Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 31 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
212. → O Princípio da Sabedoria é o Temor do Senhor; e a ciência dos Santos, é a Prudência. Pr 9, 22. 212. O princípio da Sabedoria é o temor de Iahweh; e a Ciência dos Santos, é a Inteligência.


  • O Princípio da Sabedoria - Ver os versículos 210 e 232.

    Jó 28, 28: «Eis o Temor do Senhor que é ele próprio a Sabedoria; e a Inteligência é afastar-se do mal».

    O Temor filial de Deus é o mesmíssimo Amor; Temer Deus é amá-lo.

    Ó que frutuosíssima Arte de Amar! e quanto fielmente a ensina o nosso Anfiteatro.

    Este Amor é Divino; o outro, mundano e Ovidiano é imundo.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 31 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
211. O Temor do Senhor é → a fonte da vida, para afastar a ruína da morte. Pr 14, 27. 211. O temor de Iahweh é como uma veia de vida afim de afastar as teias da morte.


  • A fonte da vida - Da mesma forma que a desobediência e a contenda com Deus, também o amor-próprio e a soberba são o princípio e a fonte da morte e de todas as calamidades, e verdadeiramente a ruína e a armadilha da morte e do inferno.

    Da mesma forma, o temor de Iahweh junto à fé e ao amor divino, e que é chamado de "filial", é verdadeiramente a fonte e a veia da vida.

    É por isso que o Espírito Santo é o Espírito do temor de Deus, quer dizer ele é o autor do temor de Deus.

    E Deus colocou o seu excelente benefício neste santo temor, de tal forma que Deus se deleita no santo temor como um pai no seu filho único, e ele revela-lhe os arcanos da Sabedoria, repousado sobre ele o Espírito da Ciência, da Inteligência e da Cognição.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 30 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
210. → O Temor do Senhor é o princípio da Sabedoria; → Os loucos desprezam a Sabedoria e a Doutrina. Pr 1, 7. 210. O temor de Iahweh é o princípio da Ciência, os loucos desprezam a Sabedoria e a Erudição.


  • O Temor do Senhor - Este não é aquele Temor que sentem os culpados que mereceram os suplícios, chamada Servil pelos Teólogos, e que não é outra senão a fúria e o verme da consciência timorata que rói e gasta diariamente a alma má ou a alma que tem consciência da sua culpabilidade; mas o temor divino e salutar que provém de Deus ele próprio, chamado Filial, e inspirado pelo mais elevado e mais excelente amor, para falar como os Cabalistas.

    Da mesma forma também os versículos 212 e 232.
  • Os loucos desprezam - Esses são portanto loucos, que desprezam o nosso Anfiteatro; a razão é que a sua Doutrina emana (a coisa fala por si própria) das fontes da Sabedoria.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 29 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 28 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
209. O Coração do Sábio procura a Doutrina e a boca dos loucos → alimenta-se de incompetência. Pr 15, 14. 209. O coração inteligente procura a Ciência, e a boca dos loucos alimenta-se de loucura.


  • Alimenta-se de incompetência - O Pagão diz com razão: «Nada no mundo é mais irracional que o Ser Humano ignorante (imperitus)»; ele permanecerá um louco, mesmo depois de ter sido lavado.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 28 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 27 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
208. → O Vinho é coisa luxuriosa, e a embriaguez tumultuosa; quem quer que se deleite nela não será Sábio: Pr 20, 1. 208. O vinho torna irrisório e a cerveja (Sechar, sicera) torna tumultuoso; e toda a pessoa que tiver alegria neles não será Sábia.


  • O Vinho é coisa luxuriosa, etc. - Heráclito disse: «A loucura é difícil de esconder; no vinho é completamente impossível.»

    E Catão: «Com exceção de um único, nenhum homem sóbrio alguma vez tentou derrubar a República.»

    Platão: «Na vida, pouco sóbrio ninguém será alguma vez Sábio, e ainda menos moderado.»

    Séneca: «Os vícios concebidos no vinho por um hábito endurecido pela loucura, subsistem mesmo sem o vinho.»

    A Sabedoria não deve portanto ser procurada no fundo das taças.

    Tu desejarás que te seja permitido beber na taça de prata do Patriarca José (Gn 44, 5), na qual ele profetizava e vaticinava sobre as coisas futuras.

    Quem negará que esta taça foi certamente composta astronomicamente de Electrum filosófico, pela arte suprema Divino-Mágica?

    Aquelas que o Misteriarca Aureolus de Hohenheim (Paracelso) compôs desse mesmo Electrum e que ele deixou à sua posteridade, existem ainda.

    É uma taça semelhante que a Sabedoria apresenta a beber no Cântico dos Cânticos (8, 2) aos seus amadores, e ela embriaga-os assim com o Néctar Celeste.

    Estas Influências Celestes e estes tesouros astrais, que são os guardiões de toda a Sabedoria natural, influem-se e descem muito voluntariamente por eles mesmos dentro das almas sóbrias, que têm sede da Sabedoria.

    O louco ébrio e cheio de vinho não pode atingir o Céu e permanecerá sempre na sua espessura.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 27 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 26 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
207. (Porque) → eu não caminharei com a inveja dessecada (diz o Sábio:) porque uma tal pessoa não é participante da Sabedoria. Sb 6, 25. 207. Eu não caminharei certamente com aquele a quem a inveja desseca, porque assim ele não participará na Sabedoria.


  • Eu não caminharei com a inveja dessecada - Eu não comunicarei, eu não terei nada em comum, eu não residirei com a inveja.

    Porque o hábito dos Filósofos é não invejar nada.

    É por isso que a devota antiguidade (vetustas) queria que as portas das Musas devessem ficar abertas.

    Não contudo para todos sem distinção.

    E para quais então?

    Apenas para os filhos da Doutrina e da Disciplina.

    Porque os Dons de Deus não devem ser comunicados candidamente e liberalmente senão àqueles que desfrutam de um caráter e de uma naturalidade cândida e liberal; porque as pérolas não devem ser lançadas aos porcos obcecados pelo Diabo (versículo 344).

    O muito Douto Zwingle fala disso retamente nas Tabelas Hipocráticas, pag. 37.

    Tal foi, diz ele, a majestade destas diversas artes nos Antigos, que elas não eram comunicadas senão aos iniciados, quer de viva voz, ao que eles chamavam akroatas, pelo que a Cabala dos Hebreus tem este nome; quer por escrito, mas tão obscuramente que o vulgar profano era impedido e que o arcano era comunicado apenas aos inteligentes (versículo 43).

    Vê-se realmente que esta prostituição roubou às Artes a eficácia e a autoridade, devido ao desprezo que têm delas.

    Aqueles que revelam os arcanos das artes aos estrangeiros são igualmente dignos de desprezo, assim como devem ser repreendidos com razão devido à inveja, aqueles que nem a querem comunicar aos iniciados. Estes como aqueles.

    É neste sentido que se deve interpretar prudentemente as palavras citadas do nosso Sábio e as do versículo 147.

    Tu objetarás talvez, escarnecedor, com a inveja do Soberano Bem, que sentem Físico-Quimicamente os Filósofos, na Natureza e na Arte.

    Escuta então o Filósofo Rosinus: O decreto de Deus é que esta coisa deve ser procurada com inveja pelos sábios, não por causa da avareza do mundo, com receio de que os maldosos conhecendo-a fiquem mais hábeis na realização das coisas profanas, mas afim de que os Filósofos dêem razão dos seus pecados.

    Em seguida tu tens igualmente nas palavras de Zwingle, já citadas, uma resposta suficientemente honesta, suficiente, justa e equitativa.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 26 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 25 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
206. → Onde não está a Ciência da Alma, não está o Bem. Pr 29, 2. 206. Porque sem a Ciência, o desejo não é bom.


  • Onde não está a Ciência, etc. - Lá onde não estão os conselhos moderados, a causa está corrompida ao agir segundo o mal.

    A Sabedoria ensina portanto, ao seu fiel amador e adorador, a agir em tudo consideradamente, prudentemente, devotamente e moderadamente, e de considerar sempre o fim.

    E pelo contrário, o Vulgar ignorante da Sabedoria lança-se nos negócios temporais sem nenhum temor de Deus; e Deus não sendo consultado, os loucos são levados pelos conselhos insensatos como numa torrente e num rio rápido.

    Porque a precipitação é cega e imprevidente; e o esquecimento de Deus dirige na má via e conduz ao fim mais execrável.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 25 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 24 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
205. → Quem caminha com os Sábios será Sábio, → o amigo dos loucos tornar-se-á semelhante (a eles). Pr 13, 20. 205. Quem caminha com os Sábios, será Sábio; mas quem é amigo dos loucos será esmagado.


  • Quem caminha com os Sábios, etc. - Quer dizer, com aqueles que seguem a doutrina dos Livros da Natureza, e da Sacro Santa Escritura, e o testemunho da sua própria consciência; aquele que faz isto Orando fielmente e Laborando sabiamente ascende, por uma via direita e muito certa, até à Soberana Ciência das coisas Divinas e Humanas e conhece-a realmente.

    Todas a Coisas estão sujeitas às leis e aos testemunhos daquelas, sem as quais nós não ousaríamos falar aos amigos da Verdade.

    Porque se a tua alma, ó filho, está assim iluminada por um raio da Sabedoria eterna (e é Deus Ele Próprio, segundo Mercúrio Trismegisto, que é o olho da nossa Alma, sem a luz de quem (digo eu) ela permanece cega, tanto nas coisas Físicas e Hiperfísicas como nas Divinas, e sem a qual nós também nunca veremos a luz quer da Sacro Santa Escritura, quer da Natureza, quer da Cognição de nós mesmos), então, conduzido por esta luz tão inefável, tu caminharás certamente no meio de todas as trevas dos erros; então, livremente, sem nenhuma falta, tu poderás penetrar frutuosamente em todos os géneros de disciplina, bons ou maus (no seu tipo); então, tal como Ulisses (para só me servir das palavras de Heinrich Cornelius Agrippa que, pelos seus excelentes escritos, eu reconheci como sendo um bom e filosófico Evangelista, porque os seus discursos pressupõem uma alma Teo-Sófica, (não Nigromântica), se entrares nas cavernas dos Ciclopes e se desceres aos infernos, tu retornarás são e salvo; se te aproximares dos Lotófagos e dos Sirtas, tu voltarás em segurança; se beberes da taça de Circe, tu não serás transformado (em porco); se navegares perto de Cila, tu não serás engolido; se ouvires as Sereias, tu não adormecerás, mas tu serás juiz de todos, como diz o Apóstolo, e não serás julgado.
  • O amigo dos loucos - A cloaca de todos os vícios de todos os géneros reunidos é chamada loucura pelo nosso Sábio e pelos Estóicos, que foram muito graves defensores da virtude; nos Santos Textos ela é chamada Malícia e Loucura; assim como a Absoluta Probidade de qualquer ordem e de qualquer género é indiferentemente chamada Sabedoria.

    Foge do convívio com os Loucos, quer dizer dos viciosos ou dos maldosos (como é dito no versículo 201, e dos quais, oh! dor, o Estado, as ciências e as artes estão frequentemente atravancados) porque nenhum veneno, nenhuma calamidade prejudica mais que um semelhante convívio com loucos diabólicos.

    No estudo da Cabala e da Magia, foge dos Nigromantes (como do próprio Diabo, de quem eles são o órgão), na Alquimia, (foge) dos que trabalham e se dirigem sofisticamente, porque eles são loucos.

    Toma cuidado para nunca lhes dizeres: saudação; e que eles também não tenham familiaridade contigo. O vizinho apanha a peste do seu vizinho.

    Confia-te com segurança a Deus, mas com prudência ao mortal
    E considera primeiro se ele é digno da tua confiança.

    Porque, confiar-se em muita gente sem os examinar cuidadosamente prepara os maiores prejuízos.

    «O bago podre», diz Juvenal, «é suficiente para estragar todo o cacho.»

    Grande é a força do hábito e das conversações, tanto no bem como no mal.

    É preciso caminhar com o pequeno número daqueles que são bons.

    Cada um é semelhante àqueles cuja conversação o deleita.

    Porque «conhece-se, segundo aqueles com quem convive, aquele que não se conhece por ele próprio».

    O amigo é a sombra do amigo.

    Mas a Sabedoria vence a malícia (Sb 7, 30); procuremos portanto obter na Sabedoria de Deus, feita carne, o triunfo contra a Malícia, porque se nós formos sábios nela, nós venceremos também nela.

    Que o Um esteja portanto contigo e não só porque ele é Um; porque o Tri-um está no Tri-Um.

    A Sabedoria incarnada disse: onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, Eu Estarei no meio deles.

    O macho e a fêmea que são Dois; o Corpo, o Espírito e a Alma que são Três essências distintas, reunidas na pessoa do estudioso da Teo-Sofia em nome de Jesus Cristo crucificado, da Sabedoria incarnada do Pai são Um; no meio de quem se encontra aquele Que Era, Que É, Que Será: Deus; A Sabedoria de Deus; O Espírito da Sabedoria Divina.

    Então tu reconhecerás muito clara e verdadeiramente, como disse Cipião, que tu nunca estás menos aborrecido que quando tu pareces aborrecido, nunca menos só que quando tu estás só. E: a pluralidade tornar-te-á aborrecido.

    Ó bem-aventurada tranquilidade, nunca indolente, que o mundo imundo não compreende. Apenas o amigo de Deus desfruta desta tranquilidade, e não a dos loucos que são mundanamente e profanamente sábios. A pessoa sem pudor não compreenderá isto.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 24 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 23 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
204. → No coração do Prudente repousa a Sabedoria e ele ensinará todos os ignorantes. Pr 14, 33. 204. No coração do Inteligente repousa a Sabedoria; e no meio dos loucos, ele próprio é conhecido.


  • No coração
  • - Na Alma, que é o Agiasterium 1 ou o Santuário da Sabedoria; o templo Microcósmico de Minerva.

    Assim, o Sábio diz (Pr 17, 24): «Na face do prudente brilha a Sabedoria.»

    E (Ecl 8, 1): «A Sabedoria do ser humano brilha-lhe no rosto», quer dizer fisiognomonicamente 2 , metoposcopicamente 3 .

Notas
  1. O Agiasterium é o Santuário, ou a parte do templo onde fica o altar. [  ]
  2. A fisiognomia ou fisiognomonia é um método fundado sobre a ideia de que a observação da aparência física duma pessoa, e principalmente os traços do seu rosto, pode dar um resumo do seu caráter ou da sua personalidade. [  ]
  3. A metoposcopia (palavra construída a partir "metôpos", a fronte, e "skopein", observar) é uma forma de adivinhação cujo objetivo é predizer a personalidade, o caráter e o destino da pessoa, baseando-se nas formas das linhas da fronte. [  ]

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 23 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 22 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
203. → Onde esteve a soberba, estará também a afronta; pelo contrário, onde está a Humildade, está a Sabedoria (Pr 16, 5). Todo o arrogante é → a abominação do Senhor. Pr 11, 2. 203. Quando vem a soberba, vem também a ignomínia; e com os humildes a Sabedoria (Pr 16, 5). Todo o soberbo de coração é a abominação de Iahweh.


  • Onde esteve a soberba, etc. - Iahweh abomina os soberbos porque os soberbos resistem à majestade Divina; é por isso que Deus também resiste aos soberbos (1Pd 5, 5).

    Porque só os humildes estão submissos à graça Divina, Deus dá então a graça aos humildes.

    Porque os soberbos atacam a majestade de Deus, Deus pune-os ou pelo erro dos seus conselhos ou pela infelicidade nos fins das suas ações, de modo que todos os conselhos deles e os empreendimentos deles sejam convertidos na sua própria ignominia, confusão e ruína; e, pelo contrário, ele orna os humildes com a Luz, o Dom do Espírito da Inteligência, do conselho, da fortaleza, do poder, da cognição que são os dons e as fontes dos felizes sucessos na governação e nas ações humanas.
  • A abominação do Senhor - Deus quer que nós conheçamos e confessemos de boca e de coração que são dos Bens e dos Dons de Deus que nós desfrutamos em toda a vida; e que nós não atribuímos nada à nossa prudência e às nossas forças.

    «Não por nós Senhor, não por nós, mas em teu Nome dá a glória» (Sl 115, 1).

    «Vale mais o paciente que o arrogante» (Ecl 7, 9).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 22 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 21 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
202. → O Temor do Senhor é a Disciplina da Sabedoria; e → a Humildade precede a glória. Pr 15, 33. 202. O Temor de Iahweh é a erudição da Sabedoria; e antes da glória, a humildade.


  • O Temor do Senhor, etc. - Como nos versículos 159 e 210.
  • A Humildade - da Alma.

    A Mansidão é a doçura e a facilidade dos costumes, assim como o orgulho é a morte.

    A Contrição precede o orgulho (Pr 16, 18).

    Como diz a Bem-aventurada Virgem no Cântico: O Senhor dispersou os soberbos pela vontade do seu coração.

    Ele depôs os poderosos do trono e exaltou os humildes (Lc 1; versículos 51 e 52).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 21 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 20 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
201. De que serve → ao louco ter riquezas → se ele não pode comprar a Sabedoria? Pr 17, 16. 201. O que pode ser o objeto precioso na mão do louco para que ele compre a Sabedoria se ele não tem coração.


  • Ao louco, etc. - O Sábio chama louco, nesta passagem, não apenas àquele que é desprovido de qualquer temor de Deus, como no versículo 205, mas também ao soberbo, ao arrogante, àquele que se entrega sem motivo à cólera, ao obstinado cabeçudo na sua quimera, e ao quezilento injusto; qualquer que seja a grandeza das suas riquezas, não passa de um louco quando se orgulha de ser tão rico diante dos seus semelhantes.

    S. Paulo disse-nos (Gl 6, 3): «Se uma pessoa considera que é alguma coisa apesar de não ser nada, ela abusa-se».

    «Aqueles, a quem a vã glória tormenta, são loucos», disse Catão.

    Para além disso, aquele que pensa em fazer o mal é chamado louco (Pr 24, 8).

    De modo que são verdadeiramente loucos diante de Deus, os escarnecedores ímpios no coração dos quais não se encontra nem Deus ele próprio, nem os mistérios da Lei Divina ou do Verbo de Deus (escrito ou incarnado), nem os segredos da Natureza.

    Estes, tão eminentes e nobres quanto pareçam aos olhos do mundo imundo, não se poderão sustentar no dia do julgamento, mas (porque são loucos) serão entregues à ignomínia eterna. Ver o versículo 205.
  • Se ele não pode comprar a Sabedoria - A Sabedoria não se vende ao preço do dinheiro; e também não se transmite hereditariamente às crianças; é importante, com abundantes orações endereçadas com todo o nosso coração a Iahweh, de a pedir e de a obter da Benignidade do Benigno (afim de que ele a envie para nós Benignamente).

    Sumário: É preciso Orar, em Espírito e em Verdade por Ela, e Laborar sabiamente pelos seus Tesouros os quais serão felizmente a consequência.

    Ele deve portanto sabiamente entrar no Oratório e no Laboratório de acordo com as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro. Ver o versículo 87.

    Nota: O louco, nesta passagem, pode ser entendido como sendo aquele que é profanamente douto. E as vantagens da riqueza e do talento sem o temor de Deus, formam um Erudito louco ou um louco erudito, Ein Sprachgelehrter Narr Ein narrischer Sprarchgelehrter. O louco é letrado, não douto.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 20 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 19 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
200. → Melhor é o pobre, mercador na sua simplicidade, → que o rico na sua via depravada. Pr 28, 6. 200. Mais nobre é o pobre que caminha na sua perfeição, que o próprio rico, pelas suas vias perversas.


  • Melhor é o pobre, etc. - O pobre adere só a Deus e à Sabedoria pela fé simples, e caminha sapientissimamente na sua simplicidade porque ele agrada a Deus; ora agradar a Deus é a maior felicidade e a verdadeira riqueza.

    Estar satisfeito com o seu destino, conservar o seu espírito estrangeiro à avareza, ao orgulho, às vãs honras, às voluptuosidades; caminhar na simplicidade e na integridade, é uma grande parte da Sabedoria.
  • Que o rico, etc. - O mundo imundo é avaro dos Liames terrestres que são a fonte de todos os males, os corruptores das almas, os aguilhões da arrogância e a vã glória, os travesseiros das voluptuosidades, e por fim, em vez da recompensa, precipitam na morte eterna todos aqueles que a eles aderem.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 19 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 18 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
* → O coração depravado é abominável ao Senhor; e a sua vontade está naqueles que → caminham simplesmente. Pr 11, 20. * Os perversos de coração são abomináveis a Iahweh e a via do perfeito é o seu benefício.


  • O coração depravado - Quer dizer louco, como nos versículos 51, 201 e 205.
  • Caminham simplesmente - Imaculadamente, inocentemente, na integridade, na probidade e na incorrupção, e não viciosamente; mas que, de acordo com o bom prazer do Senhor e revestidos pela Sabedoria incarnada, imitem o Protótipo à imagem e à semelhança do qual são formados.

    É deles que fala o Salmo 147, 11: «O Benefício do Senhor está naqueles que o temem e naqueles que esperam na sua misericórdia.»

    Em todas as ações, Iahweh inspira a estes o bem querer, conhecer, ser e poder, e que não se extraviem no labirinto da dualidade.

    Caminha portanto simplesmente, tu que Oras e Lab-Oras.


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
199. → Quem tem um coração perverso não encontrará o Bem, e quem desvia a língua cairá no mal. Pr 17, 20. 199. O perverso de coração não encontrará o bem; e quem é desviado na língua cairá no mal.


  • Quem tem um coração perverso - Ao coração perverso está conjunta também a língua perversa, que descobre o tesouro do coração e lança a ela própria uma armadilha de morte.

    Porque a língua do perverso é a preparadora da sua própria ruína, e o ímpio perece assim pela sua língua.

    E é destes eruditos perversos que nasceu o provérbio: die gelehrten die verkerten (o sábio é o perverso), quer dizer que amam perdidamente esta meretriz vã e louca da qual nós falamos mais acima e que, mesmo, a adoram como a um ídolo.

    Aqueles que verdadeiramente são Simples e Retos de coração associarão como Esposa a Sabedoria Divina, Secreta, Assistente do Trono de Deus, verdadeira e fiel Doutrina dos Mistérios de Deus, da Sacro Santa Escritura, da Natureza e de Todas as Artes, e assim eles receberão os Bens e os Dons da Sabedoria Eterna. Ver os versículos 187 e 294.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 18 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 17 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
198. Ele Próprio → jogará com os enganadores e dará → aos mansos a graça. Pr 3, 34. 198. Ele Próprio verdadeiramente insultará os enganadores, e aos humildes dá a graça.


  • Jogará com os enganadores - Certamente ele tornará ele próprio os bufões ridículos pagando-lhes na mesma moeda pela Lei de Talião.

    Eles troçam da Sabedoria; mas Ela troçará deles por seu turno.

    É a Lei muito equitativa desta Sabedoria incarnada: com a mesma medida com a qual vocês tiverem medido assim vocês serão medidos.

    Para com os Santos Iahweh é Santo; e para com a pessoa imaculada ele é inocente; para com o eleito ele é eleito, para com o perverso ele é perverso, como está dito no Salmo 18, 25.
  • Aos mansos - Aos Humildes: ele exalta-os; ele depões os soberbos.

    A Humildade ou mansidão e a abjeção de si próprio no Temor de Deus (aos olhos de Deus) é a invenção, a exaltação e a sublimação gloriosas de si em Deus, com os frutos da Sabedoria.

    Porque Deus exalta o humilde de coração e reduz os soberbos. Ver o versículo 202.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 17 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 16 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
197. → Todo enganador é uma abominação do Senhor, e → com os Simples é → a sua conversação. Pr 3, 32. 197. O perverso é uma abominação de Iahweh; e com os retos está o seu segredo.


  • Todo enganador - O Perverso de coração, e o bilingue, declinando Deus, abandona o Temor de Deus.

    É por isso que eles serão derrubados, porque Iahweh abomina o desertor, quer dizer aquele que, afastando-se da altura das contemplações e das ações Divinas, se rebaixa às inclinações (decliva) deste mundo imundo, tanto quanto o bom Espírito da Sabedoria o tinha elevado.
  • Com os simples - Com os retos, os íntegros, os incontaminados, não tendo nada de simulado nem de dissimulado, com estes, diz o Sábio, Iahweh fala Teo-Soficamente pelo seu Verbo Biblicamente, Divinamente, Macro e Micro-Cosmicamente escrito, e revelado e comunicado Cabalisticamente, Físico-Magicamente e Físico-Quimicamente os seus mistérios e os seus segredos até dentro do Oratório e do Lab-Oratório.

    O Filósofo disse: Se Deus encontra o coração fiel, ele revela-lhe certamente a verdade dos seus segredos.

    Feliz aquele que possui assim Iahweh nos seus conselhos.

    Consulta a quarta figura deste Anfiteatro.
  • A sua conversação - Ó admirável sermocinação do Deus admirável! é a voz de Deus em Todos, por Todos, para Todos, a Todos.

    Deus fala-nos, sempre e em toda a parte: Deus satisfaz-se a falar Biblicamente, Macro e Micro-Cosmicamente; e ele incumbe-nos, a nós que somos formados à imagem e à semelhança de Deus, de ouvir, ver, observar Iahweh, tocando, troando, falando e respondendo (porque ele não fala para o surdo), na Sacro-Santa Escritura, na Natureza e em nós próprios, segundo a ordem anotada na quarta figura deste Anfiteatro. Ver os versículos 35, 37 e 342.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 16 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 15 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
196. → A Benção do Senhor está sobre a cabeça do justo; o rosto dos ímpios esconde a iniquidade: Pr 10, 6. 196. As Bênçãos estão sobre a cabeça do justo; o rosto dos ímpios esconde a iniquidade.


  • A Benção do Senhor, etc. - Antigamente os Reis, os Grandes Sacerdotes e os convivas amáveis eram ungidos com Bálsamo; impunha-se as mãos sobre a sua cabeça para os abençoar; do mesmo modo a Sabedoria Divina unge os seus adoradores com o Bálsamo do Espírito, orna os seus convivas com dons, e impõe as suas mãos salutares sobre a cabeça dos justos.

    Porque, assim como a cabeça é o ornamento e a beleza do ser humano, assim a Divina Sabedoria (que é a coroa muito augusta da cabeça) acrescenta ao ser humano um ornamento com muito mais brilho.

    Apresenta-te tu portanto no trono da Sabedoria, com os joelhos fletidos; pede sem cessar e com constância, na boca e no espírito, a Bênção espiritual; e que a Benção desça sobre a tua cabeça por intermédio do Bálsamo vertido.

    Mas que o rosto dos ímpios, que só proferem a arrogância, o orgulho, o insulto e a imundície, seja coberto com confusão.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 15 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 14 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
195. As pessoas más não pensam no julgamento; aqueles que, pelo contrário, procuram o Senhor, prestarão atenção a todas as coisas. Pr 28, 5. 195. As pessoas más → não compreendem o julgamento → aqueles que, pelo contrário, procuram Iahweh, compreendem todas as coisas.


  • Não compreendem o julgamento - Muitas coisas advêm na vida comum, que são os julgamentos do Senhor; mas os ímpios não os compreendem; eles crêem que são o objeto do caso e não reconhecem a Prudência admirável de Deus.

    Porque aqueles que possuem o Espírito da Sabedoria Divina são capaz de julgar o que conduz à salvação ou à perda das pessoas; e mais, eles julgam em todas as ações das pessoas, qual é a conclusão e o fim à qual elas tendem.

    Os numerosos julgamentos de Deus são um abismo.
  • Aqueles que procuram Iahweh - Grandes (oh! dor!) são as trevas da razão humana que, sem as Revelações Divinas, não pode perceber a razão, a causa e o fim de nenhuma obra de Deus.

    Por qual meio, e por qual via, é necessário chegar às revelações deste tipo, o nosso Sábio ensina-nos de forma excelente neste axioma precioso: Aqueles que procuram o Senhor compreendem Todas as Coisas.

    O exemplo é dado pelo Patriarca José, o Profeta Daniel e muitos outros.

    O exemplo de Jó é memorável (Jó 32, 7 e 8): Eu esperava que a idade avançada falaria, e que a multidão dos anos ensinaria a Sabedoria. Mas, como vejo, o Espírito está nos seres humanos e a inspiração do Omnipotente dá a Inteligência.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 14 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 13 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
194. Quem é Bom → receberá a graça do Senhor; aquele que, pelo contrário, se confia às suas cogitações é insipiente. Pr 12, 2. 194. O Bom receberá o benefício de Iahweh e Deus condenará o ser humano devido às más cogitações.


  • Receberá a graça, etc. - Visto que a graça de Deus torna os seres humanos bons, assim ela favorece aqueles que são os domicílios divinos da piedade e do temor, e orna-os com numerosos Dons da graça.

    Existem diversos graus de Dons.

    Assim como os raios solares iluminam obscuramente um vidro escuro, mas eles o trespassariam mais se ele fosse ligeiramente mais claro, e o iluminariam por fim com a maior clareza se ele fosse claríssimo e transparente; do mesmo modo, se a alma humana for purgada ligeiramente, ela é iluminada realmente pelo raio da Sabedoria eterna, mas muito obscuramente; se ela for um pouco mais purgada dos vícios, ela é mais claramente iluminada; e por último, se ela for absolutamente purgada, rejeitando absolutamente todas as coisas, ela é muito claramente iluminada pela visão íntima de Deus, como atesta o Salvador (Mt 5, 8): «Bem-aventurados aqueles que têm o coração puro, porque eles próprios verão Deus». E S. Paulo (Hb 12, 14): «Amem a Santidade, sem a qual ninguém verá Deus».

    Qual é então esta visão?

    É a cognição dos mistérios Divinos, a que o Salmista chama a Sabedoria oculta de Deus (Sl 51, 8).

    Nenhuma pessoa com más cogitações a receberá de Deus; mas ficará cheio de trevas interiores e exteriores; o que será a sua verdadeira condenação.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau » 13 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Quinto grau


V. GRAU PROLOGÉTICO

Quinta Exposição



[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quinto grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 12 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
193. Deixem (portanto) a infância e viviam; e caminhem → pelas vias da Prudência.
(Que eu vos mostrei fielmente e que eu vos confio paternalmente.)
Pr 9, 6. 193. Deixam, simples, a vossa via, e que vocês vivam; e avancem pela via da Inteligência.


  • Pelas vias da Prudência - As vias da Prudência e da Inteligência, quer dizer os graus da Cognição e da Escada da União com Deus pela qual, a Sabedoria de Iahweh (cujas delícias são estar com os filhos dos seres humanos) desce pela clemência da sua vontade, e nós, pelo contrário ascendemos, penitentemente revestidos como que por um vestuário, o Denário, (Assinatura de perfeição) da Regeneração, nos aproximamos, pela intervenção do Espírito Santo, nos conjugamos, e nos unimos, de e com Deus, e desfrutamos de Iahweh na eternidade; estas vias, digo eu, vê-as tu na figura segunda deste Anfiteatro.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 12 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 11 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
192. → Venham, comam o meu pão e bebam o Vinho que eu misturei para vocês. Pr 9, 5. 192. Venham, comam o meu pão e bebam do vinho que eu misturei.


  • Venham, etc. - Assim a Sabedoria incarnada disse:

    «Venham a mim, vocês todos que trabalham e eu vos reconfortarei» (Mt 11, 28).

    «Se alguém tem sede, que venha a mim e que beba» (Jo 7, 37).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 11 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 10 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
191. Se alguém é → criança, que venha até Mim; e aos incipientes ela disse: Pr 9, 4. 191. Quem é simples decline aqui. Aos com falta de coração ela disse também:


  • Criança - Simples, como no versículo 3.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 10 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 9 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
190. → Ela enviou as suas Servas, → afim de que elas chamem à Cidadela e às muralhas da cidade. Pr 9, 3. 190. Ela enviou as suas jovens filhas, e chamou nos cumes dos lugares mais elevados da cidade, dizendo:


  • Ela enviou as suas Servas - As servas da Sabedoria verdadeira são todas as Artes e Ciências excelentes, conhecidas pelo exercício, provadas pela experiência, e tendendo honestamente para o fim útil da vida humana.

    Porque a Antiguidade sábia acreditou com razão que a honra e a reputação eram dispensadas, por Deus e pela sua Sabedoria, nas Artes excelentes; porque é por elas que eles nos expõem os seus mistérios, os seus segredos e os seus arcanos. Versículos 74 e 261.

    É preciso contar entre as servas da Sabedoria verdadeira algumas que são muito usuais de um grande número e bem conhecidas e vulgares; e outras até aqui mantidas mais secretas, que são como virgens cubiculares (embora frequentemente, ó dor! no homem imagem de Deus, elas estejam, pelo pecado da origem, pelo diabo e pelos seus órgãos, cobertas com a lama impura da sofística e completamente sujas) e que são: a Cabala (não aquela que é literal, vulgarmente empregue pelos Judeus, quer dizer: Notarikon, Guemátria, Tevos rasche, versículo 5, que é inferior; mas aquela que está escondida e é muito superior, conhecida apenas pelos Teo-Sofos, pela Influência, a Luz e o Movimento Divinos) a Magia e as suas irmãs: a Fisiognomia, a Metoposcopia, a Quiromancia e a Doutrina de cada Assinatura das Coisas Naturais; a Alquimia, a Astrologia também, com a sua filha, a Geomancia e algumas Outras servas que, maravilhosamente e quase miraculosamente, conversam e cuidam da sua Soberana mirífica.

    Teme contudo, eu peço-te, ó meu irmão, de procurar nas Ciências e Artes não imundas em si próprias, as mentiras do príncipe deste mundo imundo, os vícios e os erros das pseudo artes, às quais, por ordem e vontade da Sabedoria verdadeira (por uma pena justa e digna) se prostituem de boa vontade os pesquisadores mundanos da Verdade, não ainda Teo-Soficamente lavados e purgados, quer dizer orgulhosos, em vez de atingirem a própria Verdade.

    Porque assim, a virtude, tanto quanto o vício, produz frequentemente crimes.

    As coisas sagradas, para dizer a verdade, são profanadas porque elas são profanamente usurpadas pelos profanos.

    Porque, o bem convertido em abuso torna-se no mal.

    «Tudo é puro para aqueles que são puros» (Tt 1, 15; Rm 14, 20).

    «E nós sabemos que para aqueles que amam Deus, tudo coopera para o bem» (Rm 8, 28; e versículo 261).

    Todas as coisas são bens ou males segundo os usos diversos que se fazem delas.

    Que me seja portanto nomeada, eu peço-te, uma coisa qualquer, quer seja ciência, quer seja arte, que, em toda a universalidade das coisas não tenha tanto o seu abuso como o seu uso legítimo e honesto.

    E por qual privilégio, eu vos solicito, seriam isentas as ciências acima citadas?

    Que a Justiça seja portanto feita; que seja devolvido a cada um aquilo que lhe é devido sem que nunca lhe seja feita injustiça.

    Que Deus reforme o ser humano sujo pelo pecado.

    As Artes e as Ciências mais secretas, e que foram corrompidas, devem também ser reformadas; Elas Próprias devem ser consideradas como Mediadoras Teosóficas, fazendo-se sabiamente uso delas, no temor de Deus, e rejeitando os sofísticos e os ímpios.

    Diz-se em provérbio: É preciso limpar a criança suja, mas ter o cuidado de não entornar depois o banho sujo: Man musz das besudelte kindt waschen und nicht mit dem unreinein bade hinwegschütten.

    E tu, caluniador, apesar de tu não compreenderes isto, deixa aquilo que tu não podes conhecer.

    Eu sei que se pode proferir um grande número de objeções, tiradas das santas escrituras, do direito canónico ou civil, dos Pais, etc.; mas pela distinção entre o uso verdadeiro e legítimo e o abuso, nós responderemos suficientemente a todas as objeções de todos os faladores.

    É um pecado que é preciso perdoar aos miseráveis ignorantes, enquanto se deseja a sua resipiscência. Ver os versículos 157, 187 e 294.
  • Afim de que elas chamem, etc. - Para as conduzir; afim de que os fieis amados e os amadores da Teo-Sofia cheguem, no meio delas, até à Agnição, à Cognição, à União e à Fruição da sua Soberana Divina, e que eles sejam feitos participantes dos tesouros inesgotáveis da Sabedoria, no templo da sua casa tri-una (Bíblica, Macro e Micro-cósmica) e que aí fiquem muito valentemente afastados e escondidos, atrás das muralhas, da ignorância e das superficialidades, extremamente elevadas devido aos pecados dos seres humanos.

    Os Sábios afirmam que nunca o Sábio se elevará nas obras da Merkabah ou do Bereshit, a menos que ele tenha Deus a falar com ele, respondendo-lhe ou ensinando-o por intermédio de um certo segredo, pela intervenção do qual ele compreenderá humanamente o Método Teo-Sófico e Divino.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 9 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 8 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
189. → Ela imolou as suas vítimas, misturou o Vinho e pôs a mesa. Pr 9, 2. 189. Ela imolou as suas vítimas, misturou o seu vinho, e assim preparou a sua mesa.


  • Ela imolou as suas vítimas - Quer dizer, com o seu próprio movimento e pelo favor da sua perfeita Liberalidade, ela apresenta-se e oferece-se a todos os convidados; ela pode e quer e congratula-se de os cumular com clemência com os seus Bens e os seus Dons inesgotáveis, tanto espirituais como corporais, temporais e eternos; de modo que, cheios de néctar Divino, e saturados com o maná da Sofia Celeste, os verdadeiros amadores da Teosofia, todos os seus fiéis amados, sejam feitos participantes dos tesouros inesgotáveis da Sabedoria, ao número dos quais (glória a Deus), eu sei o que eu devo verdadeiramente ser.

    Aleluia! Aleluia! Aleluia! Fi ao Diabo.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 8 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 7 de Julho


Eis seguidamente quanto Deus dá:

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
188. A Sabedoria edificou para si → uma casa; ela talhou → sete colunas, Pr 9, 1. 188. A Sabedoria edificou a sua casa; ela talhou as suas sete colunas;


  • Uma casa - O que é ela? Tri-Una, a saber:

    Primeiramente; a Natureza e a Criatura, quer dizer todo o Mundo maior, com as criaturas Espirituais; e o corpo e o Espírito do Ser Humano, quer dizer o Mundo menor.

    Segundo, o Espírito ou a Alma do ser humano Divinamente inspirado.

    Terceiro, a Sacro Santa Escritura, que é o Verbo de Deus Biblicamente escrito.
  • Sete colunas - Sobre as quais a Sabedoria fundou e construiu a sua casa tri-una, e que são:

    Três Colunas no Macro-Cosmo: o Corpo, o Espírito e a Alma.

    Três Colunas no Micro-Cosmo: o Corpo, o Espírito e a Alma.

    São Seis colunas.

    As Escrituras, pelas quais o Verbo está escrito na Bíblia, é uma coluna, que é a sétima.

    E este é o Setenário sagrado.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 7 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 6 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
187. → Ele próprio deu-me → estas coisas que são → a Ciência verdadeira. Sb 7, 17. 187. Deus deu-me a verdadeira cognição das coisas que estão na Natureza.


  • Ele próprio deu-me - Quem? Deus; não o diabo, não o espírito maligno, familiar, nigromântico.

    «Toda a graça excelente, e todo o dom perfeito, vem do alto e desce do Pai das luzes» (Tg 1, 17), e não do príncipe das trevas.

    Este enganador obscurece o espírito e não o ilumina; ele cega-o e não lhe deixa ver a Verdade; porque ele é o pai da mentira e o espírito da divisão e não da União. Ver os versículos 167 e 185.
  • Estas coisas que são - Que existem, que são e subsistem realmente, quer dizer das coisas Divinas e Humanas: da Obra de Merkabah e Bereishit, ou Mekubalim como lhe chamam os Hebreus, quer dizer que receberam de Deus.
  • A Ciência verdadeira - Não a opinião, mas a Ciência, em todos os pontos afastada da mentira e do erro.

    Porque ela trata de todas as coisas (como declaram os homens doutos) que estão estabelecidas sob o Céu e não humanamente (versículo 142) enquanto que aquilo a que nós chamamos realmente ciência é apenas uma opinião.

    É por isso que devemos procurar só junto de Deus (pela Lei e pela Doutrina deste Anfiteatro) e só dele ela deve ser esperada.

    Muitos opinam, mas poucos sabem. Aquele que opina não sabe.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 6 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 5 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
186. → Porque na sua mão, nós e os nossos discursos, e → toda a Sabedoria e as Ciências das obras, e a Disciplina. Sb 7, 16. 186. Porque nós estamos na Sua mão, assim como os nossos discursos, com toda a prudência e a ciência das obras.


  • Porque na sua mão, etc. - É por isso que, verdadeiramente, nas aflições e tribulações que nós temos de sofrer, é preciso pedir pacientemente e sabiamente, o conselho certo de Deus, para que desça em nós.

    De onde S. Paulo (1Cor 11, 32), disse: «Quando nós somos julgados, nós somos castigados pela Senhor (não por acaso, nem temerariamente), afim de que nós não sejamos condenados neste mundo».

    E Cristo (Mt 10, 29; Lc 12, 6), ensina que nenhum pardal cai sem a vontade do Pai: e ainda muito menos os seres humanos que são formados à imagem e semelhança de Deus (o Protótipo).

    É uma grande consolação para o Cristão aflito, tentado e provado. Ver o versículo 84.
  • Toda a Sabedoria e as Obras, etc. - Toda a Prudência; teoria e prática; todas as nossas ações e os nossos labores, no Oratório e no Laboratório e mesmo em toda a nossa vida, empreendidos teosoficamente com vista à Sabedoria verdadeira e aos frutos que daí se devem recolher; e por conseguinte a Pedra dos Filósofos, o mais elevado Bem da Arte e da Natureza, é Dom de Deus Altíssimo.

    É por isso que, tu que procuras operar a conjunção do Sol com a Lua, sabe que é necessário para esta ciência que as almas sejam purificadas por Deus, visto que ela é o Dom e o segredo dos segredos de Deus e a irmã da Filosofia e dos Filósofos, porque ela tira a sua existência de Deus por inspiração.

    Aqui e assim, aprende, Alquimista, a procurar a Pedra Bendita e Católica dos Sábios; Catolicamente, Teo-Soficamente; não particularmente, Sofisticamente: no Catolicismo e não no particularismo que é um solecismo.

    Faz o mesmo julgamento sobre a verdadeira Cabala e a Magia.

    «Toda a graça excelente, e todo o dom perfeito, vem do alto e desce do Pai das luzes» (Tg 1, 17).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 5 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 4 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
185. → Deus concedeu-me → de dizer à minha vontade, e → de presumir coisas dignas daquilo que me foi dado, porque → a sua Ipseidade é a guia da Sabedoria, e a corretora dos Sábios. Sb 7, 15. 185. Deus concedeu-me falar à minha vontade e pensar segundo a dignidade das coisas que me foram dadas; porque a sua Ipseidade é a guia da Sabedoria e a moderadora dos Sábios.


  • Deus concedeu-me - e não o Diabo.

    É um Dom de Deus, versículo 187.

    Deus dá igualmente hoje como deu há mil anos, a mim, a ti, aos outros; desde que nós estejamos atentos, que nós não o impeçamos por nós próprios e que nós não faltemos a nós próprios.

    Deus está sempre mais pronto a dar a Sabedoria do que nós a recebê-la.
  • De dizer à minha vontade - Quer dizer segundo a conveniência e a faculdade da oração pela qual, aquilo que é concebido e pensado pela alma, se exprime facilmente.

    Esta força da Oração é chamada Fecunda ou Eloquência.
  • De presumir - De pensar dignamente sobre tudo aquilo que é dado por Deus.

    Porque é um Dom singular de Deus, entender, ver e observar aquilo que Deus sugere sabiamente ao amador da Sabedoria e responde ao seu fiel e estudioso amado.

    Deus fala a muitos que contudo não compreendem e não observam quando ele lhes fala ou lhes responde; e mesmo (oh! desgraça!) depois de terem sido retomados dos preceitos perversos, eles são seduzidos pela malícia ela própria, e negligenciam, e desprezam observar e compreender Teo-Soficamente.

    Deus, em todos os locais e em todos os tempos nos arenga, no Céu, no Ar, na Terra; e mesmo em nós próprios ele colocou como um sinal preciso para nos fazer recordar.

    E muito poucos (o que é deplorável) entendem a voz de Deus falando Catolicamente.

    A multidão não podia entender os discursos de Deus; é por isso que eles clamavam a Moisés (Ex 20, 19): «Fala-nos tu próprio afim de que nós entendamos; mas que o Senhor não nos fale, porque talvez nós morrêssemos.»

    Vê-se portanto aqui que todas as coisas estão cheias de loucos. Ver os versículos 35, 37, 190 e 197.

    Seguidamente: Não é apenas necessário pensar, mas é necessário também falar; porque há alguns que sentem corretamente, mas contudo não sabem habilmente nem distintamente expor aquilo que sentiram.

    É por isso que nós vemos aqueles que, por eles próprios são bons, perderem todas as ocasiões de fazer o bem quando não sabem abordar o assunto.
  • A sua Ipseidade é a guia da Sabedoria - O Senhor, Ele, a Ipseidade, HV (versículo 156) que concede aos seres humanos a Sabedoria, a Eloquência, a moderação do discurso é o diretor, o governador dos Sábios, o princípio e o fim (prora et puppis).

    Porque ele subjuga incessantemente todas as coisas, pelo que nós próprios estamos na sua mão, quer nós quer os nossos discursos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 4 de Julho

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 3 de Julho


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
184. → Não sejas sábio segundo tu próprio; → Teme a Deus e afasta-te do mal. Pr 3, 7. 184. Não sejas sábio aos teus olhos; teme a Iahweh e afasta-te do mal.


  • Não sejas Sábio - Como têm o costume de fazer os sábios mundanos académicos, que incham devido à ciência.

    Eles estão mergulhados completamente nas quimeras e nas mentiras: Sie stecken voller dunste und kunste.
  • Teme a Deus - Todo o ser humano se resume a isto (Ecl 12, 13).

    É verdadeiramente a religião católica ou universal (Sb 1, 1; Ac 10, 35). Ver os versículos 299, 301 e 342.

    É aqui que é necessário fazer cristãmente Penitência.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Quarto grau » 3 de Julho