A Sabedoria e a sua Virtude - 28. Ser o Bloco Virgem



Conhece em ti o agressivo,
Mas adere ao pacífico.
Faz-te Ravina do mundo;
Ser Ravina do mundo,
É fazer corpo com a Virtude imutável,
É regressar à Infância.

Conhece em ti o branco,
Mas adere ao negro.
Faz-te Norma do mundo;
Ser Norma do mundo,
É caminhar com a Virtude imutável,
É regressar ao Ilimitado.

Conhece em ti a glória,
Mas adere à obscuridade.
Faz-te Vale do mundo;
Ser Vale do mundo,
É ter plenamente a Virtude imutável,
É regressar ao Simples.

O bloco do Simples primordial,
É talhado com utensílios.
Mas o Sábio é o bloco virgem,
Que o Simples adota como ministro,
Porque o Mestre da Arte não cuida de o talhar.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 28. Ser o Bloco Virgem

A Sabedoria e a sua Virtude - 27. Seguir a Luz



Quem caminha bem, não deixa rasto,
Quem fala bem, discursa sem falhas,
Quem conta bem, não usa calculadora,
Quem fecha bem, não usa trancas e ninguém abre,
Quem amarra bem, não usa cordas e ninguém desata.
O Sábio está sempre pronto para fazer bem às pessoas,
Sem exceção de ninguém.
O Sábio está sempre pronto para fazer bem às coisas,
Sem exceção de nenhuma.
Isto é seguir a Luz.
O bom modela o mau,
O mau é o material do bom.
Se aquele não venera o mestre,
Se este não organiza o material,
O mau extravia-se.
Este é o segredo essencial.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 27. Seguir a Luz

A Sabedoria e a sua Virtude - 26. Ser Pesado e Tranquilo



O Pesado é a raiz do Ligeiro,
O Tranquilo é o senhor do Inquieto.
Assim, o Sábio viaja todo o dia,
Sem sair do seu carro pesado,
Apesar dos espetáculos maravilhosos,
Permanece em paz no seu íntimo.
Tu que tens mil carros pesados,
Porque és ligeiro?
O ligeiro perde rapidamente a raiz,
E o inquieto perde o domínio de si.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 26. Ser Pesado e Tranquilo

A Sabedoria e a sua Virtude - 25. Seguir os caminhos da Terra



Existia qualquer coisa, não definida mas realizada,
Nascida antes do Céu e da Terra.
Silenciosa e ilimitada,
Independente e inalterável,
Circula por toda a parte sem fadiga.
Em suma, é a Mãe do mundo,
Não sabendo o seu nome, eu chamo-lhe Sabedoria.
À falta de melhor, eu digo que ela é grande,
Grandeza significa extensão,
Extensão, que se atinge ao longe,
Atingir ao longe, fazer Retorno.

Ora portanto,
A Sabedoria é Grande.
O Céu é grande,
A Terra é grande,
E o Ser Humano é grande.
Eis porque o Ser Humano é um dos quatro Grandes do mundo.
O Ser Humano segue os caminhos da Terra,
A Terra segue os caminhos do Céu,
O Céu segue os caminhos da Sabedoria,
E a Sabedoria segue os seus próprios caminhos.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 25. Seguir os caminhos da Terra

A Sabedoria e a sua Virtude - 24. Afastar as presunções vãs



Quem se eleva na ponta dos pés, vacila,
Quem caminha com passos gloriosos, anda pouca distância,
Quem se exibe, não tem brilho,
Quem se afirma, não se impõe,
Quem se glorifica, não vê reconhecido o seu mérito,
Quem se vangloria dos seus sucessos, prepara a sua queda.
Estas atitudes são para a Sabedoria,
Rebuços de fanfarrão ou presunções vãs,
Que repugnam a todos e a cada um,
E a pessoa da Sabedoria afasta-se delas.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 24. Afastar as presunções vãs

A Sabedoria e a sua Virtude - 23. Fazer Um com a Sabedoria e a Virtude



Fala pouco,
Deixa andar.
Um vendaval não dura toda a manhã,
Um aguaceiro não dura todo o dia.
Mas quem faz o aguaceiro e o vento? É o Céu e a Terra.
Se a obra do Céu e da Terra não é durável,
O que dizer da obra humana ?
Quem cultiva a Sabedoria faz um com a Sabedoria,
Quem cultiva a Virtude, um com a Virtude,
Quem coteja a Perdição, um com ela.
Ora quem faz um com a Sabedoria, a Sabedoria imediatamente o acolhe,
Quem faz um com a Virtude, a Virtude abre-lhe os braços,
E quem faz um com a Perdição, então a Perdição recebe-o.
A falta de fé chama
A falta de fé.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 23. Fazer Um com a Sabedoria e a Virtude

A Sabedoria e a sua Virtude - 22. Ficar Inteiro



Dobra-te, ficarás inteiro,
Curva-te, serás reerguido,
Esvazia-te, para seres enchido,
Gasto, serás rejuvenescido.
Possui pouco, esse pouco frutificará,
Muito, esse muito perder-se-á.
O Sábio abraça o Um, em vez das criaturas,
Tornando-se num modelo.
Não se exibe e imediatamente resplandece,
Não se justifica, o que faz com que seja exaltado,
Não se glorifica, para seu maior crédito,
Cala os seus sucessos e por isso mantém-se,
Não rivalizando não tem rival.
O ditado antigo: Dobra-te, ficarás inteiro,
Não é uma palavra vã,
Fica inteiro, tudo virá a ti.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 22. Ficar Inteiro

A Sabedoria e a sua Virtude - 21. Contemplar o Princípio das Coisas



A Grande Virtude por natureza,
Segue a Sabedoria e só a Sabedoria.

A Sabedoria é, para o mundo das coisas,
Ilusão evanescente.
Ilusão evanescente,
Mas na qual se encontram formas.
Ilusão evanescente,
Mas na qual se encontram coisas.
Uma miragem crepuscular,
Mas habitada por essências,
E por sólidas promessas.

Desde os tempos antigos até hoje,
O seu nome manteve-se,
Na contemplação do Princípio das coisas.
Como posso eu saber,
Que era assim no Princípio das coisas?
Por tudo aquilo que acabo de dizer!


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 21. Contemplar o Princípio das Coisas

A Sabedoria e a sua Virtude - 20. Abandonar a Vulgaridade



Abandona o estudo e assim a preocupação.
Em que diferem sim e não?
Em que diferem bem e mal?
Aquilo que assusta os outros, deve assustar-me?
Que insondável absurdo!
Todos se inflamam e se exaltam,
Como se festejassem o Sacrifício do Boi,
Ou subissem às Torres da Primavera.
Só eu permaneço em paz, imperturbável,
Como um recém-nascido que ainda não sorriu,
Desprendido como um sem abrigo.
Todos amontoam e arrecadam,
Só eu pareço desprovido.
Que inocente pareço!
Que idiota sou!
Todos parecem malandros malandros,
Só eu me calo me calo.
Flutuante como o mar,
Eu vou e venho sem cessar.
Todos têm qualquer atividade,
Só eu me abstenho,
Incivil e teimoso.
Porquê tão singular?
Porque eu sei mamar na minha Mãe.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 20. Abandonar a Vulgaridade

A Sabedoria e a sua Virtude - 19. Regressar à Simplicidade



Abandona a tua sagacidade e a tua inteligência,
O povo terá assim cem vezes mais proveito.
Abandona a tua justiça e a tua humanidade,
Tu verás reflorir o amor do pai pelo filho.
Abandona a tua esperteza e o teu espírito do lucro,
Tu verás desaparecer escroques e malandrins.
No entanto estes três preceitos são acessórios,
Para governar é preciso:
Agarrar o simples e abraçar o primitivo,
Reduzir o seu egoísmo e refrear os seus desejos.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 19. Regressar à Simplicidade

A Sabedoria e a sua Virtude - 18. Preservar os Bons Costumes



Quando a Grande Sabedoria foi abandonada,
Nasceram o amor e a justiça.
Com a razão e o espírito,
Nasceram enfeudamentos hipócritas.
Da discórdia dos seis parentescos 1,
Nasceu a piedade filial e o amor paternal.
Da desordem e noite no reino,
Nasceu a lealdade.


Notas
  1. Os seis parentescos: pai e filho, irmão mais velho e irmão mais novo, marido e esposa, e o recíproco. [  ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 18. Preservar os Bons Costumes

A Sabedoria e a sua Virtude - 17. Ser Ignorado



O melhor Governante é ignorado 1 pelo povo,
Em seguida vem aquele que o povo ama e louva,
Depois aquele que teme,
Por fim aquele que despreza.
Se tu perdes a confiança nos outros,
Os outros perdem a confiança em ti.
O Sábio é apagado e pessoa de poucas palavras,
Quando faz o seu trabalho, então que cada um prospere,
Eis o fruto dos nossos esforços! clamam cem vozes.


Notas
  1. Certos textos têm: «O maior governante é conhecido pelo povo.» A presente lição pareceu-nos mais conforme ao espírito de Lao Tsé. [  ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » A Sabedoria e a sua Virtude » 17. Ser Ignorado