma do Micro-Cosmo; de considerar este admirável Vrim, na Benta e Única Pedra dos Filósofos.

    Porque suave é esta Luz e deleitável; mais serena que a Aurora; mais bela que a Lua, mais esplêndida que o Sol.

    Ela é a imagem fulgurante, resplandecente e gloriosa da face do Salvador e da brilhante brancura das suas vestes.

    Porque tu foste eleita e escolhida por mim, cândida e rubicunda, tu a quem os nossos corpos regenerados e glorificados serão completamente semelhantes, porque eles resplandecerão como as luminárias do Céu.

    Ó Suave Luz e deliciosa aos olhos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 30 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
88. → Semeia (também) a tua semente de manhã, e que a tua mão não cesse à noite. Ecl 11, 6. 88. Semeia o teu grão desde a manhã, e que há noite tu não dês repouso à tua mão.


  • Semeia de manhã - Da mesma forma que o céu do Macro-Cosmo, de manhã e à noite, fecunda a terra com o seu orvalho e revivifica também o Micro-Cosmo, assim, tu próprio, desde a manhã lança a semente das devotas precações e dos Louvores Divinos à noite.

    E assim como os antigos davam às Musas a Aurora amiga, oferece tu aos bons Anjos desde a Aurora amiga.

    A oração para Deus é uma semente muito fértil; a liberalidade, a beneficência, a esmola, são uma semente muito frutuosa.

    As obras de Caridade são uma semente muito feliz; mas o emendar de toda a vida é a melhor das sementes.

    Tu semearás, por conseguinte, essa semente desde a flor da juventude até à noite da velhice, até que surja a colheita da vida eterna.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 29 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 28 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
87. → Compra a Verdade e não vendas a Sabedoria, nem a Doutrina, nem a Inteligência. Pr 23, 23. 87. Compra a Verdade e não a vendas; compra a Sabedoria e a Erudição e a Inteligência.


  • Compra a Verdade - Dá o teu tempo e as teus obras, afim de que, recebendo a vontade do Senhor, tu te forneças com a Verdade; e não coloques acima da Sabedoria as futilidades enganosas de certos Pagãos não iluminados Divinamente.

    O que significa não vender a Sabedoria, ver versículo 201.

    O mundo pode ser enganado; mas tu queres ser sabiamente instruído.

    E como se compra a Verdade? Certamente, de modo algum pelo dinheiro; mas pela investigação devota, as orações assíduas e os trabalhos incansáveis, no Oratório e no Laboratório.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 28 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 27 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
86. Mantém → a Disciplina; não a abandones; guarda-a, porque ela é a tua via. Pr 4, 13. 86. Apreende a correção; não a abandones; guarda-a porque ela é → a tua vida.


  • A Disciplina - A Doutrina e a piedade, que são úteis para Todas as Coisas, quer dizer o Temor de Deus.
  • A Vida - Que ele corrija portanto a sua vida e caminhe nas vias da Sabedoria, aquele que quer adquirir a vida.

    É impossível, sem a vida, adquirir a vida.

    O fruto da Disciplina é a vida; o fruto da presunção, é a morte.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 27 de Março

Teosofia Prática - Da recuperação do nosso olho de luz


  1. Se nós queremos contemplar e observar o ser humano na sua geração interior profunda, temos que, com a nossa alma, sair da vida Elementar e da sideralidade terrestre, e voltarmo-nos para a vida divina interior de Jesus Cristo;

    É preciso chamar pela graça desse caro médico, afim de que Ele se digne abrir os nossos olhos fechados até então pelo diabo, desde o Paraíso;

    Afim de que nós recuperemos o nosso olho de luz para reconhecermos e contemplarmos Deus em nós;

    Sem o que tudo permanecerá um Mistério selado e inconcebível ao nosso olho sidérico racional.
  2. Porque aquilo que nós vemos do ser humano é, com excepção da palavra e do regime natural do entendimento sensível, comum a todos os animais;

    E quando o ser humano atinge o seu tempo, regressa, como todos os animais, à terra mãe;

    E muitos desejariam que não houvesse ressurreição afim de que as suas obras não viessem à luz do dia.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Da recuperação do nosso olho de luz

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 26 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
85. Porque → aquele a quem o Senhor ama, corrige-o e compraz-se nele como um pai no seu filho. Pr 3, 12. 85. Porque aquele a quem Iahweh ama, recebe dele a imprecação, e tal como um pai a dá ao seu filho que ama extremamente.


  • Aquele a quem o Senhor ama, etc. - A este refere-se o Salmo 73 inteiramente (vulg. 72) que é o salmo de Assaf 1. Lê-o 2.

Notas
  1. Os Salmos de Assaf são os doze salmos com os números 50, e 73 a 83 do Saltério. [ ]
  2. Salmo 73 (72) - A retribuição do mal e do bem
    1. Como Deus é bom para Israel,
    para os que têm coração puro!
    2. Os meus pés estavam quase a resvalar,
    pouco me faltava para escorregar.
    3. Pois sentia inveja dos soberbos,
    ao ver como os maus prosperavam.
    4. Para eles não há aflições,
    pois estão cheios de saúde.
    5. Não sofrem as contrariedades da vida,
    nem são atormentados como os outros.
    6. Por isso, enchem-se de orgulho
    e cobrem-se com o manto da violência.
    7. Os seus corações transbordam de maldade
    e as suas mentes estão cheias de más intenções.
    8. Zombam e falam com maldade,
    dizendo que é de Deus que vem a injustiça.
    9. Protestam contra Deus, que está nos céus
    e falam mal dos outros, que estão na terra.

    10. Por isso os seus seguidores se voltam para eles
    e bebem com avidez as suas palavras.
    11. Eles dizem: «Deus não sabe disto;
    o Altíssimo não descobrirá nada!»
    12. São assim os maus: vivem cada vez mais ricos,
    sem se importarem com Deus.
    13. De nada me serve ter um coração puro
    e ter as mãos limpas de toda a maldade!
    14. Sofro provações a toda a hora;
    todas as manhãs sou castigado.

    15. Se eu tivesse pensado como eles,
    eu atraiçoaria aqueles que te são fieis.
    16. Tentei compreender isso,
    mas foi muito penoso para mim.
    17. Só quando entrei no santuário de Deus,
    compreendi qual iria ser o fim deles.
    18. Tu hás de conduzi-los à perdição,
    e fazê-los cair na ruína.
    19. Num momento ficarão destruídos!
    O medo acabará com eles!
    20. Como quando alguém desperta de um sonho,
    quando te levantares, Senhor, desprezarás a imagem deles.

    21. Outrora, o meu coração estava cheio de amargura
    e a minha mente, transtornada;
    22. era insensato e nada compreendia.
    Eu era como um animal diante de ti!
    23. No entanto, tenho estado sempre contigo;
    tu conduzes-me pela mão,
    24. guias-me ao teu convívio
    e hás de receber-me com honras.
    25. Quem tenho eu no céu, além de ti?
    Na terra só desejo estar contigo.
    26. Ainda que o meu ser se esteja a consumir,
    Deus é quem dá força ao meu coração;
    ele é a minha herança para sempre.

    27. Os que se afastam de ti vão arrepender-se;
    tu destróis aqueles que te renegam.
    28. Para mim, a felicidade é estar perto de Deus.
    Tu, Senhor, meu Deus, és o meu refúgio;
    hei de proclamar tudo o que tens feito. [ ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 26 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 25 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
84. Não rejeites, meu filho, a Disciplina Do Senhor, e → não percas a coragem quando receberes dele a correção. Pr 3, 11. 84. Não rejeites, meu Filho, a Correção de Iahweh, e não fiques aborrecido por causa da sua increpação:


  • Não percas a coragem - Porque toda a aflição é a voz de Deus para a penitência.

    Ver aqui o Salmo 119, 71 (vulg. 118): Foi bom para mim que tu me tenhas humilhado afim que eu conheça as tuas justificações.

    E Iahweh diz estas palavras consoladoras, Salmo 50, 15 (vulg. 49): Invoca-me no dia da tribulação e eu te livrarei.

    Rezem portanto, jejuando, sem cólera nem hesitação; sem raiva e sem irritação, nem se considerem abandonados pelo conselho de Deus ou injustamente afligidos (ó quanto frequentemente, até mesmo os devotos, são assim tentados! acredita naqueles que o sentiram) sem hesitação, crendo firmemente que Deus vos dará socorros.

    Recebam portanto como um benefício paternal, a Disciplina que vos chama à penitência e à cognição da Misericórdia Divina.

    Pela aflição, a fé será confirmada, porque nós nos sentiremos socorridos por Deus.

    Que coisas não sabe aquele que é tentado? A Tribulação é a Escola prática, e gera a experiência.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 25 de Março

Teosofia Prática - Do grande mistério – Figura 0


Clicar na imagem para aumentar


Figura 0 - A Roda da Génese da imagem de Deus dentro do Homem


Legenda da Figura 0: 1

  • Escrito no cimo da figura:
    «A Roda da Génese da imagem de Deus dentro do Homem pelos três Princípios do Ser Divino»
  • Constelação Exterior (círculo mais exterior)
  • Via em espiral em direção ao interior:
    Número 1: Esfera de Saturno (em cima),
    Número 2: Esfera da Lua (em baixo),
    Número 3: Esfera de Júpiter (em cima),
    Número 4: Esfera de Mercúrio (em baixo),
    Número 5: Esfera de Marte (em cima),
    Número 6: Esfera de Vénus (em baixo),
    Número 7: Esfera do Sol (em cima),
    Número 8: Mundo do «FOGO» (em cima), 2
    Número 9: «Tintura Celeste» (em cima), 3
    Número 10: «Majestade» (em cima, dentro dos raios da Luz),
    «TRINDADE» (em cima, dentro dos raios da Luz). 4
  • No centro da figura:
    «Iod – He – Vau – He» dentro de um triângulo encimado por uma Cruz

Notas
  1. Esta figura não pertence ao Autor. Esta figura, com ligeiras alterações, pertence ao livro Da Tripla Vida de Jacob Boehme. Par. 12, p. 8. [ ]
  2. Entre o Fogo e a Tintura estão os Anjos e a alma de Adão. Par. 14, p. 16-7. [ ]
  3. Na Tintura, no Número 9, estava a alma de Adão antes da queda. O ser humano regenerado retorna até aqui. Aqui Sofia junta-se ao ser humano regenerado. [ ]
  4. O ser humano nunca deve avançar para o Número 10. O ser humano regenerado contempla o Número 10, a partir do Número 9. [ ]

[ ◊ ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Figura 0

Teosofia Prática - Do grande mistério - Prólogo


  1. Leitor que procuras Deus, é te comunicado aqui completamente a roda da génese segundo os três Princípios, afim que tu possas ver efectivamente como as formas se engendram segundo a sua ordem no temperamento.
  2. Imagina isto de uma forma viva dentro da tua alma; assim compreenderás com muito mais facilidade as figuras seguintes do nosso Autor, porque a compreensão é interior.
  3. É por isso que ele só quer mostrar, como introdução, o que a primeira imagem criada de Deus foi antes da queda, coisa que o autor reconheceu de forma prática dentro do oculto do espírito, e que ele te desenvolveu nas figuras do ser humano perfeito.
  4. E, se tu seguires o autor com aplicação, a regeneração será realizada para ti, e tu a completarás.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Grande mistério » Prólogo

Teosofia Prática - 1. Do grande mistério


Capítulo primeiro

Do grande mistério da revelação divina

segundo o tempo e a eternidade
na forma humana

Figura 0

  1. Prólogo
  2. Da recuperação do nosso olho de luz
  3. Da minha experiência
  4. Da tripla constelação do ser humano
  5. Da primeira constelação
  6. Das sete formas da Natureza exterior
  7. Da oitava forma
  8. Da nona forma
  9. Do número dez
  10. Do voltar da alma para o interior
  11. Da leitura em nós próprios
  12. Da alma esfomeada por Deus
  13. Do começo do seu caminho
  14. Da Transmutação da Cólera em Misericórdia
  15. Do cavar na alma
  16. Da alma não exercitada
  17. Do Spiritus Mundi
  18. Do Princípio médio
  19. Da alma ígnea

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » 1. Do grande mistério

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 24 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
83. Eu vos concederei → um Dom excelente; não abandonem a minha Lei. Pr 4, 2. 83. Porque eu vos dou uma Doutrina excelente, não abandonem a minha Lei.


  • Um Dom excelente - Este dom é realmente excelente.

    Qual é ele então? O dom soberano que não tem superior, o dom católico, Ter-tri-um, quer dizer: a Agnição, a Cognição, a Cognação, a União e a Fruição de Iahweh, da Criatura e da Natureza e de vocês próprios, à honrosa obtenção dos quais conduz o nosso Anfiteatro.

    Mas como? A própria Sabedoria responde, dizendo: Não abandonem a minha Lei. Como se ela dissesse: ah! eu peço-vos, a vocês, filhos muito caros, não abandonem a minha Lei; eis que, se vocês ficarem fielmente unidos à mim, se vocês permanecerem na minha Lei, eu vos concederei os meus Bens e os meus Dons infinitos, escondidos no meu Verbo, Biblicamente, Macro e Micro-Cosmicamente transmitidos e escritos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 24 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 23 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
82. → Escutem, filhos, a Disciplina do pai, e estejam atentos afim que vocês saibam a Prudência. Pr 4, 1. 82. Escutem, filhos, a Disciplina do Pai, e estejam atentos afim de conhecerem a Inteligência.


  • Escutem, filhos - O sábio mostra aqui a via legítima conduzindo à Sabedoria e à obtenção dos seus frutos, que é a de estar atento à Disciplina do Pai, pela qual sobretudo são corrigidas as afeições viciosas, afim de se tornarem capazes de receber a luz divina.

    Porque, lá onde a carne está mais domada, o Espírito está mais iluminado.

    Compreender a Doutrina, e obedecer escutando, e pedir a Deus obedecendo à governação, esse é o começo da verdadeira Iluminação.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 23 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Segundo grau


II. GRAU PROLOGÉTICO

Segunda Exposição



[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 22 de Março


Aprendam portanto, ó mortais

a Sabedoria

e

81. Amem → a Justiça → vocês que julgam a Terra. Sb 1, 1. 81. Amem a Justiça vocês que julgam a Terra.


  • A Justiça - Aquilo que é justo e equitativo, na Sacro Santa Escritura, no Livro da Natureza e nas vossas consciências retas.
  • Vocês que julgam - Eclesiasticamente, Politicamente e Escolasticamente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 22 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 21 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
80. Recebam portanto a Disciplina → pelos meus discursos, e ela vos será proveitosa. Sb 6, 27. 80. Por isso sejam portanto instruídos pelas minhas palavras, e que elas vos sejam úteis.


  • Pelos meus discursos - Pela minha Lei e a minha Doutrina que eu vos transmito e que estão destramente expostas, desde a fonte católica tri-uma, neste Anfiteatro.

    Tu que desejas os frutos da Sabedoria, planta no teu coração a sua árvore, que é o Verbo e a Palavra de Deus, e então ela te dará os frutos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 21 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 20 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
79. Porque a multidão dos sábios é → a saúde de toda a circunferência Terrestre, e → um Rei sábio, a estabilidade do seu povo: Sb 6, 26. 79. Porque a multidão dos sábios é a salvação do Mundo, e um Rei prudente a estabilidade do povo.


  • A saúde da circunferência Terrestre - Muitos perguntam porque é que o mundo inteiro está colocado na malignidade?

    Eu respondo: a doutrina desta passagem avisa-nos isso: Porque todas as coisas estão cheias de loucos; de outra forma o mundo não seria imundo.

    Porque a multidão dos Sábios é a saúde do Universo.

    Porque acontece então que existam tantos insensatos? Porque eles não obedecem às advertências dos Sábios, versículo 32.

    Porque é que eles não obedecem? Por causa da sua própria malícia, que é censurada por Jeremias 2, 19.

    Eles quiseram-na; que eles a tenham.
  • Um Rei sábio, etc. - Desgraça para o povo cujo Rei (Político, Eclesiástico ou Escolástico) é uma criança; (quer dizer insensato, versículo 205) e cujos Príncipes comem desde a manhã.

    Feliz a Terra cujo Rei é Nobre (pela virtude) e cujos Príncipes se alimenta no tempo conveniente, e para se sustentarem e não por luxúria.

    Porque o estado forte do povo consiste na Sabedoria e na Prudência do Rei; e o estado fraco, na luxúria dos seus debochados que estão perdidos pela gula.

    A Alma muito prudente é uma alma sóbria.

    Notem isto, vocês que são uma ânforas de Baco, e corrijam esse sinistro modo de viver e beber; se não, pela vossa embriaguez excessiva, vocês dirigem-se para a loucura, a doença, a indigência e finalmente serão assados com o diabo no inferno. Versículo 305.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 20 de Março

Teosofia Prática - Introdução



Ao leitor amigo de Deus e da sabedoria

  1. Apesar de eu ter hesitado muito em partilhar esta pequena flor paradisíaca, conquistada num longo e fatigante combate contra esta mundo grosseiro e sujo, que espezinha a pérola do conhecimento de Deus e de Si, e que persegue os fervorosos, os meus caros colaboradores obrigaram-me, com as suas exortações repetidas, a entregar à luz do dia esta representação do mistério divino no seu fundo mais interior, afim que eles tenham um espelho diante dos olhos para se contemplarem nele.
  2. Afim que ele lhes sirva de comemoração e de aviso, porque Adão, tendo cometido a falta, acordou e tornou operante a Treva fria e irascível dentro das suas formas de vida, e provocou em todos os rebentos um combate violento do mal contra o bem, da Treva, da Cólera e do Não contra a Luz, o Amor e o Sim.
  3. Assim portanto, que cada um fique de guarda, que reze e vigie com aplicação e severidade, que tenha uma supervisão vigilante sobre todos os maus influxos venenosos das constelações infernais e terrestres; que fique rigorosamente de guarda à convulsão, ao desejo, e à Imaginação do seu carácter, por forma a que o Bem não seja abatido, e que a sua queda, e a sua separação, não se agravem ainda mais.
  4. É isso que acontece muito facilmente e muito depressa quando a alma ganha confiança e se relaxa um pouco, quando ela se volta inconsideradamente para o terrestre do Espírito deste mundo, ou quando ela deixa penetrar em si um pensamento mau contra o seu irmão, e quando ela se exalta com orgulho acima dos Tronos.
  5. Porque os três Princípios atraem a alma: cada um procura governá-la, e regressa tanto mais quanto mais a obteve, ou até que tenha sido vencido pelo mais forte, quer dizer até que a Luz, poder único, as tenha amarrado e submetido, assim como eu experimentei durante os longos anos do meu difícil combate.
  6. Não é suficiente começar este empreendimento com boas intenções: não se deve, depois de ter trabalhado nele duramente durante oito, nove, dez anos ou mais, fraquejar impensadamente, azedar outros corações fracos, e precipitá-los consigo no infortúnio eterno.
  7. Pelo contrário, é preciso sacrificar ao Senhor toda a sua vida, abandonar-se a Ele de corpo, de alma e de espírito, de fortuna e de saúde, e compreender que foi apenas a graça de Deus que nos chamou à regeneração; é preciso prometer a Deus, e ao seu Cristo, uma fidelidade e uma constância eternas, e empenhar- se toda a vida por ser uma testemunha da verdade.
  8. Para que serve amarmos a nossa vida terrestre? No entanto, ela é perecível, e, segundo a parábola de Cristo, nós a perderemos. Vale muito mais não metermos a mão na charrua e esperar pacientemente, na simplicidade, pelo apelo de Deus, ou que, se formos trabalhados pelo Espírito de Deus, avaliemos humildemente as nossas forças interiores, para não opormos dez mil soldados a vinte mil; é melhor irmos lentamente, do que voar ao encontro do inimigo, menosprezá-lo e sermos no fim derrubados por ele.
  9. Eu escrevo para avisar aqueles que caminham alegremente atrás do Senhor, mas que ainda não combateram. Porque geralmente, o começo é suave, satisfatório e muito agradável; mas quando se torna sério, quando a alma procura tirar a sua vontade da constelação exterior para se voltar para Deus, no seu Centro, abandonar todo o visível e passar através da oitava forma do Fogo, isso exige um trabalho duro, suores de sangue; porque a alma tem então que lutar com Deus e com as pessoas.
  10. Portanto, a partir do momento em que tu queres regressar à tua vida, e amá-la de novo, o Diabo vem com sete espírito ainda mais maus, rodeia a tua pobre alma com todas as formas, e faz-te passar o resto da tua vida na maior miséria, na pobreza, na fome e nas preocupações glutonas e terrestres de um escravo para seres por fim lançado no fogo de Deus com tremor, angústia e dor. Eu, infelizmente! conheci exemplos verídicos de tais desgraças.
  11. Tu és, neste momento, o teu próprio artesão. Recolhe-te na humildade e faz de ti próprio um anjo, e tu serás um anjo. Mas, forma em ti um demónio turbulento e orgulhoso, e tu serás um demónio, e Deus não poderá perdoar-te.
  12. O Fogo da oitava Forma é o ponto de separação; eu extraí essa figura do livro Da Tripla vida de Boehme, e desenhei-a para a tornar mais clara; porque o ser humano tornou-se tão terrestre e tão exterior, que ele Especula sempre sobre si próprio, e ele procura muito longe, para lá do Firmamento estelar na suprema Eternidade, aquilo que está tão perto de si, no Centro interior da sua alma.
  13. As Figuras seguintes mostram também como os três mundos se distribuem dentro do ser humano, ou em que relação estão entre si, como o Deus muito bom me revelou, introduzindo o meu espírito dentro de todos os Centros. Porque eu só mostro os Centros, se alguém quiser fazer grandes círculos ou esferas, e movê-las umas dentro das outras, pode fazê-lo; tal como eu as vi em espírito, assim as desenhei.
  14. E apesar de nem todos chegarem a esta contemplação, porque ela tem lugar pela graça divina e a fidelidade constante, a vitória e a supremacia, todo o combatente sincero as encontrará com a sua sensibilidade, se agir interiormente com Deus.
  15. Eu descrevi, no quinto capítulo, o combate de Miguel e do Dragão, o que é, como se desenrola na criação pela separação da vontade movida em muitas vontades contrárias; igualmente, eu acrescentei e expliquei a que provas se deve submeter o filho da Virgem até que seja estabelecido no matrimónio espiritual.
  16. E por fim, no sexto capítulo, falei da oração e do seu Mistério, nomeadamente, o que é rezar em espírito e em verdade, tal como eu aprendi com a minha própria experiência; porque a oração é o gládio sempre cortante do soldado.
  17. Que o caro leitor o tome com Amor; que o utilize, e agradeça a Deus, de Quem eu o recebi, e ao amor adorável de Quem eu me recomendo com o leitor, pela oração cristã.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Introdução

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 19 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
78. Amem (ó amem) → a Luz da Sabedoria, vocês todos que comandam os povos. Sb 6, 23. 78. Este versículo falta no texto grego.


  • A Luz da Sabedoria - Vocês todos que (quer Politicamente, Eclesiasticamente ou Escolasticamente) mandam nos povos, amem a Luz da Sabedoria Eterna; a Luz Divina, digo eu, da Verdade Divina Divinamente nascida, e brilhando na Sacro Santa Escritura, no livro da Natureza e na Alma ou Espírito purificados do ser humano Teosoficamente purgado.

    O mundo é um pássaro da noite em comparação com esta Luz.

    Ó Luz Eterna de entre as Luzes Eternas, ilumina (eu peço-te) a minha alma com um raio da tua Luz Divina; ilumina, eu conjuro-te, no templo Micro-cósmico do meu saber, afim que eu te conheça em mim e a mim em ti, na Sabedoria Eterna única verdadeira. Amém. Versículo 170.

    Porque eu verei na tua Luz, a Luz tri-una da Sacro Santa Escritura, da Natureza e da minha Alma, a qual luz está obscurecida (ó vergonha) pelas trevas da minha ignorância e das minhas superfluidades. Ver versículo 126.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 19 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 18 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
77. Se portanto vocês se deleitam com tronos e septos, ó Reis do povo, amem a Sabedoria, → afim que vocês reinem perpetuamente. Sb 6, 22. 77. Se portanto vocês se deleitam com tronos e septos, ó Reis dos povos, honrem a Sabedoria, afim que vocês reinem perpetuamente.


  • Afim que vocês reinem perpetuamente - Afim que vocês sejam herdeiros da Sabedoria eterna, porque unicamente a flor da Piedade e da Virtude (quer dizer a Sabedoria) é perpétua.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 18 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 17 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
76. Desejem portanto ardentemente os meus discursos; amem-nos → e vocês terão a Disciplina. Sb 6, 12. 76. Procurem portanto os meus discursos e desejem-nos, e obterão a Erudição.


  • E vocês terão a Disciplina - E por conseguinte todos os frutos e usos da Disciplina, frequentemente enumerados no nosso Prólogo pelo Sábio.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 17 de Março

Teosofia Prática - Prefácio da edição de 1736



  1. O bem amado leitor vai receber aqui, sem presunção, aquilo que esperou durante tanto tempo. São as figuras do homem interior que o autor teve escondidas consigo durante quinze anos, até ao fim da vida, e que nós guardámos ainda durante dez anos.
  2. Elas teriam ainda ficado muito tempo secretas, se o Amor não se tivesse inquietado, e para agradar aos amadores, não nos tivesse por fim dado permissão, e incitado a confiá-las à impressão.
  3. Nós rejubilamos com a grande bondade de Deus, porque os nossos corações prezam o bem, e endereçam louvores a Deus.
  4. Recebe, portanto, este presente que te faz o Amor, com um coração fiel, como se viesse do próprio Deus, e serve-te dele para a salvação e a utilidade da tua alma.
  5. O leitor nos ficará grato por termos feito acompanhar as Figuras com algumas palavras de explicação; fizemo-lo porque o Espírito de Deus se revelou, e nos ditou as palavras necessárias.
  6. Ao mesmo tempo, elas completam em certa medida aquilo que o Autor não explicou ao longo do texto; porque não se pode descrever de uma só vez todo o Reino de Deus; só se pode dizer dele aquilo que o Espírito nos deixa saber.
  7. Pelo mesmo influxo da graça, nós seguimos o processo de Jesus, em espírito, e pela virtude daquele que é o princípio e o fim da nossa fé.
  8. Graças a Deus, nós vimos o dia pelo qual o Autor, no seu tempo, tinha suspirado.
  9. Nós também tivemos Jesus connosco, e Ele fez-nos beneficiar dos trabalhos da juventude do nosso combatente para a utilidade comum de todos os colaboradores. Deus seja louvado. Amém.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Prefácio da edição de 1736

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 16 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
75. Porque aqueles que tiverem guardado → a Justiça serão julgados com justiça; e → aqueles que tiverem aprendido os deveres encontrarão com que responder. Sb 6, 11. 75. Porque aqueles que tiverem conservado santamente os direitos e os deveres de Santidade → serão vistos como santos, e aqueles que forem instruídos terão com que responder.


  • A Justiça - Divina; divinamente transmitida e escrita na Sacro Santa Escritura, na Natureza e nas nossas Consciências.

    Aqueles que guardarem esta Justiça serão julgados justamente, porque a própria Sabedoria prestará testemunho diante do seu pai àqueles que foram e que são os filhos da Doutrina e da Disciplina, os fieis amados da Sabedoria.
  • Serão vistos como Santos - Não aqueles que seguiram a sombra da justiça e da santidade, «morfôsin ekoutes tês eusebeias», «Die nur einen schein heben der Gottseligheit», quer dizer unicamente uma aparência de piedade; mas aqueles que tiverem sido realmente os órgãos da justiça, da piedade e da santidade, pelos quais a fé viva e o Espírito Santo terão exercido as verdadeiras obras da justiça e da piedade; serão julgados como Santos, quer dizer terão o vivo testemunho da piedade e da fé salvíficas que responderão por eles.
  • Aqueles que tiverem aprendido os deveres - que são verdadeiros, retos e justos, em Todas as Coisas Possíveis.

    Onde? No livro de Deus, católico, tri-um, quer dizer da Sacro Santa Escritura, da Natureza, e da nossa Alma purgada e Divinamente iluminada.

    Porque Iahweh é verdadeiramente a alma da Alma.

    E de que maneira? Teosoficamente, Fisicamente, Físico-Medicamente, Físico-Quimicamente, etc., como ensina este Anfiteatro; em Orando e Laborando, versículo 187.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 16 de Março

Teosofia Prática - Frontispício



CURTA ABERTURA E INSTRUÇÕES

sobre os

TRÊS PRINCÍPIOS E TRÊS MUNDOS
DENTRO DO SER HUMANO

Representados em figuras distintas

Como e onde eles têm os seus Centros respectivos
dentro do homem interior; segundo aquilo que o autor
encontrou em si próprio na contemplação divina,
e que ele sentiu, degustou e apercebeu.

Mais uma descrição dos três géneros de seres humanos,
segundo o princípio ou o Espírito dominante;
onde cada um pode ver como num espelho
sob que regime vive;


Com uma instrução sobre o

COMBATE DE MIGUEL E DO DRAGÃO

sobre o que é a verdadeira oração em espírito e em verdade

Desenhado e escrito
por

Johan George GRABER, de Ringenhausen
Johan Georg GICHTEL, de Regensbourg

NO ANO DE CRISTO 1696

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Frontispício

Johan Georg Gichtel - Teosofia Prática



  1. Tabela das figuras
  2. Frontispício
  3. Prefácio da edição de 1736
  4. Introdução do autor
  5. Capítulos
    1. Do grande mistério da revelação divina segundo o tempo e segundo a eternidade sob a forma humana
    2. Do ser humano natural
    3. Do ser humano regenerado
    4. Do ser humano interior segundo a imagem de Deus. Da entrada divina nele como no seu próprio templo
    5. Do Combate de Miguel e do Dragão
    6. Da Oração
  6. Índice temático



Início » Textos » Sabedoria Divina Prática

Teosofia Prática - Tabela das figuras



  1. A roda da génese da imagem de Deus, dentro do ser humano, segundo os três princípios do Ser divino
  2. O ser humano terrestre
  3. O ser humano regenerado
  4. O ser humano perfeito (2 pranchas)

[ ◊ ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Tabela das figuras

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 15 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
74. É portanto a vocês, ó Reis, (proclama aqui outra vez, e não sem propósito o nosso Sábio), que se endereçam estes meus discursos → afim que vocês aprendam a Sabedoria e que vocês não a percam. Sb 6, 10. 74. A vocês portanto, se dirigem estes discursos, → ó tiranos, afim que vocês aprendam a Sabedoria e que vocês não a ofendam.


  • Ó Tiranos - Ele chama Tiranos, aos Reis e aos Príncipes, com boa razão.

    Turannos, Senhor ou Rei; como diz Trogus-Pompeius: «Chama-se-lhes Reis em consideração da grandeza da sua majestade, e eles são colocados entre os bons pela sua moderação provada; chama-se-lhes Tiranos em consideração da sua força». Turannéô, eu reino.

    Como nesta passagem de Euripides: «Os Reis tornam-se sábios pelo convívio com os sábios».

    Assim, este nome, nos antigos, não era mais uma fórmula de repreensão ou de inveja que o de Rei.

    Posteriormente, é verdade, a malícia cresceu, quando os Reis soberbos começaram a reinar, o nome de Tirano apenas foi dado aos que dominavam, não pelo direito e pelas leis equitativas, mas pela violência e pelas inclinações da sua alma, de modo que a sua crueldade fez com que este nome tenha adquirido má fama. Versículo 64.

    O texto grego chama-lhes Basileis, quer dizer Reis. É preciso entender não somente os Magistrados Políticos mas também (como já foi dito) inclusivamente os Eclesiásticos e os Escolásticos.
  • Afim que vocês aprendam a Sabedoria - Aprendam, assim como convém a verdadeiros Filósofos, a Sabedoria Verdadeira, porque (isto é certo) a maior parte de vocês gira nas vias do labirinto das vossas Ciências e das vossas Artes (que são pequenos riachos dos Dons e dos Bens da Sabedoria, em vez das próprias Ciências e Artes) e ficam nos vestíbulos, e como se na casca em vez de entrarem na noz da Sabedoria, ou a Própria Sabedoria;

    Aprendam-na portanto, com receio que prestem homenagem às servidoras de Sofia e às suas Virgens concubinas apenas duma forma rudimentar, em vez de beijarem Teosoficamente os suaves lábios delas com o beijo da teoria e da prática;

    E mesmo com receio que vocês as pisem com os pés, que vocês as golpeiem diabolicamente com o raio de um anátema (com um abuso que as ofenderia) ou que vocês condenassem anticristãmente as suas fiéis servidoras cristãs. Ver versículo 113.

    Aquilo de que a maior parte dos nossos antepassados se queixaram, e nós próprios nos queixamos, e muitos se queixarão depois de nós, é de ver derrubado o Sábio modo de filosofar dos Cabalistas e dos Magos, quer dizer dos Sábios; e de ver reinar os sofistas, e de ver os Sábios deste mundo imundo, todos insensatos, cairem cada vez mais baixo em todos os crimes, e levarem com eles para a morte (ó Deus!) os que os seguem.

    Ver o versículo 112 e alguns dos seguintes. E também, 28 e 187.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 15 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 14 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
73. (Porque) → escapar à tua mão, ó Senhor, é impossível, porque todo o Mundo (Orbs) é a vingança dos justos. Sb 16, 15.


17.
73. (Porque) que alguém escape à tua mão, isso não pode acontecer; atendendo a que o próprio mundo (mundus), é a vingança dos justos.


  • Escapar à tua mão - A mão de Deus está sobre todas as criaturas.

    Ela é dupla: Auxiliadora e Vingadora.

    Apercebemo-nos da mão auxiliadora de Deus quando o Sol brilha para nós, quando o Ar sopra para nós, quando a Terra reverdeja para nós, quando a água a rega para nós.

    Apercebemo-nos da mão vingadora de Deus quando o Sol recusa o seu influxo, quando a violência dos ventos se faz sentir, quando a terra fica estéril, quando as águas a inundam; todas as criaturas exercem a vingança contra nós, e quando Deus excita todo o Macro-cosmo contra nós, afim que o Céu lance o raio, a peste, a fome.

    E porque Deus tem na sua mão o Céu e a Terra, é portanto impossível fugir da sua mão.

    Se tu considerares o Microcosmo, vê o quanto é fácil a Deus de lhe deleitar o espírito e de lá pôr, ao invés, insanidade e fúria; de o deleitar com a Sabedoria e de o mudar em bruto, como o atesta o exemplo de Nabucodonosor.

    Por conseguinte, a mão Auxiliadora de Deus deve ser Reconhecida Em Todas As Coisas; e a mão Vingadora de Deus deve ser Temida em Todas As Coisas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 14 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 13 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
72. (Porque) não há Sabedoria, não há prudência, não há conselho → contra o Senhor. Pr 21, 30. 72. Ninguém tem Sabedoria, nem Inteligência, nem conselho contra Iahweh.


  • Contra o Senhor - Porque toda a verdadeira Sabedoria está do lado de Deus; a verdadeira Sabedoria não pode combater contra Deus; porque a Sabedoria que está contra Deus não é a Sabedoria de Deus, mas a sabedoria do mundo; ela não tem Deus por autor, mas o diabo.

    É portanto uma loucura, que as trevas combatam contra a Luz, semelhante à luta da mosca que combate contra o elefante.

    A Sabedoria de Deus é a Luz que nenhuma Filosofia humana pode obscurecer; ela é mais Luminosa que qualquer habilidade humana ou serpentina; é por isso que ela penetrará, derrubará e obterá a palma contra qualquer sofisticação.

    Quando brilhar a hora e o dia da verdadeira Sabedoria, todas as larvas da filosofia mundana se desvanecerão.

    Assim como quando se levantou o sol de justiça, Jesus Cristo, todas as sombras e todas as larvas das religiões profanas se desvaneceram; e é em vão que as trevas das falsas religiões se esforçam ainda por apagar este esplêndido Sol; (porque aquilo que Deus decretou não pode ser alterado pelos homens).

    E tal como os Judeus se esforçaram em vão por reconstruir e por instaurar o templo de Jerusalém, assim virá em breve o tempo em que emergirá a Nova Luz Teosófica, que os nossos minúsculos Sábios se esforçarão em vão por apagar.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 13 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 12 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
71. Mas → os mais fortes terão um exame maior. Sb 6, 9. 71. Os poderosos terão realmente uma inquisição veemente.


  • Os mais fortes - Deus tomba os mais poderosos, quando eles abusam da sua força contra Deus e os homens.

    E como os fortes devem, pela sua grande força, ser rebaixados, os pequenos serão elevados.

    Que não se acredite no provérbio: A censura é indulgente para os corvos, e impiedosa para as pombas.

    É necessário administrar com justiça todas as coisas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 12 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 11 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
70. Deus não subtrairá → ninguém e não temerá a magnitude de ninguém, porque ele fez → o pequeno como o grande na ipseidade (propriedade), e porque → os seus cuidados se estendem igualmente a todos. Sb 6, 8. 70. O Senhor não poupará ninguém, nem temerá a magnitude, porque ele criou o ínfimo como o elevado na ipseidade (propriedade), e proporciona igualmente a sua providência a todos.


  • Ninguém - Agrada a Deus, tão grande e ilustre que seja, que não respeite a Sabedoria e no qual o Temor de Iahweh não tenha o seu acento.

    Aquele que repudiar o Espírito de Iahweh, esse, como Saul, desabará na morte.

    Daquele onde não haja nada de Divino, a Sabedoria, Conselheira de Deus, se afastará.
  • O pequeno e o grande, etc. - O Pobre e o Rico, como diz o Sábio nos Provérbios.
  • Os seus cuidados se estendem igualmente - É necessário compreender aqui que, pela verdadeira Sabedoria, Deus toma conta dos seres humanos, espalha os raios da sua benevolência sobre todos; comunica a sua Bondade a todos, sem falta a ninguém.

    Por conseguinte, ninguém deve ser desprezado, ninguém oprimido, ninguém abominado.

    Deus não tem maior solicitude pelo elevado que pelo ínfimo: Ele não tem a menor preferência pelo nobre (visto que Ele ainda lhe diminuirá mais o tempo para prestar contas; o que quer dizer: dar razões do seu governo) mas antes a tem pelo plebeu.

    Ele não dará graça a ninguém; Ele pedirá contas tão rigorosas, tanto a um como ao outro. Ver versículos 38 e 41.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 11 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 10 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
69. Porque → a Misericórdia é concedida ao pequeno; → mas os poderosos sofrerão fortemente os tormentos. Sb 6, 7. 69. Porque os seres humanos ínfimos, são dignos de misericórdia; informar-se-á severamente contra os poderosos.


  • A Misericórdia é concedida ao pequeno - Porque a quem foi dado mais, também se pedirá mais.
  • Mas os poderosos - Do mesmo modo que uma árvore alta, quando é abatida ou quando é atingida por um raio, emite um barulho imenso, do mesmo modo os que tiverem abusado da grande potência terão um fim horrível e trágico.

    É portanto essencial ter o Espírito da Sabedoria, que governa os conselhos, presta auxilio e dirige os acontecimentos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 10 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 9 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
68. → Ele aparecerá a vós horrivelmente, e dentro de pouco tempo, porque → o julgamento será muito duro para aqueles que governam. Sb 6, 6. 68. Ele virá a vós de uma forma horrível, e súbita, porque o julgamento será dado muito severamente contra os grandes.


  • Ele aparecerá - Porque o Senhor virá seguramente e não tardará. Habacuc 11,3.
  • O julgamento será muito duro - Assim como os ministros temem a face do Rei, assim vocês devem temer o Rei supremo do qual vocês são os ministros.

    Porque toda a violência e ofensa feita ao povo, que ultraja a Justiça, excita contra ela própria uma violência; e a Justiça volta o seu gládio contra quem a administra injustamente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 9 de Março

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 8 de Março



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
67. Porque, quando vocês eram ministros dos Reinos, → vocês não julgaram retamente e não guardaram → A Lei Da Justiça, nem caminharam segundo → a vontade de Deus. Sb 6, 5. 67. Porque, quando vocês eram → ministros do seu Reino, vocês não julgaram retamente e não conservaram a lei, nem seguiram o conselho de Deus.


  • Ministros do seu Reino - Donde é evidente que os Reinos pertencem a Deus e são apenas concedidos por algum tempo aos príncipes.

    Visto portanto, ó Reis e Príncipes, que vocês todos só são ministros de Deus e dos seus Reinos, cuidem-se de não administrar o Reino pela vossa vontade, mas pela de Deus vosso Senhor.

    A justiça de Deus é a vontade de Deus que vocês precisam de procurar pelo Espírito da Sabedoria; se for de outra forma, vocês ainda não aprenderão a julgar retamente.
  • Vocês não julgaram retamente - Vocês não ensinaram retamente, vocês que são escravos das mentiras dos Gregos; vocês foram e vocês são os sedutores e os depravadores da terna juventude. Ó pestilenta audácia!

    É por isso que, advertidos pelo nosso Sábio, e por tantos fieis e amados intérpretes da Sabedoria, tendo abandona a luz das mentiras dos Pagãos não esclarecidos, e relegados ao exílio para lá dos montes Cáspios, convertam-se por fim à verdade, e, apressem-se para a fonte super-celeste da Sofia católica e tri-una, Orando e Laborando Teo-soficamente com ardor, Cristiano-Cabalisticamente, Divino-magicamente, Físico-Quimicamente de acordo com as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro, e dos livros, digo eu, da Sacro Santa Escritura e da Natureza, e em vocês mesmos regenerados pelo método da penitência e iluminados por um raio da Teosofia, extraiam então este licor celestial, e bebam para a saturação das vossas almas.

    Penetrem nessas profundezas, não Sofisticamente, mas Teosoficamente; vocês encontrarão então a mina da Sabedoria; e por ela, as águas vivas e jorrantes que contêm a verdade Física, Físico-Médica, Físico-Química, Físico-Mágica, Hiperfísico-Mágica, Ética, Política, Cabalística, Teosófica, Universal.

    Fisicamente e Eticamente que os Cristãos e os Gregos (sem falar das obras e dos escritos dos outros) cobrem de confusão os antagonistas da Verdade.
  • A lei da Justiça - Divina, tri-una, Divinamente colocada na Sacro Santa Escritura, na Natureza e nas vossas Consciências.
  • A vontade de Deus - Biblicamente, Macro e Micro-Cosmicamente revelada e transmitida nas coisas acima citadas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Primeiro grau » 8 de Março