Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Prólogo do Quinto Grau


PRÓLOGO V.

QUINTO GRAU PROLOGÉTICO

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
194. Quem é Bom receberá a graça do Senhor; aquele que, pelo contrário, se confia às suas cogitações é insipiente. Pr 12, 2. 194. O Bom receberá o benefício de Iahweh e Deus condenará o ser humano devido às más cogitações.
195. As pessoas más não pensam no julgamento; aqueles que, pelo contrário, procuram o Senhor, prestarão atenção a todas as coisas. Pr 28, 5. 195. As pessoas más não compreendem o julgamento aqueles que, pelo contrário, procuram Iahweh, compreendem todas as coisas.
196. A Benção do Senhor está sobre a cabeça do justo; o rosto dos ímpios esconde a iniquidade: Pr 10, 6. 196. As Bênçãos estão sobre a cabeça do justo; o rosto dos ímpios esconde a iniquidade.
197. Todo enganador é uma abominação do Senhor, e com os Simples é a sua conversação. Pr 3, 32. 197. O perverso é uma abominação de Iahweh; e com os retos está o seu segredo.
198. Ele Próprio jogará com os enganadores e dará aos mansos a graça. Pr 3, 34. 198. Ele Próprio verdadeiramente insultará os enganadores, e aos humildes dá a graça.
* O coração depravado é abominável ao Senhor; e a sua vontade está naqueles que caminham simplesmente. Pr 11, 20. * Os perversos de coração são abomináveis a Iahweh e a via do perfeito é o seu benefício.
199. Quem tem um coração perverso não encontra BENS e quem distorce a sua língua cairá no mal. Pr 17, 20. 199. O perverso de coração não encontrará o bem; e quem é distorcido na sua língua cairá no mal.
200. Melhor é o pobre, mercador na sua simplicidade, que o rico na sua via depravada. Pr 28, 6. 200. Mais nobre é o pobre que caminha na sua perfeição, que o próprio rico, pelas suas vias perversas.
201. De que serve ao louco ter riquezas se ele não pode comprar a Sabedoria? Pr 17, 16. 201. O que pode ser o objeto precioso na mão do louco para que ele compre a Sabedoria se ele não tem coração.
202. O Temor do Senhor é a Disciplina da Sabedoria; e a Humildade precede a glória. Pr 15, 33. 202. O Temor de Iahweh é a erudição da Sabedoria; e antes da glória, a humildade.
203. Onde esteve a soberba, estará também a afronta; pelo contrário, onde está a Humildade, está a Sabedoria (Pr 16, 5). Todo o arrogante é a abominação do Senhor. Pr 11, 2. 203. Quando vem a soberba, vem também a ignomínia; e com os humildes a Sabedoria (Pr 16, 5). Todo o soberbo de coração é a abominação de Iahweh.
204. No coração do Prudente repousa a Sabedoria e ele ensinará todos os ignorantes. Pr 14, 33. 204. No coração do Inteligente repousa a Sabedoria; e no meio dos loucos, ele próprio é conhecido.
205. Quem caminha com os Sábios será Sábio, o amigo dos loucos tornar-se-á semelhante (a eles). Pr 13, 20. 205. Quem caminha com os Sábios, será Sábio; mas quem é amigo dos loucos será esmagado.
206. Onde não está a Ciência da Alma, não está o Bem. Pr 29, 2. 206. Porque sem a Ciência, o desejo não é bom.
207. (Porque) eu não caminharei com a inveja dessecada (diz o Sábio:) porque uma tal pessoa não é participante da Sabedoria. Sb 6, 25. 207. Eu não caminharei certamente com aquele a quem a inveja desseca, porque assim ele não participará na Sabedoria.
208. O Vinho é coisa luxuriosa, e a embriaguez tumultuosa; quem quer que se deleite nela não será Sábio: Pr 20, 1. 208. O vinho torna irrisório e a cerveja (Sechar, sicera) torna tumultuoso; e toda a pessoa que tiver alegria neles não será Sábia.
209. O Coração do Sábio procura a Doutrina e a boca dos loucos alimenta-se de incompetência. Pr 15, 14. 209. O coração inteligente procura a Ciência, e a boca dos loucos alimenta-se de loucura.
210. O Temor do Senhor é o princípio da Sabedoria; Os loucos desprezam a Sabedoria e a Doutrina. Pr 1, 7. 210. O temor de Iahweh é o princípio da Ciência, os loucos desprezam a Sabedoria e a Erudição.
211. O Temor do Senhor é a fonte da vida, para afastar a ruína da morte. Pr 14, 27. 211. O temor de Iahweh é como uma veia de vida afim de afastar as teias da morte.
212. O Princípio da Sabedoria é o Temor do Senhor; e a ciência dos Santos, é a Prudência. Pr 9, 22. 212. O princípio da Sabedoria é o temor de Iahweh; e a Ciência dos Santos, é a Inteligência.
213. Que o teu coração não inveje (portanto) os pecadores, mas fica todo o dia no temor do Senhor. Pr 23, 17. 213. Que o teu coração não inveje os pecadores; fica antes todo o dia no Temor de Iahweh.
214. Porque tu terás a esperança no muito novo, e a tua espera não será decepcionada. Pr 23, 18. 214. Porque a recompensa existe realmente e porque a tua esperança não será derrubada.
215. Pensem (ó mortais), no Senhor em sua bondade; e procurem-no na simplicidade do coração. Sb 1, 1. 215. Pensem (ó seres humanos) no Senhor em sua bondade, e procurem-no na simplicidade do coração:
216. Porque ele é encontrado por aqueles que não o tentam; ele aparece àqueles que têm fé nele. Sb 1, 2. 216. Porque ele é encontrado por aqueles que não o tentam, e ele mostra-se àqueles que não o desafiam.
217. Porque as cogitações perversas separam de Deus; e se a sua força é posta à prova, ele corrige os insensatos. Sb 1, 3. 217. Porque as cogitações perversas separam de Deus; quando o seu poder é tentado, ele confunde os insensatos.
218. Porque a Sabedoria não entrará na alma malévola; nem habita no corpo sujeito aos pecados. Sb 1, 4. 218. Porque a Sabedoria não entrará dentro da alma maliciosa nem habitará no corpo culpado de pecado.
219. Porque se tu invocas a Sabedoria e se tu inclinas o teu coração para a Prudência, Pr 2, 3. 219. Porque se tu clamas pela inteligência e se dás a tua voz à Inteligência:
220. Se tu A procuras como se fosse prata e se tu escavas para a encontrar como para os tesouros: Pr 2, 4. 220. Se tu a procuras como a prata e se tu a procuras como aos tesouros.
221. Então tu compreenderás o Temor do Senhor e tu encontrarás a Ciência de Deus. Pr 2, 5. 221. Então tu conhecerás o Temor de Iahweh e tu encontrarás a cognição de Deus.
222. Porque conhecer-Te (ó Senhor) é a Justiça consumada, e saber a tua Justiça e a tua virtude é a raiz da imortalidade. Sb 15, 3. 222. Porque conhecer-Te é a Justiça consumada, e compreender o teu poder, a raiz da Imortalidade.
223. Foi por isso que eu a Escolhi, e o sentido foi-me dado; e eu Invoquei, e veio em mim o Espírito da Sabedoria. Sb 7, 7. 223. Foi por isso que eu escolhi e a prudência foi-me dada; eu invoquei e o Espírito da Sabedoria veio a mim.
224. E eu preferi-a em vez dos reinos e dos tronos, e eu desprezei as riquezas em comparação com ela. Sb 7, 8. 224. Eu preferi-a em vez dos ceptros e dos reinos, e eu estimei em nada as riquezas ao pé dela.
225. Eu não comparei com ela a pedra preciosa, porque todo o ouro, em comparação com Ela não passa de um pouco de areia, e a prata é considerada como lama perante Ela. Sb 7, 9. 225. Eu não a comparei certamente com a Pedra Preciosa porque o ouro em oposição a ela não é mais que um pouco de areia e a prata comparada com ela é considerada lama.
226. Eu amei-a mais que à salvação e à beleza e eu propus-me tê-la por Luz, porque a sua luz é inextinguível. Sb 7, 10. 226. Eu amei-a mais que à saúde e à pulcritude das formas, e eu desejei extremamente desfrutar dela como luz porque o seu esplendor não pode ser suprimido.
227. (Com efeito) ela é facilmente vista por aqueles que a amam, e é encontrada por aqueles que a procuram. Sb 6, 13. 227. Ela é facilmente apercebida por aqueles que a amam e encontrada por aqueles que a procuram.
228. Ela preocupa aqueles que a desejam, de forma que ela se mostra a eles em primeiro lugar. Sb 6, 14. 228. Avançando, ela dá-se a conhecer aos seus fiéis.
229. Aquele que, desde a Luz, tiver velado por ela, não trabalhará, porque a encontrará sentada às suas portas. Sb 6, 15. 229. Aquele que, desde a manhã, se levantar por ela, não trabalhará; porque a encontrará sentada à sua porta.
230. Portanto, ocupar com Ela as suas cogitações, é o sentido consumado, e quem velar por ela estará brevemente em segurança. Sb 6, 16. 230. Porque a cogitação recebida dela, é a perfeição da prudência, e quem velar por ela ficará imediatamente em segurança.
231. Porque os dignos d'Ela, Ela própria vai procurá-los, e nas vias Ela mostra-se a eles com hilaridade, e em todas as coisas a Providência oferece-se a eles. Sb 6, 17. 231. Porque os dignos d'Ela, Ela própria os vai procurar; e nas vias mostra-se benevolente para com eles próprios, e em todas as cogitações se oferece a eles.
232. Portanto, o seu começo é o verdadeiro desejo da Disciplina. Sb 6, 18. 232. Portanto o seu começo é a verdadeira procura da erudição; a preocupação da erudição, o amor.
233. Portanto, o cuidado da Disciplina é a dileção; e a dileção é a guarda das suas leis; a guarda das suas leis é a consumação da incorrupção. Sb 6, 19. 233. O amor, a observação das suas leis; e a observação das leis é a conservação da imortalidade.
234. E a incorrupção torna o ser humano próximo de Deus. Sb 6, 20. 234. Em seguida, a imortalidade faz com que nós acedamos à proximidade de Deus.
235. Assim, o Desejo da Sabedoria conduz ao Reino Eterno. Sb 6, 21. 235. A procura da Sabedoria conduz portanto ao Reino.
236. Entrando (assim) na minha casa, eu dormirei com Ela. A sua conversação não tem amargor e a sua intimidade nenhum aborrecimento, mas alegria e prazer (versículo 18). Eu rondava, procurando-a afim de me assegurar de que ela era minha. Sb 8, 16. 236. Entrado na minha casa eu dormirei com Ela e a sua frequentação não tem nenhuma acerbidade e a sua intimidade nenhum aborrecimento, mas alegria e prazer (versículo 18). Eu procurava-a rondando afim de a atrair para mim.
237. Não fales temerariamente, e que o teu coração não seja rápido a proferir Discursos diante de Deus; porque Deus está no Céu e tu estás na Terra; é por isso, que sejam raros os teus discursos. Eclo 5, 3. 237. Não te apresses com a tua boca, e que o teu coração não se apresse a proferir palavras diante de Deus; porque Deus está no Céu, e tu sobre a Terra; é por isso que sejam raras as tuas palavras.
238. (E) se tu prometeste alguma coisa a Deus, não demores para lho pagar, porque a promessa infiel e louca desagrada-lhe; mas o que tu tiveres prometido, paga-lhe. Eclo 5, 3. 238. Quando tu tiveres prometido uma promessa a Deus, não te demores a pagá-la porque Deus não coloca a sua bondade nos loucos; portanto, aquilo que prometeste, paga-lhe.
239. Bem melhor é não prometer nada do que não pagar segundo a promessa, as coisas prometidas. Eclo 5, 4. 239. É melhor que tu não prometas, do que prometas e não dês.
240. As vítimas dos ímpios são abomináveis ao Senhor; as promessas dos justos aplacam-no. Pr 15, 8. 240. O sacrifício dos ímpios é a abominação de Iahweh, mas a Oração dos retos é o que lhe agrada.
241. O Erudito no Verbo encontrará Coisas Boas, e quem Espera no Senhor é bem-aventurado (Pr 28, 25). Quem Espera no Senhor será curado. Pr 16, 20. 241. Aquele que compreende a coisa encontrará o bem, e o confiante em Iahweh é bem-aventurado (Pr 28, 25). Quem tem fé em Iahweh será alimentado.
242. Aqueles que se Confiam a ele compreenderão a Verdade, e os fieis na dileção repousam n'Ele, porque o dom e a paz são para os eleitos. Sb 3, 9. 242. Aqueles que colocam a sua fé nele, compreendem a verdade; e os fieis em caridade permanente nele; porque ele tem graça e misericórdia para com os seus santos e porque ele cuida dos seus eleitos.
243. Longe dos ímpios está o Senhor; e ele atenderá as Orações dos justos. Pr 15, 29. 243. Porque Iahweh está longe dos ímpios; mas ele atende a oração dos justos.
244. Quem declina os seus ouvidos para não escutar a Lei, a sua Oração será execrável. Pr 29, 9. 244. Quem afasta o seu ouvido afim de não escutar a lei, a sua própria oração será a Sua abominação.
245. Aquele que esconde as suas malvadezes não triunfará; mas aquele que as tiver confessado e se retire delas, obterá Misericórdia. Pr 29, 13. 245. Aquele que cobre as suas iniquidades nunca será feliz; mas aquele que as confessa e as abandona obterá Misericórdia.
246. Pela misericórdia e a verdade, é resgatada a iniquidade; e no Temor do Senhor nos afastamos do mal. Pr 12, 6. 246. Pela misericórdia e a verdade, é resgatada a iniquidade, e no temor de Iahweh nos afastamos do mal.
247. Esses erram (portanto) que realizam o mal; mas a Misericórdia e a Verdade preparam os bens. Pr 14, 22. 247. Não erram, aqueles que pensam o mal? Mas a misericórdia e a verdade àqueles que pensam o bem.
248. Aquele (portanto) que segue a Justiça e a Misericórdia, encontrará vida, justiça e glória. Pr 21, 21. 248. Aquele que procura a justiça e a misericórdia, encontra vida, justiça e glória.
249. Eu era uma criança engenhosa, e eu tinha recebido da sorte uma boa alma. Sb 8, 19. 249. Eu era uma criança dotada de um natural excelente, tendo recebido da sorte uma boa alma.
250. E como eu me tornava melhor, eu vim para um corpo não sujo. Sb 8, 20. 250. Porque verdadeiramente eu me tornava bom, eu entrava num corpo impoluto.
251. E como eu sabia que eu não podia ser continente a menos que Deus mo concedesse, e era já Sabedoria saber que esse dom era dele, eu endereçava-me ao Senhor, e fiz-lhe a minha deprecação, e disse-lhe do mais fundo do meu coração. Sb 8, 21. 251. Visto que eu compreendia que eu não conseguia estar em poder de mim próprio, a não ser por dom de Deus, (e já era Prudência o saber de onde vem o dom), eu enderecei-me ao Senhor, fiz-lhe a minha oração, dizendo-lhe com todo o meu coração:
252. Deus dos meus Pais e Senhor de Misericórdia, que fizeste Todas as Coisas pelo teu Verbo, Sb 9, 1. 252. Deus dos Pais e Senhor de Misericórdia, que criaste todas as coisas pelo teu verbo,
253. E que constituíste o ser humano pela tua Sabedoria afim de que ele dominasse a criatura que, por ti foi feita, Sb 9, 2. 253. E que fizeste o ser humano pela tua Sabedoria afim de que ele dominasse sobre as coisas por ti criadas,
254. Afim de que ele disponha o Globo Terrestre em Equidade e Justiça, e que ele julgue o julgamento na direção do coração. Sb 9, 3. 254. E que ele administre o Mundo em Santidade e Justiça, e que ele exerça o julgamento em retidão do coração.
255. Dá-me a Sabedoria sentada no teu trono e que eu não seja reprovado entre os teus filhos: Sb 9, 4. 255. Dá-me a Sabedoria sentada contigo no teu trono, e não me expulses do número dos teus servidores:
256. Porque eu sou teu servidor, e filho da tua serva, um homem pouco firme e de pouco tempo, e fraco para a intelecção do Julgamento e das Leis. Sb 9, 5. 256. Porque eu sou teu servidor e filho da tua serva, um homem imbecil e de vida breve, e pouco firme para compreender o julgamento e as Leis.
257. E se alguém é consumado entre os filhos dos homens, se a tua Sabedoria está ausente dele, ele será contado como nada. Sb 9, 6. 257. Porque se alguém é perfeito entre os filhos dos homens, se no entanto a tua Sabedoria está ausente dele, ele será considerado como nada.
258. Tu elegeste-me Rei ao teu povo e juiz dos teus filhos e das tuas filhas. Sb 9, 7. 258. Tu elegeste-me Rei do teu povo e juiz dos teus filhos e das tuas filhas.
259. E tu disseste-me para eu edificar um Templo sobre a tua montanha santa e um altar na cidade da tua residência, à semelhança do teu tabernáculo santo que tu preparaste desde o começo. Sb 9, 8. 259. Tu ordenaste-me que edificasse um Templo sobre a tua montanha santa, e um altar na cidade da tua residência à semelhança do tabernáculo santo, que tu preparaste desde o começo.
260. E contigo a Sabedoria que conhece as tuas obras, que estava presente quando tu fazias a órbita das terras e que sabia o que agrada aos teus olhos, e que retidão nos princípios. Sb 9, 9. 260. E contigo está a Sabedoria que conhece a tua obra, que estava presente quando tu fizeste o Mundo, que sabe o que é agradável aos teus olhos e o que é reto nos preceitos.
261. Envia-a dos Céus, teu santuário, e do trono da tua Magnitude, afim de que ela Seja comigo e Labore comigo afim de que eu saiba o que é agradável para Ti. Sb 9, 10. 261. Envia-a dos Céus sagrados, e envia-a do trono da tua glória, afim de que ela trabalhe presentemente comigo, e que eu compreenda o que é agradável para ti.
262. Porque ela sabe e compreende Todas as Coisas e me conduzirá sobriamente nas suas obras e me guardará no seu Poder. Sb 9, 11. 262. Porque ela conhece e compreende todas as coisas e me conduzirá moderadamente em todas as minhas ações e me guardará na sua glória.
263. E as minhas obras serão agradáveis e eu julgarei retamente o teu povo e serei digno do trono do meu Pai. Sb 9, 12. 263. E as minhas obras serão agradáveis, e eu julgarei retamente o teu povo e serei digno do trono do meu Pai.
264. Porque qual é o ser humano que poderá saber o conselho de Deus? ou que poderá projetar a sua cognição sobre o que quer Deus? Sb 9, 13. 264. Porque qual é o ser humano que compreende o conselho de Deus? ou que compreende na sua alma aquilo que quer Deus?
265. Porque as cogitações dos mortais são tímidas, e as nossas previsões incertas. Sb 9, 14. 265. Porque as cogitações dos mortais são tímidas e as nossas opiniões falaciosas.
266. Porque o corpo que se corrompe faz agravo à Alma; e esta habitação terrestre deprime os sentidos que pensam muitas coisas. Sb 9, 15. 266. Porque o corpo sujeito à corrupção faz agravo à alma, e este domicílio terrestre cheio de preocupações deprime o espírito.
267. E dificilmente nós estimamos o que está sobre a Terra; e nós discernimos com dificuldade o que está diante dos nossos olhos; então o que está nos Céus, quem o conhecerá? Sb 9, 16. 267. E dificilmente nós chegamos a formar uma conjetura sobre o que está sobre a terra, e nós encontramos com dificuldade o que está nas nossas mãos; então quem conhecerá o que está nos Céus?
268. E quem conhecerá o Teu sentimento A Menos Que Tu Dês o Espírito Santo Desde o Mais Alto dos Céus. Sb 9, 17. 268. Quem conhece o teu conselho a menos que tu dês a Sabedoria e tu envies o teu Espírito Santo do mais alto dos Céus?
269. E que sejam corrigidos os caminhos daqueles que estão sobre a Terra e que os seres humanos aprendam o que te é agradável: Sb 9, 18. 269. Porque as vias daqueles que habitam a Terra foram reconstruídas e eles aprenderam o que te é agradável.
270. Porque pela Sabedoria foram curados todos aqueles que te agradaram a ti, Senhor, desde o Princípio. Sb 9, 19. 270. E pela Sabedoria foram conservados.
271. Eu pedi-Te (além disso) Duas Coisas; não mas negues antes de que eu morra. Pr 30, 7. 271. Eu postulei para ti por duas coisas; não mas proíbas antes de que eu morra:
272. Leva para longe de mim a vaidade e as palavras mentirosas. Tu não me darás nem a mendicidade nem as riquezas; atribui-me apenas aquilo que é necessário para a minha vida. Pr 30, 8. 272. Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; tu não me darás nem a pobreza nem as riquezas; prepara-me o alimento que me convém:
273. Com receio de que, saciado, eu seja induzido a negar-te e a dizer: Quem é o Senhor? ou que sendo forçado pela pobreza eu roube e que eu perjure o Nome do meu Deus. Pr 30, 9. 273. Com receio de que, saciado, eu me renuncie dizendo: quem é Iahweh? e com receio de que, encontrando-me pobre, eu roube e que eu assuma em vão o nome do meu Deus.
274. Depois da Industria (por fim verdadeiramente) segue-se a Sabedoria! Eclo 10, 10. 274. E a excelência da retificação é a Sabedoria.
Também, tu, filho da Doutrina, que pela graça de Iahweh,
também obtiveste a Sabedoria ou alguns dos seus
Dons superexcelentes,
275. Dá (também) ao Sábio a ocasião, e a Sabedoria lhe será aumentada; ensina o justo e ele se apressará a receber. Pr 9, 9. 275. Dá ao Sábio a increpação e ele será mais Sábio; ensina o justo, e ele aumentará a Doutrina.
276. Não fales (portanto) aos ouvidos dos insipientes; porque eles desprezam a Doutrina do teu discurso. Pr 23, 19. 276. Não fales aos ouvidos do louco, porque ele condenará a Prudência dos teus discursos.
277. O Pai do justo exulta de alegria: quem gerar o Sábio rejubilará com ele. Pr 23, 24. 277. O Pai do justo exultará exultando, e aquele que gera o Sábio rejubilará com ele.
278. O ouvido que escuta as imprecações de vida permanecerá entre os Sábios. Pr 15, 31. 278. O ouvido que escuta a imprecação de vida, permanecerá entre os Sábios.
279. Quem rejeita a Disciplina despreza a sua alma; mas quem aquiesce às imprecações é possuidor do coração. Pr 15, 32. 279. Quem negligencia a Disciplina despreza a sua alma; mas quem escuta a increpação possui o coração.
280. A indigência e a ignomínia para aquele que deserta a Disciplina; mas aquele que aquiesce à admoestação será glorificado. Pr 13, 18. 280. A pobreza e a ignomínia para aqueles que se afastam da correção, mas quem guarda a increpação terá honra.
281. Porque aquele que instrui o derrisório injuria-se a si próprio, e quem repreende o ímpio coloca uma nódoa em si próprio. Pr 9, 7. 281. Quem corrige o derrisório, recebe ele próprio a ignomínia, e quem repreende o ímpio recebe ele próprio a sua nódoa.
282. Não repreendas o derrisório com receio de que ele te odeie; ensina o Sábio e ele te amará. Pr 9, 8. 282. Portanto não repreendas o derrisório, com receio de que ele te odeie; repreende o Sábio e ele te amará.
283. O derrisório (com efeito) procura a Sabedoria e não a encontra; a Doutrina dos prudentes é fácil. Pr 14, 6. 283. O derrisório procura a Sabedoria e não a encontra; mas a ciência é fácil de encontrar para o inteligente.
284. Na face do prudente brilha a Sabedoria; os olhos dos loucos estão nos confins da Terra. Pr 17, 24. 284. No olhar do inteligente aparece a Sabedoria; e os olhos do louco estão na extremidade da Terra.
285. Compreender-se-á a criança pelas suas inclinações, tão puras e retas são as suas obras. Pr 20, 11. 285. E a criança será conhecida pelas suas obras, tão pura e reta é a sua obra.
286. Quem caminha fraudulentamente revela os arcanos; mas quem é fiel oculta a coisa confiada pelo seu amigo. Pr 11, 13. 286. Quem caminha fraudulentamente revela o segredo, mas o fiel de espírito oculta a coisa.
287. Quem revela os mistérios e caminha fraudulentamente e dilata os lábios, não te mistures com ele. Pr 20, 19. 287. Quem revela o segredo, avança fraudulentamente e com aquele que seduz pelos lábios, não te mistures.
288. Muitas pessoas são chamadas de misericordiosas; mas uma pessoa fiel, quem (facilmente) a encontrará? Pr 20, 6. 288. Uma multidão de pessoas onde cada uma prega a misericórdia; mas a pessoa sincera, quem a encontrará?
289. Não faças (portanto) mal ao teu amigo visto que ele tem confiança em ti. Pr 3, 29. 289. Não penses portanto mal contra o teu amigo visto que ele está em segurança contigo.
290. (Porque) quem retribui o bem com o mal, o mal nunca se afastará da sua casa. Pr 17, 13 e 3. 290. É como para pôr à prova a prata, é dentro de um cadinho que Iahweh põe à prova os corações.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Prólogo do Quinto Grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Prólogo do Quarto Grau


PRÓLOGO IV.

QUARTO GRAU PROLOGÉTICO

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
167. O Senhor dá a Sabedoria, e da sua boca a Prudência e a Ciência. Pr 2, 6. 167. Iahweh dá a Sabedoria; da sua boca sai o conhecimento e a Inteligência.
168. Ele guardará a salvação dos retos, e protegerá aqueles que caminham com simplicidade, Pr 2, 7. 168. Ele esconderá a essência para os retos, e será o escudo daqueles que caminham com perfeição,
169. Conservando os caminhos da Justiça, e guardando as vias dos Santos.
* Então tu conhecerás a Justiça, e o Julgamento, e a equidade, e todos os caminhos excelentes.
Pr 2, 8.




Pr 2, 9.
169. Afim de que eles guardem os caminhos do julgamento: e ele guardará a via dos seus misericordiosos.
* Então tu conhecerás a Justiça, e o Julgamento, e as Retidões, e todos os caminhos excelentes.
170. Afim de que seja notório para todos que é importante prevenir o Sol pela tua Benção, e que Tu deves ser adorado a Oriente da Tua Luz. Sb 16, 28. 170. Afim de que seja notório que o Sol deve ser prevenido para te prestar a ação de graças, e tu deves ser saudado no levantar da luz.
171. Tu (Senhor) és aquele que liberta de todo o mal. Sb 17, 8. 171. Tu (Iahweh) ensinaste aos nossos inimigos que tu és aquele que livra de todo o mal.
172. Tu és, Senhor, aquele que tem poder sobre a vida e a morte, e que levas às portas da morte e tiras de lá. Sb 17, 13. 172. Tu (Iahweh) tens poder de vida e de morte, tu levas às portas dos infernos e tiras de lá.
173. A Benção do Senhor faz os ricos, e a aflição não se associa a eles. Pr 10, 22. 173. A Benção de Iahweh enriquece, e Iahweh não junta a dor à sua benção.
174. O Nome do Senhor é uma torre muito forte; o justo recorre a ele, e é exaltado. Pr 18, 10. 174. Como uma forte torre é o Nome de Iahweh; o justo recorrerá a ele e será exaltado.
175. Há muitas cogitações no coração do ser humano; mas é a vontade do Senhor que se realizará. Pr 19, 21. 175. Muitas cogitações estão no coração do ser humano; mas o conselho de Iahweh é que se realizará.
176. Arreia-se um cavalo para o dia do combate; mas é o Senhor que dá a Salvação. Pr 21, 31. 176. Um cavalo foi arreado para o combate; mas Iahweh é ele próprio a salvação.
177. Muitos procuram a face do Príncipe, mas o julgamento para cada um vem do Senhor. Pr 29, 26. 177. Muitos procuram a face do Dominador; mas o julgamento de cada um sai de Iahweh.
178. Como as divisões das águas, igualmente está o coração do Rei na mão do Senhor; ele incliná-lo-á para o lado que quiser. Pr 21, 1. 178. Como os ribeiros das águas, está o coração do Rei na mão de Iahweh; ele inclina-o para onde quer.
179. Todas as vias do ser humano lhe parecem direitas; mas o Senhor pesa os corações. Pr 21, 2. 179. Todas as vias são direita aos seus olhos; porque Iahweh pondera os corações.
180. As Sortes são colocadas na dobra de um casaco; mas elas são moderadas pelo Senhor. Pr 16, 33. 180. A Sorte é lançada na dobra de um casaco, mas o julgamento dessa sorte provém de Iahweh.
181. (É por isso que) tem confiança no Senhor, com todo o teu coração, e não te repouses na tua prudência. Pr 3, 5. 181. Fé de Iahweh em todo o teu coração, e não te repouses na tua inteligência.
182. Revela a tua obra ao Senhor e as tuas cogitações serão dirigidas. Pr 16, 3. 182. Devolve a tua obra a Iahweh e as tuas cogitações serão reforçadas.
183. Em todas as tuas vias (portanto, ó mortal) reconhece o Senhor e a Ipseidade dirigirá as tuas veredas. Pr 3, 6. 183. Em todas as tuas vias reconhece-O, e a Ipseidade dirigirá as tuas veredas.
184. Não sejas sábio segundo tu próprio; Teme a Deus e afasta-te do mal. Pr 3, 7. 184. Não sejas sábio aos teus olhos; teme a Iahweh e afasta-te do mal.
185. Deus concedeu-me de dizer à minha vontade, e de presumir coisas dignas daquilo que me foi dado, porque a sua Ipseidade é a guia da Sabedoria, e a corretora dos Sábios. Sb 7, 15. 185. Deus concedeu-me falar à minha vontade e pensar segundo a dignidade das coisas que me foram dadas; porque a sua Ipseidade é a guia da Sabedoria e a moderadora dos Sábios.
186. Porque na sua mão, nós e os nossos discursos, e toda a Sabedoria e as Ciências das obras, e a Disciplina. Sb 7, 16. 186. Porque nós estamos na Sua mão, assim como os nossos discursos, com toda a prudência e a ciência das obras.
187. Ele próprio deu-me estas coisas que são a Ciência verdadeira. Sb 7, 17. 187. Deus deu-me a verdadeira cognição das coisas que estão na Natureza.
Eis em seguida quanto dá Deus.
188. A Sabedoria edificou para si uma casa; ela talhou sete colunas, Pr 9, 1. 188. A Sabedoria edificou a sua casa; ela talhou as suas sete colunas;
189. Ela imolou as suas vítimas, misturou o Vinho e pôs a mesa. Pr 9, 2. 189. Ela imolou as suas vítimas, misturou o seu vinho, e assim preparou a sua mesa.
190. Ela enviou as suas Servas, afim de que elas chamem à Cidadela e às muralhas da cidade. Pr 9, 3. 190. Ela enviou as suas jovens filhas, e chamou nos cumes dos lugares mais elevados da cidade, dizendo:
191. Se alguém é criança, que venha até Mim; e aos incipientes ela disse: Pr 9, 4. 191. Quem é simples decline aqui. Aos com falta de coração ela disse também:
192. Venham, comam o meu pão e bebam o Vinho que eu misturei para vocês. Pr 9, 5. 192. Venham, comam o meu pão e bebam do vinho que eu misturei.
193. Deixem (portanto) a infância e viviam; e caminhem pelas vias da Prudência.
(Que eu vos mostrei fielmente e que eu vos confio paternalmente.)
Pr 9, 6. 193. Deixam, simples, a vossa via, e que vocês vivam; e avancem pela via da Inteligência.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Prólogo do Quarto Grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Prólogo do Terceiro Grau


PRÓLOGO III.

TERCEIRO GRAU PROLOGÉTICO

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
133. Eu referirei O Que É A Sabedoria, e de que maneira ela foi feita, e eu não vos esconderei os Sacramentos de Deus, mas eu levarei a minha investigação desde o começo do nascimento, e eu farei luz sobre a ciência dela, e não negligenciarei a verdade. Sb 6, 24. 133. Eu referirei O Que É A Sabedoria, e como ela nasceu, e não vos selarei os mistérios; mas eu levarei a minha investigação dentro da cogitação dela, desde a primeira origem, e eu proferirei abertamente, nem negarei a Verdade.
134. (Porque) na Sabedoria está o Espírito da Inteligência, Santo, Único, Múltiplo, Subtil, Fluente, Móvel, Não conspurcado, Certo, Suave, amante do Bem, Agudo, a quem ninguém pode impedir de Bem fazer, Sb 7, 22. 134. Porque n'Ela está o Espírito Inteligente, Santo, Simples, Múltiplo, Subtil, Móvel, Ilustre, Impoluto, Perspicaz, Não lesivo, procurando o Bem, Agudo, Pronto, Benéfico,
135. Humano, Benigno, Estável, Certo, Seguro, tendo todos os poderes, vendo tudo, e que guarda todos os Espíritos, Inteligível, Despojado e Subtil. Sb 7, 23. 135. Humano, Estável, Certo, Seguro, vendo tudo, e penetrando todos os Espíritos inteligentes, puros e subtilíssimos.
136. Porque a Sabedoria é a mais móvel de todas as coisas móveis, porque ela chega a toda a parte devido à sua pureza. Sb 7, 24. 136. Não há nenhum movimento cuja agilidade ultrapasse a Sabedoria que, devido à sua pureza, reside e passa por todas as coisas.
137. É um Vapor da virtude de Deus, e a Emanação da Claridade sincera do Omnipotente, e é por isso que não se encontra nenhuma mancha nela. Sb 7, 25. 137. Porque é um vapor da virtude de Deus, e o defluxo sincero da glória do Omnipotente, e por isso nada de poluído cai nela
138. Visto que ela é a candura da Luz eterna, e o Espelho sem mancha da Majestade de Deus, e a imagem da sua Bondade. Sb 7, 26. 138 Porque ela é o esplendor da luz eterna, e o espelho da virtude de Deus, de modo algum aspergida por máculas, e imagem da sua Bondade.
139. (Também) a Sabedoria (esta) é mais capciosa que o Sol, e acima de toda a disposição das estrelas; comparada com a Luz ela foi considerada superior. Sb 7, 29. 139. (Porque) Ela Própria é mais capciosa que o Sol, e colocado acima do lugar de todas as estrelas, e comparada com a luz ela é considerada superior.
140. Porque a noite sucede-lhe; mas a malícia não vence a Sabedoria. Sb 7, 30. 140 Porque a noite segue-se a esta, mas a malícia não vence a Sabedoria.
141. Ela atinge portanto fortemente de um fim a um outro fim, e dispõe todas as coisas suavemente. Sb 8, 1. 141. Ela estende-se assim fortemente de um extremo a outro extremo, e ela modela todas as coisas utilmente.
142. (Porque) ela é bela, e a Sabedoria nunca murcha. Sb 6, 13. 142. Ela é muito bela, e a Sabedoria nunca murcha.
143. Ela glorifica a sua generosidade, tendo intimidade com Deus, e o Senhor de todas as coisas ama-a. Sb 8, 3. 143. Ela ilustra a sua nobreza, porque ela vive unida com Deus, e o Senhor de todas as coisas ama-a.
144. (Ela) preocupa aqueles que a desejam, afim de que ela se mostre primeiro a eles. Sb 6, 14. 144. Avisando, aos seus consagrados, ela oferece-se a conhecer.
145. Porque os dignos dela, Ela própria gira, procurando-os, e nas suas vias mostra-se a eles com hilaridade, e em todas as coisas a Providência se oferece a eles. Sb 6, 17. 145. Porque os dignos dela, ela própria os procura girando, e nas vias, mostra-se benevolentemente a eles próprios, e em toda a cogitação que se oferece a eles.
146. Eu amei-a, (esta Sabedoria) e eu procurei-a desde a minha juventude e eu procurei assegurar-me de que ela fosse minha Esposa, e eu tornei-me amador das suas formas. Sb 8, 2. 146. Eu amei-a e procurei-a desde a minha juventude, eu dediquei-me a associá-la a mim como esposa, e fui tomado de amor pela sua beleza.
147. Eu aprendi-a sem ficção, e comunico-a sem inveja; e eu não escondo a sua honestidade. Sb 7, 13. 147. Eu apercebi-me dela sem fraude, comunico-a sem inveja, e não escondo as suas riquezas.
Agora, fala assim,
por Ela própria,
A Sabedoria:
148. O Senhor possuiu-me no início das suas vias; antes de ele ter criado alguma coisa no princípio. Pr 8, 22. 148. Iahweh possuiu-me no princípio da sua via, de todo o tempo, antes das suas obras.
149. Eu recebi a ordenação desde a eternidade, e desde o tempo mais recuado, antes da Terra existir. Pr 8, 23. 149. Desde os séculos eu fui principiada, no início, antes da Terra.
150. Os Abismos ainda não existiam, e Eu já tinha sido concebida, e as fontes das Águas ainda não tinham irrompido. Pr 8, 24. 150. Quando os abismos ainda não existiam, eu fui formada, quando não existiam ainda as fontes abundantes em Águas.
151. As montanhas ainda não tinham sido constituídas em massas gravitando, e antes das colinas, Eu era engendrada. Pr 8, 25. 151. Antes que as montanhas fossem fundadas; antes das colinas, eu fui formada.
152. Ele ainda não tinha feito a Terra, e os rios, e os pólos da orbe da Terra. Pr 8, 26. 152. Ele ainda não tinha feito a Terra, e os grandes locais, e o cume da orbe da Terra.
153. Quando ele preparava os Céus, eu estava presente; quando ele cercava os Abismos com uma lei certa e com um limite, Pr 8, 27. 153. Quando ele preparava os Céus, eu estava lá; quando ele descrevia um círculo sobre a superfície do Abismo,
154. Quando ele firmava os espaços aéreos, em cima, e ele equilibrava as fontes das Águas, Pr 8, 28. 154. Quando ele firmava os céus do alto, quando ele fortificava as fontes do Abismo,
155. Quando ele traçava ao mar os seus limites, e punha uma lei às Águas, afim de que elas não passem os seus limites; quando ele suspendia os fundamentos da Terra: Pr 8, 29. 155. Quando ele punha ao mar os seus estatutos, e às Águas, afim de que elas não passassem os seus limites; quando ele descrevia os fundamentos da Terra:
156. Eu estava com Ele, compondo todas as coisas; e deleitava-me cada dia, jogando todo o tempo à sua frente. Pr 8, 30. 156. Eu estava ao pé dele como um discípulo, e eu estava em alegria quotidiana, e eu jogo na frente dele todo o tempo:
157. Jogando na orbe das Terras, e as minhas delícias de estar com os filhos dos seres humanos. Pr 8, 31. 157. Eu jogo na orbe da Terra, e os meus deleites com os filhos dos seres humanos.
158. Eu (המכה Hhochmah) a Sabedoria, eu habito no Conselho, e eu estou presente entre as cogitações eruditas. Pr 8, 12. 158. Eu (המכה Chochmah) a Sabedoria, eu habito na astúcia, e eu encontro-me na ciência das cogitações.
159. O Temor do Senhor odeia o mal, a arrogância e a soberba; eu detesto, quer a via depravada, quer a boca bilíngue. Pr 8, 13. 159. O Temor de Iahweh é ter ódio ao mal, à soberba e à arrogância, e eu odeio a via má, e a boca que diz perversidades.
160. Eu, aqueles que me amam, eu amo-os, e aqueles que desde a manhã velam por Mim, encontram-Me. Pr 8, 17. 160. Aqueles que me amam, eu amo-os, e que procuram, encontram-me.
161. Eu caminho nas vias da Justiça, e no meio dos caminhos do julgamento. Pr 8, 20. 161. Eu avanço entre os caminhos da Justiça, no meio dos caminhos do julgamento.
Escutemos,
de novo,
o Sábio:
162. O Senhor fundou a Terra pela Sabedoria, e estabilizou os Céus pela Prudência. Pr 3, 19. 162. Iahweh fundou a Terra na Sabedoria, estabilizou os Céus na Inteligência.
163. Pela sua Sabedoria jorraram os Abismos, e as nuvens condensaram-se em orvalho. Pr 3, 20. 163. Na sua Sabedoria os abismos jorraram por si próprios, e os Céus destilam o orvalho.
164. Quem subiu ao Céu e desceu? Quem conteve o Espírito nas suas mãos? Quem reteve as Águas como numa roupa? Quem suscitou todos os limites da Terra? Qual Nome é o Seu, e qual é o Nome do Seu Filho, sabes? Pr 30, 4. 164. Quem subiu ao Céu e desceu? Quem reuniu os ventos com os seus punhos? Quem congregou as Águas nas suas roupas? Quem estabilizou todos os limites da Terra? Qual nome é o seu, e qual é o Nome do Seu Filho, sabes?
165. (Por conseguinte) meu filho, come o Mel porque ele é bom, e o favo de mel, muito doce para a tua garganta. Pr 24, 13. 165. Come, meu filho, o mel porque é bom, e o favo de mel que é doce ao teu paladar.
166. Como na tua alma está a Doutrina da Sabedoria, a qual quando tu a tiveres encontrado, tu terás de novo a esperança, e a tua esperança não perecerá. Pr 24, 14. 166. Como suave será à tua alma o conhecimento da Sabedoria, se tu a encontrares; e ela será a tua recompensa, e a tua espera não se perderá.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Prólogo do Terceiro Grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Prólogo do Segundo Grau


PRÓLOGO II.

SEGUNDO GRAU PROLOGÉTICO

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
82. Escutem, filhos, a Disciplina do pai, e estejam atentos afim que vocês saibam a Prudência. Pr 4, 1. 82. Escutem, filhos, a Disciplina do Pai, e estejam atentos afim de conhecerem a Inteligência.
83. Eu vos concederei um Dom excelente; não abandonem a minha Lei. Pr 4, 2. 83. Porque eu vos dou uma Doutrina excelente, não abandonem a minha Lei.
84. Não rejeites, meu filho, a Disciplina Do Senhor, e não percas a coragem quando receberes dele a correção. Pr 3, 11. 84. Não rejeites, meu Filho, a Correção de Iahweh, e não fiques aborrecido por causa da sua increpação:
85. Porque aquele a quem o Senhor ama, corrige-o e compraz-se nele como um pai no seu filho. Pr 3, 12. 85. Porque aquele a quem Iahweh ama, recebe dele a imprecação, e tal como um pai a dá ao seu filho que ama extremamente.
86. Mantém a Disciplina; não a abandones; guarda-a, porque ela é a tua via. Pr 4, 13. 86. Apreende a correção; não a abandones; guarda-a porque ela é a tua vida.
87. Compra a Verdade e não vendas a Sabedoria, nem a Doutrina, nem a Inteligência. Pr 23, 23. 87. Compra a Verdade e não a vendas; compra a Sabedoria e a Erudição e a Inteligência.
88. Semeia (também) a tua semente de manhã, e que a tua mão não cesse à noite. Ecl 11, 6. 88. Semeia o teu grão desde a manhã, e que há noite tu não dês repouso à tua mão.
89. (Porque) suave é a Luz e o olho fica deleitado a ver o Sol. Ecl 11, 7. 89 Suave verdadeiramente é a Luz; feliz é o olho ao contemplar o Sol.
90. Vai à formiga, ó preguiçoso, e considera as suas vias, e aprende a Sabedoria. Pr 6, 6. 90. Vai à formiga, preguiçoso; observa as suas vias e sê sábio:
91. Ela que, apesar dela não ter nem chefe, nem preceptor, nem príncipe, Pr 6, 7. 91. A qual, apesar de não ter nem chefe, nem prefeito, nem senhor.
92. Prepara no verão o seu alimento e junta durante a colheita aquilo que come. Pr 6, 8. 92. No entanto, ela prepara no verão o seu alimento e junta durante a colheita os seus alimentos.
93. Até quando dormirás tu, preguiçoso; quando te erguerás tu do teu sono? Pr 6, 9. 93. Até quando dormirás tu, preguiçoso? Quando surgirás tu do teu sono.
94. Tu dormirás um pouco; tu dormitarás um pouco; tu juntarás um pouco as tuas mãos para dormir. Pr 6, 10. 94. Tomando um pouco de sono, um pouco de repouso, um pouco de complicação das mãos, afim de dormir:
95. E a tua indigência virá como um viajante e a tua pobreza como um homem armado. Se verdadeiramente tu não és preguiçoso a tua colheita virá como uma fonte e a indigência fugirá para longe de ti. Pr 6, 11. 95 E a tua indigência virá como um viajante, e a tua pobreza como um homem armado com um escudo. (O restante falta no texto grego).
96. Aquele que junta durante a colheita é um Filho sábio; mas aquele que repousa durante o Verão, é uma criança de confusão. Pr 10, 5. 96. Aquele que junta no verão é um filho inteligente; mas aquele que dorme durante a colheita é uma criança que atua com confusão.
Em seguida
97. A mulher insensata e gritadeira e cheia de seduções e que não sabe nada de nada, Pr 9, 13. 97. A mulher insensata, que cria tumulto é simples e não sabe nada de nada.
98. Sentou-se à porta da sua casa, num banco, num local elevado da cidade. Pr 9, 14. 98. E sentou-se na soleira da sua casa num banco, nos locais elevados da cidade.
99. Afim de que ela chamasse aqueles que passam no caminho e prosseguem o itinerário deles. Pr 9, 15. 99. Afim de que ela chame aqueles que passam no caminho, e que se dirigem nas veredas deles, dizendo:
100. Quem é criança volta-se para mim; e ela falou aos perversos. Pr 9, 16. 100. Quem é simples volta-se aqui; e ela disse a quem tem falta de coração:
101. As água furtivas são mais doces, e o pão escondido é suave. Pr 9, 17. 101. As águas roubadas são doces, e o pão escondido é suave.
102. E ele ignorou que os gigantes estão lá e que os seus convidados estão nas profundezas do inferno.
Porque quem se aproxima dela desce aos infernos, e quem se afasta dela é salvo.
Pr 9, 18. 102. E ele não sabe, o simples, que os mortos estão lá, e que os convidados por ela estão nas profundezas do inferno.
103. (Ó) meu filho, guarda os meus discursos e esconde em ti os meus preceitos.
Meu filho, honra o Senhor e tu terás a autoridade e a força, porque em seguida tu não temerás nada.
Pr 7, 1. 103. Ó meu filho, guarda os meus discursos e esconde perto de ti os meus preceitos.
104. Conserva os meus Mandamentos e tu viverás; e a minha Lei como a pupila do teu olho. Pr 7, 2. 104. Guarda os meus Preceitos e tu viverás, e a minha Lei como a pupila dos teus olhos.
105. Liga-a aos teus dedos; escreve-a nas tábuas do teu coração. Pr 7, 3. 105 Ata-a aos teus dedos; escreve-a na tábua do teu coração.
106. Diz à Sabedoria; tu és minha irmã; e chama à Prudência tua amiga. Pr 7, 4. 106. Diz à Sabedoria: Tu és minha irmã; e chama à Inteligência, tua aliada;
107. Afim de que ela te guarde da mulher estrangeira e da mulher indigna que torna as sua palavras suaves. Pr 7, 5. 107. Afim de que ela te guarde da mulher indigna, da estrangeira que suaviza as suas conversas.
108. Que o teu espírito não seja arrastado pelas vias dela, e que tu não te percas nos seus caminhos. Pr 7, 25. 108. Não voltes o teu coração para as suas vias, e que tu não erres nos seus caminhos.
109. Porque ela abateu vários, feridos, e os mais fortes foram mortos por ela. Pr 7, 26. 109. Porque ela fez cair vários, feridos, e todos os forte, foram mortos por ela.
110. Vias do inferno, a sua casa, penetrando nas partes interiores da morte. Pr 7, 27. 110. Vias do inferno, a sua casa, descendo ao leito da morte.
111. Se a Sabedoria penetra o teu coração e a Ciência agrada à tua alma. Pr 2, 10. 111. Quando a Sabedoria tiver penetrado no teu coração e a cognição for suave para a tua alma,
112. O Conselho te guardará, e a Prudência te servirá, Pr 2, 11. 112. A cognição te guardará e a Inteligência te conservará,
113. Afim de que tu seja liberto da via má, e da pessoa que diz coisas perversas: Pr 2, 12. 113. Afim de que ela te liberte da via má e da pessoa que diz coisas perversas:
114. Que deixam o caminho reto e caminham pelas vias tenebrosas. Pr 2, 13. 114. Que abandonam as veredas retas, e caminham pelas vias tenebrosas.
115. Que rejubilam quando fazem mal e exultam nas coisas péssimas: Pr 2, 14. 115. Que rejubilam de fazer o mal, exultam nas perversidades do mal.
116. Cujas vias são perversas, e as suas diligências infames. Pr 2, 15. 116. Cujos caminhos são perversos, e que são perversos nas suas vias.
117. Afim de que tu sejas arrancado à mulher indigna e à estrangeira que suaviza as suas conversas. Pr 2, 16. 117. Afim de que ela te arranque, digo, à mulher estrangeira, à indigna que suaviza as suas conversas.
118. E abandona o guia da sua puberdade e esqueceu o seu pacto com Deus. Pr 2, 17. 118. Que deserta o guia da sua adolescência e esqueceu o seu pacto com Deus.
119. Porque a sua casa está inclinada para a morte, e os seus caminhos para os infernos. Pr 2, 18. 119. Porque ela inclinou a sua casa para a morte, e que os seus caminhos conduzem aos mortos.
120. Todos aqueles que vão a ela não regressarão, nem reentrarão nos caminhos da vida. Pr 2, 19. 120. Todos aqueles que vão até ela, não regressarão nem tomarão os caminhos da vida.
121. Afim de que tu caminhes na boa via e que tu guardes os caminhos dos justos. Pr 2, 20. 121. Afim de que tu caminhes, digo eu, pela via dos bons, e que tu guardes as veredas dos justos.
122. Porque és tu seduzido, meu filho, por uma indigna, e ficas tu no seio de uma outra? Pr 5, 20. 122. Porque te deleitas tu, meu filho, com uma outra, e abraças tu o seio de uma estrangeira,
123. O Senhor observa atentamente as vias do homem (homo) e considera todas as suas diligências. Pr 5, 21. 123. Quando perante os olhos de Iahweh são as vias do homem (vir) e que ele pondera todos os seus caminhos?
124. As suas iniquidades o agarrarão, ao ímpio; ele é constrangido pelos laços dos seus pecados. Pr 5, 22. 124. As suas iniquidades o agarrarão, ao ímpio, e ele será retido pelos laços do seu pecado.
125. Ele morrerá porque ele não teve a Disciplina, e na multidão da sua loucura, ele será enganado. Pr 5, 23. 125. Ele morrerá, porque ele não escutou a erudição, e por causa da multidão da sua loucura, ele errará.
126. Aplica-te (assim), em tudo, na guarda do teu Coração, porque dele procede a vida. Pr 4, 23. 126. Aplica-te (portanto), entre todas as coisas, à guarda do teu Coração, porque dele se elevam as vidas.
127. Afasta de ti a Boca depravada e longe de ti estejam os lábios que detratam. Pr 4, 24. 127. Afasta de ti a perversidade da Boca, e afasta de ti a depravação dos lábios.
128. Que os teus Olhos vejam direito, e que as tuas pálpebras precedam os teus passos. Pr 4, 25. 128. Que os teus Olhos olhem na retidão, e que as tuas pálpebras dirijam a tua via à tua frente.
129. Dirige o caminho para os teus Pés, e todas as tuas vias serão estáveis. Pr 4, 26. 129. Pondera o caminho dos teus Pés e todas as tuas vias serão dirigidas.
130. Não te inclines à direita nem à esquerda; afasta o teu pé do mal. Pr 4, 27. 130. Não te inclines à direita nem à esquerda; desvia o teu pé do mal.
131. Porque se tu te tornares sábio, tu o serás para ti próprio; mas se tu fores zombador, só tu carregarás o mal. Pr 9, 12. 131. Se tu te tornares sábio, tu serás sábio para ti próprio; mas se tu és zombador, tu carregarás sozinho o castigo.
SUMÁRIO.
132. Quem renuncia à Sabedoria e à Disciplina é infeliz, e a esperança deles é vazia, e os seus trabalhos sem fruto, e as suas obras inúteis. Sb 3, 11. 132. Porque quem não dá valor à Sabedoria e à Disciplina é miserável; a esperança de tais gentes é vã, e os seus trabalhos infrutíferos, e as suas obras inúteis.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Prólogo do Segundo Grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Prólogo do Primeiro Grau


PRÓLOGO I.

PRIMEIRO GRAU PROLOGÉTICO

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
1. Escuta; ó meu Filho, disse Salomão, Filho de David, Profeta e Rei de Israel, em Jerusalém, Rei sábio, panegirista sublime da Sabedoria Eterna, única verdadeira, e o mais notável de todos, Escuta, meu filho, disse ele, estas minhas parábolas a fim de conheceres a Sabedoria e a Disciplina e de compreenderes as palavras da Providência. Pr 1, 1.





Pr 1, 2.
1. Escuta, ó meu Filho, disse Salomão, filho de David, Profeta e Rei de Israel, em Jerusalém, Rei Sábio, panegirista sublime da Sabedoria Eterna, única verdadeira, e o mais notável de todos; Escuta, meu filho, disse ele, estas minhas parábolas a fim de conheceres a Sabedoria e a Erudição e de compreenderes a eloquência da Inteligência.
2. E para receber a Erudição da Doutrina, a Justiça e a faculdade de Julgar e a Equidade: Pr 1, 3. 2. E para receber a Erudição da Inteligência, a Justiça e a faculdade de Julgar e as Retidões.
3. E para dar prudência aos simples; à criança a Ciência e o Conhecimento. Pr 1, 4. 3. Afim que seja dada à criança a astúcia, e a Ciência e a Inteligência e ao adolescente.
4. O Sábio, ouvindo-as, tornar-se-á mais sábio, e o Inteligente adquirirá a arte de governar. Pr 1, 5. 4. O Sábio as ouvirá e aumentará em si o conhecimento da Doutrina; e a Inteligência possuirá os conselhos.
5. Ele considerará as parábolas e a interpretação; as palavras dos Sábios e os seus enigmas. Pr 1, 6. 5. Afim de compreender a parábola e a elocução, as palavras dos Sábios e os seus enigmas.
6. Escuta, meu filho e recebe a minha eloquência e os anos da tua vida se multiplicarão. Pr 4, 10. 6. Escuta, meu filho, e recebe as minhas palavras, e que os anos da tua vida sejam multiplicados.
7. Eu te mostrarei a via da Sabedoria e te conduzirei pelos caminhos da Equidade. Pr 4, 11. 7. Eu ensinei-te a caminhar pela via da Sabedoria; eu fiz-te seguir os caminhos retos.
8. Quando tu lá tiveres entrado, os teu passos não mais serão curtos, e correndo tu não encontrarás pedras de tropeço. Pr 4, 12. 8. Quando caminhares, o teu passo não será impedido, e quando correres, não baterás em nada.
9. Porque eu sou o Filho ternamente amado do meu pai, e o unigénito aos olhos da minha mãe. Pr 4, 3. 9. Pois que eu sou o filho caro ao meu pai e o único entre os filhos da minha mãe.
10. Eu sou verdadeiramente, eu próprio, um homem mortal, semelhante a todos, e da mesma raça terrestre daquela que o primeiro foi criado; e eu fui figurado sob a forma de carne dentro do ventre da minha mãe. Sb 7, 1. 10. Eu sou, eu próprio, verdadeiramente um homem mortal, semelhante a todos, e eu fui procriado daquele homem que, o primeiro, foi formado da Terra.
11. Durante dez meses eu fui coagulado no sangue, da semente do homem dentro do deleite propício ao sono. Sb 7, 2. 11. Durante dez meses, eu tomei forma de carne dentro do útero da minha mãe, formado da semente do homem, eu fui coagulado no sangue, e pela voluptuosidade do sono que o acompanha.
12. Tendo nascido, eu recebi o ar comum, e caí na mesma terra, e como todos os outros eu emiti a minha primeira voz chorando. Sb 7, 3. 12. E, para mais, tendo nascido, eu aspirei o ar comum, e caí na mesma terra exposta aos males e aos incómodos, e emiti a minha primeira voz da mesma forma que os outros, chorando.
13. Fui alimentado, envolto em fraldas e rodeado de grandes cuidados. Sb 7, 4. 13. Fui criado entre fraldas e cuidados.
14. Porque não há nenhum, entre os Reis, cujo começo do Nascimento tenha sido diferente. Sb 7, 5. 14. Porque nenhum Rei conheceu uma outra maneira de nascer.
15. Para nós, só há uma maneira de entrar na vida, e o fim é semelhante. Sb 7, 6. 15. Mas a entrada na vida é semelhante para todos, e a saída igualmente.
16. E ele (o meu Pai) instruía-me e dizia-me: Que o teu coração receba as minhas palavras; guarda os meus preceitos, e tu viverás. Pr 4, 4. 16. E ele próprio me instruía e me dizia: Que o teu coração guarde os meus discursos; guarda os meus preceitos e tu viverás.
17. Possui a Sabedoria; possui a Prudência; não te esqueças das palavras da minha boca nem te afastes delas. Pr 4, 5. 17. Recolhe a Sabedoria; recolhe a Inteligência; não te esqueças das palavras da minha boca, nem te afastes delas.
18. Não a abandones e ela te guardará; ama-A e ela te conservará. Pr 4, 6. 18. Não a abandones e ela te guardará; ama-A e ela te conservará.
19. Como princípio da Sabedoria, possui a Sabedoria; e com tudo aquilo que possuis, adquire a Prudência. Pr 4, 7. 19. O princípio da Sabedoria é portanto adquirir a Sabedoria, e com todas as tuas riquezas adquire a Inteligência.
20. Adquire-a com esforço, e ela te exaltará; tu será glorificado por ela, quando a tiveres abraçado. Pr 4, 8. 20. Ela dará à tua cabeça um aumento de graças e colocará uma coroa de beleza.
21. Ela dará à tua cabeça um aumento de graças e ela proteger-te-á com uma coroa brilhante. Pr 4, 9. 21. Ela dará à tua cabeça um aumento de graças e recolocará uma coroa de beleza.
22. Ó meu filho, não esqueças a minha Lei, e que o teu coração guarde os meus Preceitos. Pr 3, 1. 22. Ó meu filho, não esqueças a minha Lei, e que o teu coração guarde os meus Preceitos.
23. Visto que eles te trarão longos dias e anos de vida, e a paz. Pr 3, 2. 23. Porque eles te trarão longos dias e anos de vida, e a paz.
24. A Misericórdia e a Verdade não te abandonarão; amarra-as ao redor do teu pescoço, e escreve-as nas tábuas do teu coração. Pr 3, 3. 24. Que a misericórdia e a verdade não te abandonem; amarra-as ao teu pescoço, e escreve-as na tábua do teu coração.
25. E tu encontrarás graça e boa Disciplina diante de Deus e diante dos homens. Pr 3, 4. 25. E tu encontrarás graça e intelecto perfeito aos olhos de Deus e dos homens.
26. Que eles não se afastem de diante dos teus olhos; guarda-os (os meus discursos) no meio do teu coração. Pr 4, 21. 26. Que eles não se afastem de diante dos teus olhos; mas guarda-os (os meus discursos) no meio do teu coração.
27. Eles são a vida daqueles que os encontram e a saúde de toda a carne. Pr 4, 22. 27. Eles são a vida daqueles que os encontram e a saúde de toda a sua carne.
28. Quando tu caminhares, que elas caminhem contigo; quando tu dormires, que elas te guardem, e ao acordares, fala com elas. Pr 6, 22. 28. Quando passeares, que ela te conduza (esta Doutrina da Lei ou dos Preceitos) quando dormires, que ela te guarde; e quando estiveres acordado, que ela converse contigo.
29. Porque o Mandamento é uma lâmpada e a Lei uma luz, e a repreensão da Disciplina, a via da vida. Pr 6, 23. 29. Porque o Mandamento é como uma lâmpada e a Lei como uma luz: e que as repreensões da erudição são a via da vida.
30. Adquirir a Sabedoria é muito mais excelente do que adquirir o ouro precioso, e adquirir a inteligência é muito mais excelente do que adquirir a prata rara. Pr 16, 16. 30. Possui a Sabedoria porque ela é melhor do que o ouro, e adquire a Prudência por ela é mais preciosa do que a prata.
31. Agora portanto, ó meu filho, escuta-me, e não te afastes das palavras da minha boca, e não gemas por fim dizendo: (Ah!) Porque é que eu detestei a Disciplina e porque é que o meu coração não aquiesceu às admoestações, Pr 5, 7 e 11 e 12. 31. Agora então, meus filhos obedeçam-me, e não se afastem dos discursos da minha boca; e que tu não rujas, por fim dizendo: (Ah!) Como eu odiei a Erudição e como o meu coração odiou a admoestação,
32. Não escutei eu a voz daqueles que me ensinavam, nem prestado ouvido aos Mestres? (Amém, Amém, digo-te eu). Pr 5, 13. 32. E não obedeci eu à voz daqueles que me instruíam e não prestei eu o meu ouvido àqueles que me ensinavam? (Amém, Amém, digo-te eu.)
(Em verdade, em verdade, eu vos digo:)
33. Meu filho, que a tua alma se torne sábia, e o meu coração congratular-se-á contigo. Pr 23, 15. 33. Meu Filho, que o teu coração se torne sábio, o meu coração congratular-se-á assim como eu próprio (me congratularei).
34. E os meus rins exultarão quando os teus lábios tiverem falado segundo a retidão. Pr 23, 16. 34. E os meus rins exultarão quando os teus lábios disserem as coisas retas.
Mas coragem!
35. Não é verdade que (חכמה Hochmah) a Sabedoria grita, e (בינה Binah) a Prudência dá a sua voz? (Vê, é ela própria ou são elas próprias?!) Pr 8, 1. 35. A Sabedoria (חכמה Hochmah) não grita, e a Inteligência não dá a sua voz?
36. Colocando-se sobre os cumes mais elevados por cima da estrada e no meio dos caminhos. Pr 8, 2. 36. Ela coloca-se no cume dos lugares mais elevados, ao longo da estrada e dos caminhos;
37. Perto das portas da vila, às entradas, ela fala assim: Pr 8, 3. 37. Perto das portas, à entrada da vila, ela clama:
38. Ó homens, é a vós que eu clamo, e a minha voz dirige-se aos filhos dos homens. Pr 8, 4. 38. Ó homens, é a vós que eu clamo, e a minha voz dirige-se aos filhos dos homens.
39. Compreendam filhos, a astúcia e vós insensatos reentrem em vós próprios. Pr 8, 5. 39. Compreendam, simples, a astúcia e vós, insensatos, compreendam no vosso coração.
40. Escutem, porque eu vou dizer coisas grandes e os meus lábios abrir-se-ão afim de proclamar coisas retas. Pr 8, 6. 40. Escutem, porque eu direi coisas dignas de honra, e a abertura dos meus lábios terá lugar para as retidões:
41. A minha boca meditará a Verdade, e os meus lábios detestarão o ímpio. Pr 8, 7. 41. Porque a minha boca pronunciará a Verdade e que a impiedade é a abominação dos meus lábios.
42. Justos são todos os meus sermões, nada há neles de depravado nem de perverso. Pr 8, 8. 42. Na Justiça estão todas as palavras da minha boca; nada há nelas de depravado nem de perverso.
43. Eles são retos para os inteligentes, e equitativos para aqueles que encontraram a ciência. Pr 8, 9. 43. Elas são extremamente retas para o Inteligente e retas para aqueles que encontraram a ciência.
44. Recebe a minha Disciplina e a minha prata; prefere a Doutrina ao ouro: Pr 8, 10. 44 Recebe a minha Erudição e a minha prata, e que a Ciência seja eleita por ti mais que o ouro.
45. A Sabedoria é melhor que todas as riquezas mais preciosas, e tudo o que é desejável não se lhe pode comparar. Pr 8, 11. 45. Porque a Sabedoria é melhor que a pérola preciosa, e que todas as coisas desejáveis não se lhe podem ser igualadas.
46. Agora portanto, meus filhos, escutem-me. Bem-aventurados aqueles que guardam as minhas vias. Pr 8, 32. 46. Agora então, meus filhos obedeçam-me, e bem-aventurados aqueles que guardarem as minhas vias.
47. Escutem a Disciplina e sejam Sábios afim de não a rejeitarem. Pr 8, 33. 47. Escutem a Erudição e sejam sábios e não a repudiem.
48. Bem-aventurado aquele que me ouve, que vigia quotidianamente no meu umbral e que espera à minha porta. Pr 8, 27. 48. Bem-aventurado aquele que me escuta permanecendo quotidianamente ao pé do meu umbral esperando às minhas portas.
49. A Sabedoria (diz ainda o Rei muito sábio) fala no exterior; ela faz ouvir a sua voz sobre as praças públicas. Pr 1, 20. 49. A Sabedoria (diz ainda o Rei muito sábio) clama no exterior; ela faz ouvir a sua voz sobre as praças públicas:
50. Ela clama à frente das assembleias e profere as suas palavras às portas da cidade, dizendo: Pr 1, 21. 50. Ela clama à frente das assembleias tumultuosas, e às portas da cidade ela própria pronuncia os seus discursos e diz:
51. Até quando, filhos, amareis vós a infância, e loucos, desejais vós aquilo que vos é prejudicial, e imprudentes, odiais vós a ciência? Pr 1, 22. 51. Até quando, simples, amais vós a simplicidade, e derrisórios, procurais vós a irrisão, e, loucos, odiais vós a ciência?
52. Convertam-se à minha correção; eis que eu profiro o meu Espírito sobre vós e que eu vos mostrarei as minhas palavras. Pr 1, 23. 52. Convertam-se à minha increpação; eis que eu retirarei o meu espírito em vós e que eu vos faço conhecer as minhas palavras.
53. Porque eu vos chamei e vocês me recusaram; porque eu estendi a minha mão e ninguém apareceu para me ver. Pr 1, 24. 53. Porque eu vos chamei e vocês me recusaram; porque eu estendi a minha mão, e não havia ninguém para prestar atenção.
54. Vocês desprezaram todo o meu conselho e negligenciaram todas as minhas increpações. Pr 1, 25. 54. Vocês tiveram desprezo de todo o meu conselho e vocês não quiseram a minha increpação.
55. E eu também, eu também rirei quando vocês morrerem e eu troçarei quando vos tiver chegado aquilo que vocês temem. Pr 1, 26. 55. E eu também rirei na vossa contrição; e eu troçarei quando tiver chegado o objeto do vosso temor.
56. Quando a desgraça imprevista tiver chegado, e a morte se tiver abatido sobre vós como uma tempestade; quando vier sobre vós a tribulação e o infortúnio. Pr 1, 27. 56. Quando, digo eu, o objeto do vosso temor tiver chegado como uma desolação, e a vossa contrição tiver chegado como um turbilhão, quando vier sobre vós a tribulação e o infortúnio.
57. Então eles me invocarão e eu não os favorecerei; eles se levantarão desde a manhã e não Me encontrarão: Pr 1, 28. 57. Então eles me invocarão, e eu não os favorecerei; eles me procurarão desde a manhã e não me encontrarão:
58. E isso porque eles terão tido aversão à Disciplina e porque eles não terão guardado o Temor do Senhor. Pr 1, 29. 58. E isso porque eles odiaram a Ciência e porque eles não escolheram o Temor de Iahweh.
59. E que eles não terão aquiescido ao meu Conselho e se terão afastado de toda a minha correção. Pr 1, 30. 59. E porque eles não aquiesceram ao meu conselho e desprezaram toda a minha increpação.
60. Assim eles comerão o fruto da sua via e eles ficarão saciados com os seus conselhos. Pr 1, 31. 60. Assim eles comerão o fruto da sua via, e eles ficarão saciados com os seus conselhos.
61. A aversão das crianças os fará morrer e a prosperidade dos loucos os perderá. Pr 1, 32. 61. Porque o repouso dos simples os fará morrer e a prosperidade dos loucos os perderá.
62. Mas aquele que me escutar repousará sem terror, e desfrutará da abundância, sem temor de qualquer mal. Pr 1, 33. 62. Mas aquele que me obedece habitará na confiança e repousará longe do temor do mal.
É por isso que,
retamente e sabiamente,
o Sábio conclui e admoesta
assim:
63. Melhor é a Sabedoria que as forças, e o ser humano prudente, que o ser humano forte. Sb 6, 1. 63. Este versículo falta no texto grego.
64. Escutem portanto (também) ó Reis e compreendam; estejam informados, juizes da terra inteira. Sb 6, 2. 64. Escutem portanto, Reis, e prestem atenção, e estejam informados, juizes da terra inteira.
65. Escutem, vocês que contêm as multidões e que se satisfazem no grande número das nações. Sb 6, 3. 65. Escutem, vocês os moderadores do povo, que se glorificam na multidão das nações.
66. Porque esse poder vos é dado pelo Senhor e essa grandeza pelo Altíssimo, que interrogará as vossas obras e escrutinará as vossas cognições. Sb 6, 4. 66. Porque essa dominação vos é dada pelo Senhor e esse poder pelo Altíssimo, que se inquirirá das vossas obras e perscrutará os vossos conselhos.
67. Porque, quando vocês eram ministros dos Reinos, vocês não julgaram retamente e não guardaram A Lei Da Justiça, nem caminharam segundo a vontade de Deus. Sb 6, 5. 67. Porque, quando vocês eram ministros do seu Reino, vocês não julgaram retamente e não conservaram a lei, nem seguiram o conselho de Deus.
68. Ele aparecerá a vós horrivelmente, e dentro de pouco tempo, porque o julgamento será muito duro para aqueles que governam. Sb 6, 6. 68. Ele virá a vós de uma forma horrível, e súbita, porque o julgamento será dado muito severamente contra os grandes.
69. Porque a Misericórdia é concedida ao pequeno; mas os poderosos sofrerão fortemente os tormentos. Sb 6, 7. 69. Porque os seres humanos ínfimos, são dignos de misericórdia; informar-se-á severamente contra os poderosos.
70. Deus não subtrairá ninguém e não temerá a magnitude de ninguém, porque ele fez o pequeno como o grande na ipseidade (propriedade), e porque os seus cuidados se estendem igualmente a todos. Sb 6, 8. 70. O Senhor não poupará ninguém, nem temerá a magnitude, porque ele criou o ínfimo como o elevado na ipseidade (propriedade), e proporciona igualmente a sua providência a todos.
71. Mas os mais fortes terão um exame maior. Sb 6, 9. 71. Os poderosos terão realmente uma inquisição veemente.
72. (Porque) não há Sabedoria, não há prudência, não há conselho contra o Senhor. Pr 21, 30. 72. Ninguém tem Sabedoria, nem Inteligência, nem conselho contra Iahweh.
(Porque)
73. (Porque) escapar à tua mão, ó Senhor, é impossível, porque todo o Mundo (Orbs) é a vingança dos justos. Sb 16, 15.


17.
73. (Porque) que alguém escape à tua mão, isso não pode acontecer; atendendo a que o próprio mundo (mundus), é a vingança dos justos.
74. É portanto a vocês, ó Reis, (proclama aqui outra vez, e não sem propósito o nosso Sábio), que se endereçam estes meus discursos afim que vocês aprendam a Sabedoria e que vocês não a percam. Sb 6, 10. 74. A vocês portanto, se dirigem estes discursos, ó tiranos, afim que vocês aprendam a Sabedoria e que vocês não a ofendam.
75. Porque aqueles que tiverem guardado a Justiça serão julgados com justiça; e aqueles que tiverem aprendido os deveres encontrarão com que responder. Sb 6, 11. 75. Porque aqueles que tiverem conservado santamente os direitos e os deveres de Santidade serão vistos como santos, e aqueles que forem instruídos terão com que responder.
76. Desejem portanto ardentemente os meus discursos; amem-nos e vocês terão a Disciplina. Sb 6, 12. 76. Procurem portanto os meus discursos e desejem-nos, e obterão a Erudição.
77. Se portanto vocês se deleitam com tronos e septos, ó Reis do povo, amem a Sabedoria, afim que vocês reinem perpetuamente. Sb 6, 22. 77. Se portanto vocês se deleitam com tronos e septos, ó Reis dos povos, honrem a Sabedoria, afim que vocês reinem perpetuamente.
78. Amem (ó amem) a Luz da Sabedoria, vocês todos que comandam os povos. Sb 6, 23. 78. Este versículo falta no texto grego.
79. Porque a multidão dos sábios é a saúde de toda a circunferência Terrestre, e um Rei sábio, a estabilidade do seu povo: Sb 6, 26. 79. Porque a multidão dos sábios é a salvação do Mundo, e um Rei prudente a estabilidade do povo.
80. Recebam portanto a Disciplina pelos meus discursos, e ela vos será proveitosa. Sb 6, 27. 80. Por isso sejam portanto instruídos pelas minhas palavras, e que elas vos sejam úteis.
Aprendam portanto ó mortais
A SABEDORIA
e
81. Amem a Justiça vocês que julgam a Terra. Sb 1, 1. 81. Amem a Justiça vocês que julgam a Terra.


[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Prólogo do Primeiro Grau