Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 31 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
151. → As montanhas ainda não tinham sido constituídas em massas gravitando, e antes das colinas, → Eu era engendrada. Pr 8, 25. 151. Antes que as montanhas fossem fundadas; antes das colinas, eu fui formada.


  • As montanhas ainda não tinham sido, etc. - Palavra a palavra, eram imergidas pelas Águas, e eu era colocada na Terra.
  • Eu era engendrada - De modo que, concebida pela concepção Divina, e criada ou produzida (o que é incompreensível para nós, e por conseguinte inenarrável) eu fui Divinamente engendrada.

    Ensoph, Infinito, é abismo, noite para aquele que é curioso como um insensato, mas Luz, Sol para o fiel, que crê sabiamente na verdade simples da Sacro Santa Escrita.

    Os tecnógrafos e os mestres crêem em tudo o que é hábil na sua arte; os Pitagóricos descansaram sobre o seu autos epha, ele disse; os Meckablim, quer dizer os Cabalistas, no seu emoru Hachamim; assim disseram os Sábios.

    Segue portanto, tu que te dizes cristão, o costume de crer adotado pelos cristãos.

    A quem? Àquele em quem tu crês. Concebido e engendrado por Deus, não tem ele o direito de ser e de passar por Filho de Deus? Porque não?

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 31 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
150. Os Abismos ainda não existiam, e → Eu já tinha sido concebida, e as fontes das Águas ainda não tinham irrompido. Pr 8, 24. 150. Quando os abismos ainda não existiam, eu fui formada, quando não existiam ainda as fontes abundantes em Águas.


  • Eu já tinha sido concebida - Por quem? Pelo Deus único. Porque tudo o que está fora de Deus é o Nada.

    E onde? Dentro do útero ou o seio imperscrutável da Divindade. Ver Sl 110, 3 (Vulgata Sl 109).

    Eu engendrei-te antes de Lúcifer. Terra, guarda-te de quereres conhecer aquilo que é demasiado elevado; mas mantém-te no teu nível para que a Majestade Divina não castigue o curioso.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 30 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
149. Eu recebi a ordenação → desde a eternidade, e desde o tempo mais recuado, antes da Terra existir. Pr 8, 23. 149. Desde os séculos → eu fui principiada, no início, antes da Terra.


  • Desde a eternidade - Retira-te Satanás, tu que negas maliciosamente a eternidade da Sabedoria de Deus. Iahweh avisa-te.
  • Eu fui principiada - Eu tive um poder igual ao poder de Deus, antes que o mundo fosse criado.

    Porque a palavra Nasac (que se lê aqui) significa em Hebreu, dominar. Ver Sb 2, 18 e seguintes.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 29 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 28 de Maio


Agora

fala assim de si própria

A SABEDORIA


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
148. → O Senhor possuiu-me → no início das suas vias; antes de ele ter criado alguma coisa no princípio. Pr 8, 22. 148. Iahweh possuiu-me no princípio da sua via, de todo o tempo, antes das suas obras.


  • O Senhor possui-me - Quer dizer, adquiriu-me ou engendrou-me.

    A palavra Canah que significa adquirir, é empregue para possuir ou engendrar, (Gn 4, 1): Eu possui o ser humano por Iahweh.

    É por erro que alguns lêem: criou-me.
  • No início das suas vias - As vias eternas do Eterno (quer dizer, o próprio Ser do Senhor) existem desde toda a eternidade; portanto a sua Sabedoria é eterna.

    O início é a própria eternidade.

    Mostra-me (caluniador), o início das vias de Deus, e eu mostrar-te-ei o início da sua Sabedoria.

    A Sabedoria (assim como é evidente por todo o contexto) não é portanto uma criatura, mas a criadora de todas as criaturas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 28 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 27 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
147. → Eu aprendi-a sem ficção, → e comunico-a sem inveja; e eu não escondo a sua honestidade. Sb 7, 13. 147. Eu apercebi-me dela sem fraude, comunico-a sem inveja, e não escondo as suas riquezas.


  • Eu aprendi-a sem ficção - Sem frustração ou sem mal; porque nunca a Sabedoria foi frustrada na opinião que ele tinha da Sabedoria, porque ele é perito na verdadeira Doutrina, útil e frutuosa.
  • E comunico-a sem inveja - Ver o versículo 207.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 27 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 26 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
146. → Eu amei-a, (esta Sabedoria) e eu procurei-a desde a minha juventude → e eu procurei → assegurar-me de que ela fosse minha Esposa, e → eu tornei-me amador das suas formas. Sb 8, 2. 146. Eu amei-a e procurei-a desde a minha juventude, eu dediquei-me a associá-la a mim como esposa, e fui tomado de amor pela sua beleza.


  • Eu amei-a - Porque não? Visto que o Senhor Ele Próprio (como se segue) a amou igualmente.

    Ama-a também tu, meu irmão, eu aconselho-te; não a Negromância, ou a Cacomagia, ou a Sofistica (versículo 118) verdadeira filha do diabo; ama a Sabedoria (por ordem do Sábio (versículo 106), e o convite da própria Sabedoria) como eu a amo.

    E afim de que Ela Também me ame por seu turno, e que eu nunca me afaste do seu Amor, digna-te Iahweh acordar-mo benignamente. Amém.

    Ó Arte Admirável do Amor Divino, desconhecido do Mundo imundo! Feliz quem prova da taça dos amadores da Sabedoria; infinitamente feliz quem aí se embriaga.
  • E eu procurei - Desde manhã cedo, no Verão; desde a minha primeira infância, desde a minha adolescência na qual se acendeu na minha alma o amor da Sabedoria e do seu estudo.

    Mas como? Teosoficamente, segundo as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro.

    Segue portanto o fiel conselho do amador da Teosofia: orando devotamente no Jejum, meditando, praticando os solilóquios, escuta, vê, observa: e além disso Laborando Sabiamente, confia-te às promessas da Sabedoria.

    Deus nunca abandona aquele que tem confiança.

    E aqueles que procuram assim o Senhor consideram (compreendem) Todas As Coisas (Pr 28, 5). Ver os versículos 9, 96 e 170.
  • Assegurar-me que ela fosse minha Esposa - Como entre o esposo e a esposa se estabelece a conjunção mais estreitamente perfeita, que seja assim (eu desejo) na eternidade (que Deus me conceda) entre mim e a Sabedoria eterna, que é a minha columbina, bela e esplêndida (pulchra mea, formosa mea).

    Começa, eu te conjuro, tu mística concubina Abisag, a Sunamita, a te deitares no meu seio; aquece a minha alma com o teu santo fervor, e os meus membros que têm frio com os teus abraços, minha querida alma! meu coração!
  • Eu tornei-me amador das suas formas - Eu amei as suas formas porque a minha amiga é muito bela. Ver o versículo 320.

    E se ela fosse vista (escreve extremamente bem ao falar da Sabedoria o pagão Cícero, após Platão Divinamente inspirado) com os olhos carnais, ela excitaria em todos admiráveis amores.

    Ela excitou sublimes e numerosos amores em Salomão (que a apreendeu com os olhos da alma, assim como nos convém a nós, amadores da Teosofia) como as passagens presentes mostram suficientemente.

    A Sabedoria Divina resume as formas de todas as coisas eminentes pela sua beleza.

    Quem, por conseguinte eu pergunto, pode suficientemente pensar na beleza de Deus o Pai?

    Quem, entre os filhos dos seres humanos, pode admirar suficientemente este ser esplêndido pela sua forma?

    Quem poderá amar suficientemente esta chama fecunda do Espírito Santo, que vivifica todas as coisas?

    A Beleza da Sabedoria é, nos Anjos, esplendor; nos Astros, brilho; nos Céus, candura; no Ar, luz; na Terra, verdura; na Água, limpidez; nas Flores, cor; nos Animais, proporção; no Ser Humano, beleza e figura; na Alma, razão; nos Fieis, Fé.

    Quem portanto não a elegeria para esposa, excluído a mais louca das pessoas?

    Quem não desejaria a sua beleza?

    Para qualquer lado que tu te voltes, ela oferece o seu rosto à tua contemplação, quer nas coisas celestes, quer nas coisas terrestres.

    E verdadeiramente, contemplar esta forma e esta beleza interna das coisas, é atingir por fim o leito da Sabedoria, é o beijo íntimo desta Esposa.

    Descobre-te portanto a mim, ó minha irmã, minha muito bela; mostra-me a tua face verdadeira, não apenas a forma externa e a beleza das coisas, mas interna e íntima; porque tu só me amas se me abrires o teu coração.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 26 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 25 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
145. Porque → os dignos dela, → Ela própria gira, procurando-os, e → nas suas vias mostra-se a eles com hilaridade, e em todas as coisas a Providência se oferece a eles. Sb 6, 17. 145. Porque os dignos dela, ela própria os procura girando, e nas vias, mostra-se benevolentemente a eles próprios, e → em toda a cogitação que se oferece a eles.


  • Os dignos dela, etc. - Aqueles que verdadeiramente, quer dizer de todo o seu coração (versículo 251), de toda a sua alma, de todo o seu espírito, de todas as sua forças, Biblicamente, Macro e Micro-Cosmicamente, a amam, a procuram, a ouvem, a vêem, a observam de dia como de noite, digo eu, na Lei de Deus, meditando nela Teosoficamente; porque geralmente (porque se riem da simplicidade do justo, Jó 12, 4) ela é considerada louca aos olhos do mundo imundo.

    Maldição portanto para o Mundo que, desprezando maliciosamente a Sabedoria verdadeira, será desprezado por Ela por seu turno, dado que, para além disso, a danação deles será eterna. Ver o versículo 198.

    Quem perseverar até ao fim será coroado.

    Porque, por meditação assídua, o nosso Espírito exerce-se, estabiliza-se, e fixa-se nas noções superiores: porque este não é (acredita-me) labor para um só dia.

    Importa que nós operemos insensivelmente uma migração das noções más para as Boas, das corporais para as espirituais, das sensíveis para as mentais, das terrestres para as Divinas, se quisermos ser capazes das coisas Boas, Espirituais e Divinas. São os graus das ascensões. Ver o versículo 218.
  • Ela própria gira, etc. - Quer dizer: ela procura por todos os lados, por toda a terra, em todo o tempo e por toda a parte, até que ela tenha encontrado aquele que tem verdadeiramente a Sabedoria verdadeira no coração, afim de que a sua solicitude e a sua benevolência para com os seus amadores fiéis e amados se mostre e se declare efetivamente, quer dizer comunicando-lhe os seus tesouros infinitos. Ver os versículos 142, 144 e 160.

    Se tu procuras a Sabedoria, pelo seu lado, ela te procurará, e te atrairá, magneticamente para ela; encontra-a e ela te encontrará.

    Wie man sich gegen sie erzeigt und verhelt also sie auch hinwiderumb; da mesma forma que o ser humano se tiver comportado para com ela, e tiver procurado obtê-la, assim ela se comportará para com ele.
  • Nas suas vias - Quais são as suas vias? Não são outras que as vias da Sacro Santa Escrita, da Natureza, e da nossa Alma cristãmente purgada pela penitência. Ver o versículo 61.

    Ao caminharmos nós próprios Sabiamente, digo eu, nessas vias da Sabedoria, se nós Orarmos Teo-Soficamente, se nós Laborarmos Sabiamente, a Sabedoria Divina se mostrará a nós admiravelmente e mirificamente. Ver o versículo 48.
  • Em toda a cogitação - Benignamente concebida, compreendida e informada pela opinião deles, pelo julgamento deles, e pelo espírito deles.

    Porque phantadzesthai (que lemos neste lugar) significa imaginar e informar qualquer coisa pela cogitação e pelo espírito.

    Assim, a Sabedoria diz que ela se apresenta a si própria aos espíritos deles, e às cogitações deles, afim de se mostrar e de se comunicar amigavelmente com eles.

    O homem vê Deus, ao qual Deus aparece, ao qual ele se mostra afim de ser visto, ou ao qual a Sabedoria de Deus se representa a si própria, o que em geral não se produz vulgarmente mas na Sacro Santa Escrita, na Natureza, e no espelho da Alma Teosoficamente lavada e mundificada. Ver o versículo 336.

    Não se saberia considerar bastante esta Potência, realmente notável, que floresce no ser humano, que se distingue pela razão, e domina (pela vontade, e pela permissão de Deus) assim as Criaturas, de modo que não somente aquele que tem necessidade dela desfrute nas coisas presentes, mas ainda aquele que penetra nas coisas afastadas e nos arcanos se serve e desfruta (conduzido por Deus) do Génio e do talento.

    E é realmente digno de destaque quantos não especializados e eruditos aparecem neste mundo! Quanto pouco desta Razão e de ó lógos contem este verme mortal! ao qual foi dada a conhecer toda a eternidade, a extensão, a altura e a profundidade de toda a máquina do Mundo, porque só ele, entre todos os seres criados conhecidos, pode observar o Criador, entender e compreender este princípio florescente da alma, elevado, metafísico e racional.

    Que ele a apreenda portanto pela sua razão, que ele a cultive pelo seu espírito, e que ele a deseje com todo o vigor dos seus sentidos; que tudo o que existe seja dela; e por fim tendo sabiamente abandonado a Filosofia humana, que ele se esforce por se assemelhar a ela.

    Porque todas as coisas que ele realizar serão excelentes. Que Deus a dê a todos aqueles que se declaram amantes da Sabedoria, Amém.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 25 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 24 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
144. → (Ela) preocupa aqueles que a desejam, afim de que ela se mostre primeiro a eles. Sb 6, 14. 144. Avisando, aos seus consagrados, ela oferece-se a conhecer.


  • Ela preocupa, etc. - Ela previne aqueles que a desejam afim de que eles a conheçam previamente; de tal forma que ela se dá a conhecer a eles em primeiro lugar, e oferece-se de sua própria iniciativa; também, faz as delícias dela estar com os filhos dos homens. Do mesmo modo, nos versículos 145 e 157.

    Porque ela é phthanein, precedente, (termo do qual se serve aqui o Sábio) para ocupar os primeiros lugares, em qualquer coisa que seja, como num amor mútuo ou na obtenção de benefícios; também no estudo da Sabedoria; a Sabedoria ela própria se oferece a conhecer a eles em primeiro lugar.

    Então a quem? Àqueles que a desejam, que a amam (versículo 18), que a escolhem, que a invocam (versículos 142 e 223).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 24 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 23 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
143. → Ela glorifica a sua generosidade, tendo intimidade com Deus, e → o Senhor de todas as coisas ama-a. Sb 8, 3. 143. Ela ilustra a sua nobreza, porque ela vive unida com Deus, e o Senhor de todas as coisas ama-a.


  • Ela glorifica a sua generosidade - Ela ilustra magnificamente a sua generosidade, tendo, Eterna, uma Eterna familiaridade com o Deus Eterno.

    Sendo de nascimento divino, porque não viveria ela familiarmente com Deus?

    E por conseguinte (guardada a devida proporção) também porque não aqueles aos quais ela permite uma familiaridade consigo?

    Eu subo, diz esta Sabedoria incarnada, ao meu Pai e ao nosso Pai, ao meu Deus e ao vosso Deus (Jo 20, 17), afim de que lá onde eu estou vocês também estejam (Jo 14, 3).

    Quer dizer, que eles sejam feitos Amigos de Deus, e constituídos Profetas aos quais Deus (como de amigo para amigo) revela mediatamente ou imediatamente os seus arcanos, e inspira, e comunica os Bens e os Dons dos tesouros inúmeros e inesgotáveis da Sabedoria.

    Tu portanto, ó ser humano, feito à imagem e à semelhança de Deus, imita o Criador e ama também a sua Sabedoria, afim de que (também Teosoficamente reformado) tu vivas, conforme neste ponto ao Arquétipo na vida eterna.
  • O Senhor de todas as coisas ama-a - Como diz a Sabedoria Incarnada (Jo 17, 24): O meu Pai amou-me antes da constituição do mundo, e (Jo 17, 26), afim de que a dileção com que o meu Pai me ama esteja com eles, e eu neles.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 23 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 22 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
142. (Porque) → ela é bela, e → a Sabedoria nunca murcha. Sb 6, 13. 142. Ela é muito bela, e a Sabedoria nunca murcha.


  • Ela é bela - Ela é verdadeiramente extremamente bela; porque ela é a Emanação sincera da claridade de Deus omnipotente, e a candura da luz eterna, iluminando o Mundo Inteligível, Maior e Menor, e o Sol que brilha sobre Todas as Coisas. Ver os versículos 78 e 137.
  • A Sabedoria nunca murcha - Devido a ela ser eterna.

    Único, o Eterno não cai sob a corrupção na eternidade.

    Observação: Aquilo que nunca murcha é eterno: ora a Sabedoria possui esta qualidade, portanto ela é Eterna, e por conseguinte está em Deus. Ver o versículo 156.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 22 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 21 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
141. → Ela atinge portanto fortemente de um fim a um outro fim, e → dispõe todas as coisas suavemente. Sb 8, 1. 141. Ela estende-se assim fortemente de um extremo a outro extremo, e ela modela todas as coisas utilmente.


  • Ela atinge o fim, etc. - Este Espírito de Sabedoria, pelo qual a máquina do mundo inteiro é governado, e que contem o Céu, e ocupa, penetra, enche todas as coisas.

    E convém-lhe ser único e simples, apesar de ele ser dotado de inúmeras, incompreensíveis, inefáveis propriedades, dons, ideias, ciências, virtudes, razões originais das coisas; e de virtudes espirituais e poderosas, tão mirificamente distintas, que o Espírito humano não pode suficientemente admirar e conhecer a sua variedade.

    Estes Espíritos são os autores e as origens das gerações e das corrupções, das virtudes específicas, de todas as coisas, e é deles que depende a cognição da Natureza.

    E assim este Espírito de Sabedoria é e pode Todas as Coisas em Todos e em Todas as Coisas.
  • Dispõe todas as coisas - Porque ele é o Movimento perpétuo católico.

    Eu digo pouco, e deixo (certamente) de boa vontade muito para a meditação do Sábio.

    Pede, afim de que Iahweh esteja contigo com os seus conselhos, e então tu compreenderás finalmente.

    Eu quero que tu sejas filho da Sabedoria, quer dizer atento, dirigido pelo impulso do raio do Sol da Divina ilustração, suave e humilde de coração, mas não arrogante e meio-sábio, devido a demasiada precipitação, quer dizer sofista.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 21 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 20 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
140. Porque a noite → sucede-lhe; mas → a malícia não vence a Sabedoria. Sb 7, 30. 140 Porque a noite segue-se a esta, mas a malícia não vence a Sabedoria.


  • Sucede-lhe - Ao Sol, a grande Luminária, no Firmamento, que preside aos dias (Gn 1, 16).
  • A malícia não vence - Porque a Sabedoria Foi, É E Será aquela Pedra de verdade, sólida, fixa e firme, contra a qual não prevaleceram, nem prevalecerão nunca, as portas do inferno; e das suas entranhas fluem rios de água viva (Jo 7, 38); cujo tipo real é a Pedra dos Filósofos, no Grande Livro da Natureza.

    Feliz aquele a quem ela é indicada, e de quem, tendo sido indicada, ela é conhecida.

    A Paixão, a Ressurreição e a própria Pessoa de Jesus Cristo; a Matéria, a Preparação e a mais que perfeição no corpo glorificado da Pedra Filosofal, a Regeneração de Ti próprio, formado à imagem e à semelhança de Deus, segundo o Corpo, o Espírito e a alma, te manifestarão, pela harmonia Católica, muitos numerosos segredos.

    Observa a Harmonia dos livros da Sacro Santa Escritura, e da Natureza; aprende a ler e a compreender sabiamente um Livro entre todos os outro: A Bíblia, na Natureza, e em Ti próprio; em Ti próprio, na Bíblia, e na Natureza; e então tu serás Sábio.

    Tu encontrarás: Iahweh, e aquele que ele enviou: Jesus Cristo; na Sacro Santa Escritura e na Natureza; universalmente na Pedra dos Filósofos, e particularmente em todo o Universo criado, em cada criatura, em Ti próprio, por cada um dos seus modos: na Natureza, catolicamente, em e pelo Verbo escrito e mesmo incarnado, em e por ela própria, na Pedra filosofal e em Ti próprio; Particularmente na Sacro Santa Escrita e cada uma das partes do mundo; em Ti próprio, em e por Ti próprio, pela Natureza e pela Criatura; e por Deus no Cristo e no Verbo escrito; Universalmente e Particularmente como foi dito acima; Teosoficamente, Fisicamente, Físico-Medicamente, Físico-Quimicamente, Físico-Magicamente, Hiperfísico-Magicamente, Cabalisticamente, segundo as Leis e a Doutrina deste Anfiteatro; pela Influência, pela Luz, e pelo Movimento Divino.

    Isto, tipicamente, Tudo Em Todos, E Em Todas As Coisas, Catolicamente. E é isto a Sabedoria.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 20 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 19 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
139. (Também) a Sabedoria (esta) é → mais capciosa que o Sol, e acima de toda a disposição das estrelas; → comparada com a Luz ela foi considerada superior. Sb 7, 29. 139. (Porque) Ela Própria é mais capciosa que o Sol, e colocado acima do lugar de todas as estrelas, e comparada com a luz ela é considerada superior.


  • Mais capciosa que o Sol - Porque não? Visto que ela é o Sol da Justiça (Ml 4, 2), eterno, brilhando sobre todas as coisas, e o Oriente que nos visita desde o alto (Lc 1, 78).

    É por isso que Salomão no Schir haschirim, quer dizer no Cântico dos Cânticos 6, 9, exclama: Quem é aquela que avança quase como a aurora que se levanta, bela como a Lua, brilhante como o Sol, terrível como um exército alinhado para a batalha?
  • Comparada com a Luz, etc. - Sobre a Luz, ver versículo 261.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 19 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 18 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
138. Visto que ela é → a candura da Luz eterna, e → o Espelho sem mancha da Majestade de Deus, e → a imagem da sua Bondade. Sb 7, 26. 138 Porque ela é o esplendor da luz eterna, e o espelho da virtude de Deus, de modo algum aspergida por máculas, e imagem da sua Bondade.


  • A Candura da luz eterna - A Luz divina, eterna, não existiu (certamente) desde a eternidade sem candura; ela será portanto a Sabedoria eterna (da qual se trata aqui).

    É esta luz aquela que brilha nas trevas, e que as trevas não compreenderam (S. João 1, 5).
  • O espelho sem mancha - Medita Harpocraticamente sobre este Espelho, e no seu sinal real no Macro e no Microcosmo, tanto particular como universal, Secretíssimo. Ver versículo 222.

    Não é permitido (embora eu quisesse) falar de todas as coisas por causa do Mundo imundo.

    Que este mistério continue portanto profundamente posto no Espírito.

    Este Deus do Céu, que revela os mistérios (Daniel 2, 28), pode permitir, a quem ele quiser, de escrutinar Cristiano-Cabalisticamente, Divino-Magicamente e Físico-Quimicamente o que são o Urim e o Thummim (Êxodo 28, 30).
  • A imagem da sua bondade - Desta imagem, deve-se servir Teosoficamente o Cristiano-Cabalista: que sejam rejeitadas as imagens dos Cacomagos (S. Paulo, Hb 1, 1 e seguintes).

    Deus falava anteriormente aos pais pelos Profetas, por uma muito grande variedade de meios e de maneiras; mas nestes tempos muito novos ele fala-nos pelo Filho, que ele constituiu herdeiro da universalidade das coisas que fez para ele, nos séculos dos séculos.

    Ele que, sendo esplendor da glória e a figura (Karaktêr) da sua substância (upostaseôs, subsistência), Estabelecendo Todas As Coisas Pelo Verbo Da Sua Perfeição (versículo 154), operando a purgação dos pecados, sentando-se à direita de sua majestade, no mais alto dos céus; também elevado acima dos Anjos, pelo seu poder, que difere deles pelo nome que ele herdou.

    É ele que é a Imagem de Deus (S. Paulo, 2Cor 4, 4).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 18 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 17 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
137. → É um Vapor → da virtude de Deus, e → a Emanação → da Claridade sincera do Omnipotente, e é por isso que não se encontra → nenhuma mancha nela. Sb 7, 25. 137. Porque é um vapor da virtude de Deus, e o defluxo sincero da glória do Omnipotente, e por isso nada de poluído cai nela


  • Um vapor - Um Espírito, Ruach, como lhe chamam os Hebreus.
  • A virtude de Deus - A Essência Divina, Toda em Todos. Versículo 303.

    Ensoph! Ensoph! que profundidade! que profundidade! a minha boca fica muda.

    Eu não repetirei isto: (A Essência Divina) Confere tipicamente a pedra dos Filósofos, qual (pedra), de que qualidade (seja a pedra), e tão grande quanto seja (a pedra), com esta Sabedoria encarnada.

    E também, tu conhecerás a harmonia admirável entre o Conservador do Mundo maior, e o Salvador do Mundo menor, que é um mistério (Do Vapor Da Virtude De Deus Emanando No Universo) admirável, sobre o qual convém guardar silêncio, em vez de lançar pérolas ao mundo imundo para que elas sejam espezinhadas com os pés.

    Eles (os dois) são também nomeados o Um e o Outro, por excelência.

    Porque, como também sabemos por S. Paulo (Cl 1, 20), Deus reconcilia todas as coisas pelo Filho (theanthrôpon) e pacifica pelo sangue da cruz (porque a figura primeira deste Anfiteatro é a Cruz Santa, ou seja Cristo ele próprio crucificado, que vence Cruciformemente o reino do diabo, sinal misterioso dos antigos Magos, pelo qual nós próprios podemos vencer Teo-Soficamente) tudo o que está sobre as Terras e no Céu.

    E também sabemos pela carta aos Efésios (Ef 1, 10): Cristo instauraria todas as coisas que estão no Céu e sobre a Terra, quer dizer, não apenas os Anjos, o Sol, a Lua, as Estrelas, o ar; mas também os animais terrestres, as árvores, as ervas, a própria Terra, o mar, os rios, as fontes e os seres que vivem na água; porque a Terra foi amaldiçoada por causa do ser humano (Gn 3, 17).

    Porque, é devido a essa maldição da Terra que a Criatura geme pela liberação, e gera neste mundo.

    Assim como nós próprios, S. Paulo (Rm 8, 21) clama com a sua voz: Libertem-se do mal: (Sangue de Cristo, realmente, e não sem mistério, vertido abundantemente sobre a terra) assim como é constante na experiência, para que o Filho do Mundo Maior, Católico (theokosmon) aumente as suas forças, e consiga trabalhar dentro do género humano.

    Queira Deus que certos Teólogos que, na nossa época, disputam cada dia pouco cristãmente, estabeleçam também a sua obra em Cristo (imitando assim os mais antigos Patriarcas, Magos ou Sábios) afim de que eles aprendem a ler, a ver, a tocar; a conhecer o Mashiach (Messias) pelo tipo real, no Livro Católico da Natureza, e certamente eles conheceriam e atingiriam mais verdadeiramente (conduzidos assim pela Luz da Natureza, e pela mão do Espírito Santo) a Doutrina de Deus, pela Pessoa de Cristo, pelo dever, e por todos os artigos da Religião Cristã, em vez de pela disputa verbal.

    Porque o Livro da Natureza explica o livro da Sacro Santa Escrita, e vice-versa.

    Aprendam portanto a conhecer o Sal da Sabedoria Muito Antiga, o Vitríolo Católico da Natureza, que se encontra catolicamente unicamente na Mina da Sabedoria; e vocês conhecerão Teo-Soficamente Tudo em Todas as Coisas.

    E embora, segundo a opinião do mundo, não haja nada de mais ignominioso que ela, de mais desprezado, de menos honrado que esta Mina; contudo, apesar de ser ela que o mundo condena iniquamente, pelo contrário o Teo-Sofo glorifica-a dignamente. Ver versículos 158, 162, 187, e todo este Anfiteatro, passim.

    Dá-ma a mim, ó Iahweh, no interior para que eu tenha temor, e no exterior para que eu não receie os trovões dos Teo-Sofistas, Amém. Sabe que eu tenho sede da verdade.
  • A Emanação - Os Cabalistas contam Dez Emanações de Deus saindo das Fontes sagradas, e a que eles chamam Sephiroth ou (como muitos Hebreus pronunciam nos nossos dias) Shirus, quer dizer Numerações ou Emanações, entre as quais em segundo lugar está colocada a Sabedoria.

    Consultar, sobre estas, a primeira parte deste Anfiteatro, e aqui e ali os escritos dos Cabalistas. Ver versículo 174.

    Aquilo que emana de Deus é certamente Divino; ora a Sabedoria é uma Emanação de Deus; portanto ela é Divina e consequentemente Eterna.

    As Emanações de Deus são as faíscas e os raios da Divindade.

    É necessário destacar estas frases de Cristo: Eu procedi de Deus (Jo 8, 42); Tu enviaste-me, Eu saí do Pai (Jo 17, 8).

    Nesta passagem da Emanação é afirmada a definição da Filosofia verdadeira. Ver versículo 167.
  • A Claridade do Omnipotente - É aqui a Sabedoria incarnada.

    «Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste para fazer. E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse.» (Jo 17, 4-5).

    E ligeiramente mais distante: Porque eu saí de ti, quer dizer, emanado.

    Ver capítulo 17, liv 2 Capnion, de Verbo Mirifico.
  • Nenhuma mancha - Aprende (afim de seres Sábio) a conferir Sabiamente os Antecedentes com os consequentes; o Prólogo com as figuras deste Anfiteatro e vice-versa; e também sobre este fundamento, tu conhecerás porque é que a Pedra dos Filósofos, Católica e Físico-Química, resiste às potências diabólicas; e opera também mirificamente inúmeras obras não menos maravilhosas. Ver a quarta figura deste Anfiteatro.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 17 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 16 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
136. Porque a Sabedoria é a mais móvel de todas as coisas móveis, porque ela chega a toda a parte devido à sua pureza. Sb 7, 24. 136. → Não há nenhum movimento cuja agilidade ultrapasse a Sabedoria que, devido à sua pureza, reside e passa por todas as coisas.


  • Não há nenhum movimento - A Sabedoria é mais móvel que qualquer movimento, quer dizer que pela celeridade do seu movimento vence todo o movimento e penetra em Todas as Coisas, devido à sua pureza e à sua subtileza.

    Considera isto, meu filho, como sendo aquilo que os Sábios entendiam ao filosofarem sobre o Movimento Perpétuo.

    Este Movimento (direi eu junto com Hermes, na Tábua que a Vénus dos Filósofos, pela fecundidade da sua Veracidade abençoada, instituiu e compôs para tratar acerca dele, e que foi chamada assim devido a ele, Tábua de Esmeralda) é a força, de toda a força, do forte: é por isso que ele vencerá toda a coisa subtil, e penetrará toda a coisa sólida.

    A Sabedoria move sabiamente, conserva potencialmente, anima e vivifica Todas as Coisas.

    Se tu conheces a Natureza (que todos os Antigos, e os Pais ortodoxos, afirmaram muito verdadeira, e muito devotamente, ser theou fônên, quer dizer a voz de Deus) Teosoficamente, quer abstratamente quer concretamente, quer universalmente quer particularmente, tu conheces (acredita em mim) o Movimento Perpétuo dos Sábios.

    Reenvio-te para os versículos 154 e 178. E para a figura, a definição e a exposição da Pedra dos Filósofos que é a terceira deste Anfiteatro.

    Recorda-te aqui de estudar e de pedir a Deus para que, cooperando Teosoficamente, ele te inspire e te mostre a verdade.

    Eu conheci muitos, nas cortes dos Príncipes, que procuravam mecanicamente (ah! em vão), um movimento perpétuo de madeira ou de ferro.

    Se eles tivessem estudado a Sacro Santa Escritura, a Natureza e Eles Próprios, Teosoficamente, Fisicamente, Físico-Medicamente, como na 2ª e 3ª figuras deste Anfiteatro, eles teriam encontrado realmente o Movimento não somente Perpétuo, mas também verdadeiramente Eterno, Divino e Natural, num como no outro mundo dos Sábios.

    Este movimento Católico é o único verdadeiro; o vulgar frívolo, impedido pelo espírito da sedução, não o conhecerá.

    É o cego que conduz o cego; é por isso que os seus labores serão vãos.

    É um movimento que é preciso mover, aquele que exibem os Sofistas, e não o movimento que move.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 16 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 15 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
135. Humano, Benigno, Estável, → Certo, Seguro, → tendo todos os poderes, vendo tudo, e que guarda todos os Espíritos, Inteligível, Despojado e Subtil. Sb 7, 23. 135. Humano, Estável, Certo, Seguro, vendo tudo, e penetrando todos os Espíritos inteligentes, puros e subtilíssimos.


  • Certo, seguro - Em segurança, ao abrigo de qualquer preocupação; calmo e tranquilo.
  • Tendo todos os poderes - Que pode todas as coisas, ou que é dotado de omnipotência. Porque é o Espírito de Deus Omnipotente, e que não pode ser Omnipotente a não ser por Deus.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 15 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 14 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
134. (Porque) → na Sabedoria está o Espírito da Inteligência, Santo, Único, Múltiplo, → Subtil, Fluente, Móvel, → Não conspurcado, Certo, Suave, amante do Bem, Agudo, a quem ninguém pode impedir de Bem fazer, Sb 7, 22. 134. Porque n'Ela está o Espírito Inteligente, Santo, Simples, Múltiplo, Subtil, Móvel, → Ilustre, Impoluto, Perspicaz, Não lesivo, procurando o Bem, Agudo, → Pronto, Benéfico,


  • Na Sabedoria está o Espírito - Ela é e chama-se pneuma monogenes kai polumeres, sopro monogénito e pluriforme, Unigerado ou Uniengendrado e Múltiplo, que nasceu e foi produzido pela Única e simples Natureza de Deus, e que portanto estende pelo Mundo as suas inúmeras partes, como ramos.

    A Multiplicidade é com efeito atribuída a este Espírito de Deus, por causa da variedade das virtudes e das forças infusas nas Coisas, nas quais ele desce. Ver o versículo 223 e a terceira parte deste Anfiteatro, Questão 4 e 6.

    Graças a Deus, disse muito bem S. Agostinho, a unidade encontrar-se em várias coisas, e (eu acrescento) na unidade, a pluralidade.
  • Subtil - Ténue, de modo nenhuma carregado por alguma carga grosseira e corporal, mas ligeiro e rápido, e por isso eukinêtos, quer dizer Móvel, no qual está a soberana celeridade.
  • Ilustre - Esplendido e lúcido. Ver versículos 137 e 8.
  • Não conspurcado - Incontaminado, quer dizer puro, vazio de qualquer mancha e de qualquer mácula.

    Porque, visto que a Natureza é lúcida e esplêndida, ela possui um esplendor puro, como diz S. João: «Deus é Luz e nele não há treva alguma.» (1Jo 1, 5).
  • Pronto - Que não está parado, ou que nada pode parar, porque pela sua força ele penetra em todas as coisas, e quebra todos os impedimentos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 14 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 13 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
133. Eu referirei O Que É A Sabedoria, e de que maneira → ela foi feita, e eu não vos esconderei → os Sacramentos de Deus, mas eu levarei a minha investigação desde o começo do nascimento, e eu farei luz sobre a ciência dela, e não negligenciarei a verdade. Sb 6, 24. 133. Eu referirei O Que É A Sabedoria, e como ela nasceu, e não vos selarei os mistérios; mas eu levarei a minha investigação dentro da cogitação dela, desde a primeira origem, e eu proferirei abertamente, nem negarei a Verdade.


  • Ela foi feita - Quer dizer como é que ela existiu, como é que ela foi gerada nos séculos dos séculos no útero (Sl 110, 3) imperscrutável e eterno da divindade.
  • Os Sacramentos de Deus - Quer dizer os mistérios de Deus.

    Não somente aquele que é o sinal prático da graça, o qual é o significado próprio da palavra Sacramento; mas tudo aquilo que é necessário, belo e útil conhecer em relação a Deus, à Natureza e ao Homem é chamado Sacramento.

    Porque a verdadeira Sabedoria é Ter-Tri-Una, incluindo a Teologia, a Medicina e a Astronomia; ou, como nos é revelado nos capítulos 7 e 8 da Sabedoria, a cogitação dos mistérios Divinos, a prudência da administração e da governação política, a ordem das coisas de toda a Natureza, as causas, os movimentos e as virtudes das coisas celestes e as forças das coisas terrestres, pelas quais brilham a Omnipotência, a Sabedoria, a Misericórdia, a Verdade, a Justiça e o Julgamento do Criador.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau » 13 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Terceiro grau


III. GRAU PROLOGÉTICO

Terceira Exposição



[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Terceiro grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 12 de Maio


SUMÁRIO:

Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
132. Quem renuncia → à Sabedoria e à Disciplina é infeliz → e a esperança deles é vazia, e os seus trabalhos sem fruto, e as suas obras inúteis. Sb 3, 11. 132. Porque quem não dá valor à Sabedoria e à Disciplina é miserável; a esperança de tais gentes é vã, e os seus trabalhos infrutíferos, e as suas obras inúteis.


  • A Sabedoria e a Disciplina - Tu que negas, rejeitas, espezinhas e abandonas a Sabedoria e o Temor do Senhor, em quê poderás tu ser feliz?
  • E a esperança deles é vazia - Eles estão sempre à procura, em todo o mistério e segredo possível, e nunca chegam ao fim da Verdade; perdem-se miseravelmente nas vaidades das suas cogitações, das suas opiniões e dos seus trabalhos; e porque eles rejeitam a Sabedoria verdadeira, e o seu início, que é o temor de Deus, eles não podem orar Teosoficamente, nem Laborar sabiamente, e com fruto.

    O conselho nada pode valer quando é contra o Senhor, mesmo que todos os sábios insensatos deste mundo imundo se reunissem para disputar, daí nasceria Babel, quer dizer a confusão, nos seus sentidos, na sua razão e nos seus espíritos; e eles lançar-se-iam na opinião reprovada, para caírem por fim (tomando e fazendo uma coisa por outra) de erro em erro.

    Notem isto, vocês que procuram a Pedra dos Filósofos, e que aspiram Cabalisticamente, Magicamente, Quimicamente, Teosoficamente, etc., a compreender, saber possuir e realizar as coisas sabiamente anotadas na quarta figura deste Anfiteatro; vocês próprios, digo eu, antes de tratarem disto Teosoficamente, aprendem (se Deus o permitir, tendo compaixão e operando) afim de que vocês sejam iluminados, extraídos das vilanias do pecado, libertados das superfluidades, das impurezas, absolvidos, separados, depurados, conjugados (ó abismo do mistério de Deus! não há um ponto nesta união que exista pela sua livre vontade ou que subsista por si própria, mas apenas pela misericórdia de Deus, Ensoph!, Ensoph!) sublimados ao mais elevado grau da perfeição (pelo Divino artífice do fogo divino) quer dizer, exaltados e conjuntos mentalmente com Deus ele próprio no Espírito e na Verdade; antes, digo eu, de empreenderem de extrair da Mina da Sabedoria, a Pedra dos Filósofos que é a verdadeira Magnésia Católica dos Teósofos, e os outros tesouros da Sabedoria; de outra forma (está seguro) perderias o teu tempo e o teu esforço.

    Os Bens e os Dons de Deus são, foram e serão sempre aqueles que são tratados no nosso Anfiteatro, e dependem de Deus só, sublime, glorioso, cheio de toda a Justiça e Bondade, e que ele dá ou retira a quem ele quer.

    Observação: O Ser Humano é a Matéria que deve ser purificada, o Corpo no estado de sujeição; Deus é a alma que vivifica; e o Espírito Santo é a ligação que pela sua virtude produz a União que conduz e dá entrada no Reino perpétuo.

    Ó admirável harmonia, Macro e Micro-Cosmicamente regeneradora!

    Porque só aquele que ama a regeneração e que está verdadeiramente sob a condução singular de Deus, conhecerá estas Regenerações; noutro lugar, por toda a parte, são florestas frondosas, erráticas e tenebrosas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 12 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 11 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
131. → Porque se tu te tornares sábio, tu o serás para ti próprio; mas se tu fores zombador, só tu carregarás o mal. Pr 9, 12. 131. Se tu te tornares sábio, tu serás sábio para ti próprio; mas se tu és zombador, tu carregarás sozinho o castigo.


  • Porque se tu te tornares sábio - Portanto, vale mais obedecer à verdadeira Sabedoria e tornar-se sábio, para seu benefício, do que unir-se aos ilusórios e delirar, para sua perda.

    É em vão que procurará o saber, aquele que não empreender o saber por si próprio.

    A impiedade é punida por si própria.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 11 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 10 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
130. Não te inclines → à direita nem à esquerda; afasta o teu pé do mal. Pr 4, 27. 130. Não te inclines à direita nem à esquerda; desvia o teu pé do mal.


  • À direita - À direita inclinam-se aqueles que se tornam insolentes nos negócios prósperos; à esquerda aqueles que são quebrados pela adversidade.

    À direita inclinam-se os que por promessas, e à esquerda por ameaças, se desviam da retidão.

    Não sejas nem demasiado duro nem demasiado frouxo: (no justo meio tu estarás perfeitamente em segurança); não sejas nem avaro nem pródigo; mas liberal, afim de não dissipares os teus bens com profusão, nem esconderes os teus tesouros por avareza, porque um e o outro são males dos quais tu deves desviar o teu pé.

    Porque o diabo e o mundo lançam armadilhas e reptos, tanto à direita como à esquerda, de modo que se tu não podes ser agarrado pelos laços da luxúria será pelas cadeiras e pelos laços da avareza, pelos quais o coração do ser humano se afunda na perdição.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 10 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 9 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
129. Dirige o caminho para → os teus Pés, e todas as tuas vias serão estáveis. Pr 4, 26. 129. Pondera o caminho dos teus Pés e todas as tuas vias serão dirigidas.


  • Os teus Pés - Os Pés significam os deveres da vocação legítima.

    Tem primeiro o cuidado de ter uma vocação legítima para as coisas que devem ser governadas; em seguida não tentes nada fora da tua vocação; porque terias um sucesso muito infeliz.

    Os Anjos são Espíritos Divinamente destinados a serem, duma certa maneira, administradores da nossa vocação.

    Que eles te guardem nas tuas vias, diz o Salmista. Salmo 91, 11.

    Portanto, se eles te abandonarem fora da tua vocação, tu baterás com os pés nas pedras da morte.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 9 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 8 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
128. → Que os teus Olhos vejam direito, e que as tuas pálpebras precedam os teus passos. Pr 4, 25. 128. Que os teus Olhos olhem na retidão, e que as tuas pálpebras dirijam a tua via à tua frente.


  • Que os teus Olhos - Que os olhos do teu espírito estejam sempre e incessantemente dirigidos para a misericórdia, a justiça, a sabedoria, a omnipotência, a verdade e a benignidade de Deus, e para a imitação do exemplo da vida de Cristo; do mesmo modo então, a tua vida será dirigida retamente.

    Considera no Sol, o Sol da Justiça; nas estrelas, os eleitos; nas flores, o Paraíso; no ser humano, a tua miséria: em Deus o Pai, a graça infinita; em Cristo, a fraternidade amável; no Espírito Santo, a caridade comunicável; nos Anjos, a glorificação; no Macrocosmo, a Divina Providência; no Microcosmo, a Divina Sabedoria.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 8 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 7 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
127. Afasta de ti → a Boca depravada e longe de ti estejam os lábios que detratam. Pr 4, 24. 127. Afasta de ti a perversidade da Boca, e afasta de ti a depravação dos lábios.


  • A Boca depravada - Acostuma-te à constância e à gravidade nas palavras e nos atos.

    Porque os anjos, os teus guardiões, são Espíritos constantes e graves, inimigos de toda a ligeireza; eles são Espíritos verdadeiros, e amantes da verdade.

    Porque os Espíritos apostatas são mentirosos, enganadores, ilusórios, ligeiros, inconstantes, e quando eles dizem mentiras, é deles próprios que eles falam, e eles abrem o seu próprio tesouro, porque o diabo caluniador é o irmão da mentira.

    Deus é verdadeiro; Cristo é verdade; o Espírito Santo o é espírito de verdade.

    Unicamente, a Sabedoria Divina é verdadeira, mais que verdadeira, veríssima.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 7 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 6 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
126. Aplica-te (assim), em tudo, na guarda do → teu Coração, porque dele procede a vida. Pr 4, 23. 126. Aplica-te (portanto), entre todas as coisas, à guarda do teu Coração, porque dele se elevam as vidas.


  • Teu coração - A Sabedoria tem a sua sede no Coração; toma portanto cuidado que a Sabedoria vã não ocupe e não encha esta sede.

    Porque ela é aquela serpente antiga que cega o espírito, e instila o seu vírus por um grande número de armadilhas; suja o coração pela luxúria, incha-o pelo orgulho, inflama-o pela cólera, devasta-o pela inveja, que são todas obras do diabo.

    Considera portanto isto para que tu guardes o teu Coração deste veneno; conserva-o portanto e abre-o à Sabedoria Celeste, ao temor de Deus, à fé incorrupta (que purifica o coração) à caridade não pintada, à esperança imutável, à paciência inabalável, à humildade muito amável.

    Que o teu Coração seja a oficina da oração e da reza, o instrumento dos mais santos gemidos, e o domicílio da piedade.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 6 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 5 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
125. Ele morrerá porque ele não teve a Disciplina, e na multidão da sua loucura, ele será enganado. Pr 5, 23. 125. Ele morrerá, porque ele não escutou a erudição, e por causa da multidão da sua loucura, → ele errará.


  • Ele errará - A alma humana, não iluminada pela luz da Sabedoria Divina, está cheia de erros, de modo que as mais pequenas das suas ações não estão isentas de erros; se elas se referem a Deus, ele erra; se à Natureza, ele delira; se a ele mesmo, ele abusa-se; se ao seu próximo, ele é enganado.

    Em suma, ele não pode considerar, sem errar, nem a mais pequena estrelinha do Céu, nem a mais ínfima ervinha da Terra; porque todas as suas cogitações são erros.

    Isto é verdadeiramente a multidão da sua loucura, que só pode levar com ela à morte e à ruína.

    Porque o ser humano é precipitado desde a fonte da Luz até ao abismo das Trevas, do qual ele não pode sair, a menos que ele se torne divinamente adepto do Espírito da Sabedoria.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 5 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 4 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
124. → As suas iniquidades o agarrarão, ao ímpio; → ele é constrangido pelos laços dos seus pecados. Pr 5, 22. 124. As suas iniquidades o agarrarão, ao ímpio, e ele será retido pelos laços do seu pecado.


  • As suas iniquidades - Toda a iniquidade inflige por si própria a sua penalidade e a sua ferida; não há vício que não gere por si próprio a sua doença específica.

    Da mesma forma que qualquer virtude é ela própria a sua muito bela recompensa; também qualquer vício é ele próprio a sua muito cruel recompensa.

    Porque qualquer semente produz o fruto que lhe é próprio.

    A misericórdia é o fruto da misericórdia; a benignidade, é o fruto da benignidade, e vice-versa, o fruto da imisericórdia é a imisericórdia e a crueldade.
  • Ele é constrangido pelos laços dos seus pecados - O pecado é verdadeiramente a maior servidão e cativeiro; o ímpio está assim atado, e é-lhe impossível fugir da penalidade.

    A Sabedoria Divina é a verdadeira liberdade, que liberta a alma do ser humano das cadeias da loucura, dos erros, das trevas, das feridas, dos vícios e das armadilhas do desespero.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 4 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 3 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
123. O Senhor observa atentamente → as vias do homem (homo) e → considera todas as suas diligências. Pr 5, 21. 123. Quando perante os olhos de Iahweh são as vias do homem (vir) e que ele pondera todos os seus caminhos?


  • As vias do homem - Quando a tua alma cobiça as coisas mundanas, as honras, as voluptuosidades, as riquezas, as tuas vias são perversas e tu desvias-te do Soberano Bem.
  • Considera as tuas diligências - Os teus estudos, os teus conselhos, as tuas velhacarias, os teus enganos, os teus truques, os teus desejos insensatos são as tuas diligências, que o Senhor considera, que os Anjos vêm, que a tua consciência observa e acusa, que os diabos enumeram.

    Deus que escruta todos os corações e os rins, e conhece as cogitações universais dos espíritos, (1. Paral. 28, 9), abomina o coração depravado e entrega-o (se tu não te arrependes) às criaturas vingadoras, que exercem a vingança contra todos aqueles que Deus abomina.

    Porque é a maior miséria, é o próprio inferno, ser abandonado por Deus.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 3 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 2 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
122. → Porque és tu seduzido, meu filho, por uma indigna, e ficas tu no seio de uma outra? Pr 5, 20. 122. Porque te deleitas tu, meu filho, com uma outra, e abraças tu o seio de uma estrangeira,


  • Porque és tu seduzido - A Divina Sabedoria deve ser amada e abraçada como uma esposa.

    Porque o Rei Sapientíssimo tinha decidido noivar-se com ela.

    E certamente, Ela se une de boa vontade em casamento com as nossas almas.

    E é também por esta razão que a Sabedoria de Deus Incarnada, pela incarnação, contratou casamento com o género humano.

    Vê quanto intimamente se conjugou contigo a Sabedoria de Deus, como é que ela própria fez um domicílio na natureza humana, para que ela a pudesse habitar em toda a plenitude da Divindade.

    Ah! porque te lanças tu no seio da meretriz (a sabedoria mundana imunda) enquanto que a Virgem celeste, pura, casta, intacta, cheia de graças, de dons, de benefícios e de imortalidade começou à muito tempo a enfraquecer em ti.

    É portanto necessário, pelo amor Divino, escolher e desposar com esta virgem.

    Enquanto que é com o amor do mundo que envolve e atrai esta meretriz, a sabedoria mundana e vã, a qual é indulgente para com as mais vergonhosas paixões.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 2 de Maio

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 1 de Maio



Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
121. → Afim de que tu caminhes na boa via e que tu guardes → os caminhos dos justos. Pr 2, 20. 121. Afim de que tu caminhes, digo eu, pela via dos bons, e que tu guardes as veredas dos justos.


  • Afim de que tu caminhes na boa via - A boa via é a via da Sabedoria, da justiça, da santificação, da redenção, da verdade, da vida (1Co 1, 30).

    E as vias universais do Senhor são a misericórdia e a verdade (Sl 25, 10, Vul. 24).

    A boa via é a via da humildade, da mansidão, da constância, da taciturnidade, da fé, da caridade, da esperança, da paciência.

    De acordo com S. João, a Sabedoria incarnada dizia aos que, Judeus, acreditavam nele: «Se vocês cumprirem a minha palavra, vocês serão verdadeiramente meus discípulos, e vocês conhecerão a verdade e a verdade vos libertará» (Jo 8, 31).

    Por isso, permanece, eu aconselho-te, na palavra da Sabedoria, para que tu sejas discípulo da Sabedoria, preceptora muito fiel e que não sabe enganar; para que tu conheças Toda a Verdade; que tu avances, Cabalista, Mago, Físico-Químico, na boa via, tanto nas coisas Físicas e Hiperfísicas como Divinas, e que, pelo dogma da verdade tu sejas liberto do erro e do desvio.
  • Os caminhos dos justos - são os exemplos da virtude, da piedade, e principalmente da imitação da vida de Cristo, nosso Salvador.

    É por isso que o Apóstolo diz: «Sejam meus imitadores como eu sou de Cristo» (1Co 11, 1).

    É por esta via que é necessário examinarmo-nos no Oratório e no Laboratório.

    Além disso, esta via é-te mostradas sinoticamente neste Anfiteatro e neste Prólogo, pelos seus sete graus, que nos conduzem ao Santuário da Sabedoria Eterna, única verdadeira.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Segundo grau » 1 de Maio