Teosofia Prática – Do macaco da Sabedoria divina


  1. Quem vai punir e convencer esse deus egoísta? Ele está alojado num belo animal, sob uma forma humana; ele parece pio no exterior, honrado e devoto, ele vai às igrejas, ele comunga, honra os mestres e os pobres, glorifica-se de ser cristão e predestinado para a beatitude, onde ele espera as graças celestes.
  2. Ele sabe dissertar sobre as Escrituras tão bem quanto sobre os Mestres; ele vai frequentemente suficientemente longe para abandonar a Igreja exterior, para julgar sobre o declínio dela e para fazer prova de verdadeiro especialista de Cristo, do qual ele imita a vida escondida e a linguagem; ele circuncida-se exteriormente e afasta-se da sua mulher ou não se casa; e ele fala do leito nupcial e das núpcias de Sofia com a alma crente.
  3. Ele não passa, no entanto, de uma besta que se eleva do Abismo das Trevas; ela fala como o Cordeiro mas não passa, no entanto, do Macaco da Sabedoria divina que faz troça dos filhos dela e de todas as criaturas honestas.
  4. Ele coloca, na sua testa, o sinal de Jesus, mas não passa de um mentiroso. O verdadeiro cristão, aquele que possui verdadeiramente uma vontade humilde e equânima, que se coloca no Processo Essencial de Cristo, ele ama a pobreza d'Ele (que é o único sinal e a pedra de toque do verdadeiro discípulo) mais do que todos os tesouros do Egito.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Prática » Ser humano natural » Do macaco da Sabedoria divina