Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 31 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
365. → Não acrescentes nada às suas palavras, com receio de que sejas apanhado e considerado mentiroso. Pr 30, 6. 365. Não acrescentes às suas palavras com receio de que sejas apanhado e repreendido como mentiroso.


  • Não acrescentes nada, etc. - A razão é porque todos os seres humanos são mentirosos; só Deus é a fonte límpida da verdade; é por isso que é a Lei de Deus imaculada que converte as almas; é o testemunho fiel de Deus que dá a Sabedoria às criancinhas.

    Salmo 19, 8: O Verbo Eterno de Deus, desde o começo, verdade da própria verdade, irrepreensível, e cria as almas dos crentes.

    Porque ele contém a agnição de Deus e do Salvador; e esta agnição é vida eterna (Jo 17, 3).

    E é verdadeiramente a Regra e a norma de vida, imaculada, sincera, integra, perfeita, não contendo nada de iníquo nem de vão, afastando as almas dos erros, desviando do mal, instaurando a imagem de Deus; ela é fiel, não enganosa, porque Deus mantém as suas promessas; ela concede a Sabedoria aos rudes, aos incultos e aos loucos, segundo o mundo (1Cor 2) e tranquiliza a consciência; ela mostra os verdadeiros cultos de Deus, as promessas infalíveis; e com os seus sacramentos, a fé, a esperança, a dileção, a humildade, a paciência, a invocação e a glorificação do nome Divino.

    Sabe: Cada vez que eu lia, desde a idade mais tenra, as palavras do Prólogo acima nos livros do Rei Sábio, sempre este pensamento se apresentava na minha alma (sem nenhuma dúvida pela monição da voz de Deus falando em mim): São grandes e quase incríveis coisas que tu lês aqui, respeitantes aos frutos e aos tesouros da Sabedoria; contudo nada falsas, fingidas ou mentirosas. Ah ! como chegarás tu a esta cognição ?

    Deus sabe, porque eu não seria capaz de dizê-lo, até que ponto eu ficava alterado de verdade. Eu invocava portanto Deus, a fim de que ele me mostrasse a Verdade; e Ruach Hhochmael, o Espírito da Sabedoria Divina conduziu-me, pelo método que eu expus no versículo 294, na Universal verdade das coisas que eu tratei neste Anfiteatro Universal.

    Glória a Deus in excelsis, por ele ter manifestado tais coisas aos amadores da Teo-Sofia, herdeiros fiéis e amados da Sabedoria Eterna, única verdadeira.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 31 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
364. (Porque) → toda a palavra de Deus é um escudo para aqueles que esperam nele. Pr 30, 5. 364. Toda a palavra de Deus é provada pelo fogo; ela é um escudo para aqueles que esperam nele:


  • Toda a palavra de Deus, etc. - Observa aqui, aprende e responde na intimidade do teu coração; que o sermão de Deus te seja um escudo, e acrescenta fé à Verdade e às promessas Divinas.

    Porque é dito claramente que o sermão de Deus é abrasado e purificado, quer dizer sem escórias, sem dolo, sem falsidade, e que certamente deve atribuir a vitória aos crentes. Tu tens exemplos disso em Hb 1.

    O Salmo 19, canta insignemente também o Elogio do Verbo Divino, para. 9 (vulg. 18, 8): Os preceitos do Senhor são retos, deleitam o coração; o mandamento do Senhor é luminoso, esclarece os olhos.

    Para. 10 (9): O temor do Senhor é puro, subsiste eternamente; os juízos do Senhor são verdadeiros, todos igualmente justos.

    Para. 11 (10): Mais desejáveis que o ouro, que uma barra de ouro fino; mais doces que o mel, que o puro mel dos favos.

    12 (1): Ainda que vosso servo neles atente, guardando-os com todo o cuidado;

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 30 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
363. → Quem teme o ser humano cairá em breve; quem espera no Senhor será elevado. Pr 29, 25. 363. O temor dos seres humanos cria uma armadilha, e quem tem fé em Iahweh será exaltado.


  • Quem teme o ser humano cairá em breve, etc. - Lê o Salmo 146 (145) na totalidade.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 29 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 28 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
362. A fortaleza do simples, via do Senhor e → o receio para aqueles que fazem o mal. Pr 10, 19. 362. A fortaleza para o perfeito é a via de Iahweh e o receio para aqueles que cometem a iniquidade.


  • O receio para aqueles, etc. - Tu vês aqui a diferença entre a boa e a má consciência.

    Cícero diz no discurso para Milão: Grande é a força da consciência numa e noutra partes; por forma que aqueles que não cometeram nada não temem nada, enquanto que aqueles que pecaram vêm sempre a penalidade elevar-se diante dos seus olhos.

    A força da consciência e a força ousiôdeis ou crítica, não podem no ser humano, ser completamente extintas ou apagadas da alma.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 28 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 27 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
361. → A simplicidade dos justos os dirigirá e a suplantação dos perversos os arruinará. Pr 11, 3. 361. A perfeição dos retos os conduzirá; mas a perversidade dos prevaricadores os perderá.


  • A simplicidade dos justos - O Salmo 37 é uma explicação muito clara desta frase; lê-o na totalidade.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 27 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 26 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
360. Os justos abominam → as pessoas ímpias, e os ímpios abominam aqueles que estão na via reta. Pr 29, 27. 360. A pessoa iníqua é a abominação dos justos; mas a via reta é a abominação dos ímpios.


  • As pessoas ímpias - O ímpio é aquele que é estrangeiro à cognição de Deus, contemptor de Deus ou hipócrita, inconstante na fé (Is 57, 20).

    Os ímpios são como o mar borbulhando que não consegue descansar.

    Ímpio é aquele que, pela fé, a vida, os costumes e a alma, é estrangeiro ao verbo de Deus.

    Estes são abominados pela pessoa justa e devota, dotada e iluminada pela verdadeira fé, transformada na imagem de Cristo, pela vida, o espírito e a alma.

    Porque, assim como, estão extremamente opostos e se combatem a Imagem de Deus e a imagem do diabo; assim também a pessoa justa que é a Imagem de Deus e de Cristo, está oposta ao ímpio que é a imagem de Satã; e vice-versa.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 26 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 25 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
359. → Quem caminha num caminho reto e teme Deus é desprezado por aquele que caminha numa via infame. Pr 14, 2. 359. Quem caminha na sua retidão teme Iahweh, mas aqueles que pervertem as suas vias desprezam-no.


  • Quem caminha num caminho reto, etc. - Quer dizer que, temendo o Senhor, institui a sua via e a sua vida retamente e sabiamente; enquanto que o contemptor de Deus perde a sua via e a sua vida e expõe-se a um perigo extremo.

    Quando Telamon, pai de Ajax, lhe disse para combater com vigor, mas para pedir a vitória a Deus, Ajax respondeu como um homem insensato e soberbo: Que os cobardes podiam vencer com a ajuda de Deus, mas ele sem nenhum Deus; e assim ele perverteu a sua via, destruiu a sua vida porque tinha confiado desesperadamente nas suas próprias forças.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 25 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 24 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
358. A pessoa → que desdenha com uma cabeça dura aquele que o corrige, terá uma queda súbita cuja cura nunca acontecerá. Pr 29, 1. 358. A pessoa repreendida que endurece a sua cabeça será subitamente atingida e nunca será curada.


  • Que desdenha aquele que o corrige - Tito Lívio, Liv. 3, Decad. 3: Eu observei frequentemente, diz ele, que uma pessoa tomava conselho de si própria sobre o partido a seguir; uma segunda obedecia pontualmente àquela que a advertia; mas aquela que não decidia nada por si própria e não obedecia a ninguém era um pequeno génio.

    Visto que a primeira disposição da alma nos é interdita, é preciso observar atentamente a segunda e enquanto nós aprendemos a comandar, devemos pelo contrário habituarmo-nos prudentemente a obedecer na nossa alma.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 24 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 23 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
357. Quem (justamente) repreende uma pessoa, tem (com razão) graça (cada vez) que em seguida estiver ao pé dela, mais do que aquele → que a engana com a lisonja da sua língua. Pr 28, 23. 357. Quem repreende a pessoa que regride tem mais graça que aquele que a lisonjeia com a língua.


  • Que a engana com a lisonja da sua língua, etc. - Alexandre o Grande, discernindo um adulador dum ministro fiel, dizia: Hephaestion é filalexandron, amigo de Alexandre; mas Craterus é filobasilea, amigo do Rei.

    E apesar de ele amar Hephaestion, ele tinha Craterus em maior honra e estima.

    Porque o primeiro era amado por causa da lisonja; mas o segundo era considerado digno de honra por causa da virtude.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 23 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 22 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
356. → A via do louco é reta aos seus olhos. Mas quem é Sábio escuta os conselhos. Pr 12, 15. 356. A via do louco é reta aos seus olhos; e quem obtempera o conselho é Sábio.


  • A via do louco é reta, etc. - Cada um quer ir para onde quer; é por isso que o mundo está cheio de loucos.

    É por isso que toda a pessoa racional que não está submetida a uma regra deve ser herética e não estar na via reta. Sim certamente.

    Que o Sábio ruborize por falar sem o testemunho da Sacro Santa Escritura, o Livro da Natureza e a consciência reta.

    Cada um enaltece os seus próprios vícios e abraça as opiniões concebidas pela sua alma como o macaco abraça os seu filhotes.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 22 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 21 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
355. → Vale mais, (certamente) encontrar uma ursa a quem tiraram as crias do que um louco confiante da sua loucura. Pr 17, 12. 355. Encontrar uma ursa privada das suas crias é mais a propósito do que o louco na sua loucura.


  • Vale mais, etc. - Aqueles que são mais ávidos da disputa do que da verdade e que defendem obstinadamente a sua própria opinião e censuram muito odiosamente aqueles que se afastam dela.

    Tu te recordarás portanto de ter cuidado no momento:

    Quando a fúria está em marcha, cede-lhe:
    Porque toda a violência é difícil de reprimir.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 21 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 20 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
354. → Responde portanto ao louco segundo a sua loucura, com receio de que ele se considere Sábio. Pr 26, 5. 354. Responde portanto ao louco segundo a sua loucura, com receio de que ele se considere sábio aos seus olhos.


  • Responde portanto ao louco, etc. - Visto que as causas prováveis te convidam a responder, uma refutação pode ser modestamente oposta, que contenha coisas úteis e salutares aos piedosos leitores e ouvintes, de modo que alguns sejam confirmados ou sanificados.

    Não se deve combater com os adversários por injúrias ou sarcasmos, e assim não se deve responder ao louco usando a sua loucura, com receio de que te julguem semelhante; porque a vitória não é colocada na calúnia, mas na verdade.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 20 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 19 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
353. → O zombador não escuta quando se raciocina. Pr 13, 1. 353. O escarnecedor não escuta a increpação.


  • O zombador, etc. - O trocista, o semi-sábio precoce, o mundano imundo, que, indiferente, despreza o temor de Deus e as correções fiéis dos amantes de Deus, prefere a estes (contra as Leis da Escola dos Teo-Sofos) aqueles que vivem mundanamente.

    Pela razão que as pessoas más não pensam no julgamento de Deus, que contudo aparecerá horrivelmente e bastante cedo (porque suficientemente bem) aos ilusórios, e quem administra a justiça mesmo nesta vida, pelo verme da consciência que os rói acremente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 19 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 18 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
352. É proverbial que → o Adolescente seguindo a sua primeira via, mesmo quando for velho não se afastará dela.
Idem 27, 22: Ainda que tu pisasses o louco num triturador, como uma tisana, batendo nele com um pilão, não lhe tirarias a sua loucura.
Porque (Ecl 1, 15), os perversos são dificilmente corrigidos, e o número dos loucos é infinito.
Pr 22, 6. 352. A criança seguindo a sua via, mesmo quando for velha não se afastará dela.
Idem 27, 22: Porque se tu pisasses o louco num triturador como se fosse milho, batendo-lhe com um pilão, não afastarias dele a sua loucura.
E igualmente (Ecl 1, 15), o perverso não pode ser dirigido e o defeituoso não pode ser enumerado.


  • O Adolescente seguindo a sua via, etc. - Os espíritos de malícia, de engano, de fraude, de perversidade, de mentira, de orgulho, de deboche, de cólera, de blasfémia, de inveja, de calúnia, de astúcia, infestam os espíritos das crianças desde as idades mais tenras.

    Portanto, se eles não são educados numa boa disciplina, na piedade e no temor do Senhor, eles conservarão o império deste espírito maligno e a sua sede na alma insipiente.

    E mesmo devido a estes escândalos e obstáculos, eles emigram e passam para as almas das crianças.

    E é por isso que o nosso Salvador (Mt 18, 16), votou à execração aqueles que dão às crianças ocasiões de escândalo.

    Porque, igualmente e muito certamente, os espíritos malignos são expulsos dos possessos, principalmente se ao mesmo tempo na intimidade do seu coração, o possesso reza e suspira: (porque nunca o espírito das trevas pode aguentar uma tal força e espírito da oração) assim realmente pelo exercício da piedade e do temor divino, as crianças são premunidas contra a infestação hostil dos espíritos malignos.

    É por isso que os espíritos impostores e impuros se esforçam com obstinação e pelo seu único poder de ocupar o primeiro lugar no ser humano e de ganhar raiz na vontade corrompida pelo vício natural, o pecado original e pelas afeições impuras antes que ocorra a força superior e celestial da educação devota.

    Seguidamente, assim como as sementes crescem e aumentam diariamente nos campos, e chegam por fim ao estado de flores e de frutos, do mesmo modo as sementes dos vícios naturais, não sendo impedidas, crescem de dia a dia e fortificam-se com a idade.

    E da mesma maneira igualmente, se as sementes da piedade e do temor de Deus, por uma reta educação são semeadas nas almas, elas crescem igualmente e realizam-se em flores de piedade e frutos das boas obras.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 18 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 17 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
351. (Porque) → A velhice é venerável, não (no entanto) pelo comprimento da vida nem pelo número dos anos realizados. → Mas o sentido do ser humano são os seus cabelos brancos.
Vers. 9: e o tempo da velhice é a vida imaculada.
Pr 16, 31: → A velhice é uma coroa de dignidade; ela encontra-se nas vias da Justiça.
Sb 4, 8. 351. A velhice é honrada, não porque ela obteve o comprimento da vida, nem pelo número determinado dos anos.
Vers. 9: Mas os cabelos brancos são para os Seres Humanos, a Prudência; e o tempo da velhice é a vida sem nenhuma nódoa.
Pr 16. 31: A velhice é uma coroa de glória, ela é encontrada na via da Justiça.


  • A velhice é venerável - A dignidade e a autoridade da velhice não provém de modo nenhum dela ser considerada por causa do comprimento da vida ou o longo espaço dos anos, mas antes pela Sabedoria e a Prudência que constituem o ornamento desta idade e pela vida de modo nenhum deformada pela nódoa dos crimes enormes, quer dizer pura e integra, puramente e castamente passada.

    Assim duas coisas constituem a verdadeira velhice e o ornamento dos anos da velhice, quer dizer a Prudência e a Integridade ou pureza da Vida.

    Esta idade não recusa os jovens, por forma que nós podemos igualmente bem, e às vezes discernir ligeiramente melhor que certos velhos ineptos, porque não é da idade mas do génio e da inspiração Divina que provém a Inteligência.

    Não é o número dos anos e a multidão dos dias que dão a Sabedoria verdadeira; mas é o génio (Ingenium) que, celestialmente infundido pelo Espírito do Senhor, fornece a Sabedoria, mesmo às crianças; o que, no livro de Jó (32, 6), é atestado por várias razões de Eliú, filho de Baraquel da raça de Buz.

    Quando Samuel era uma criança pequena, recebeu o Espírito do Senhor (1Sm 1).

    A Sabedoria Heróica, a virtude e a felicidade estavam em David, um efeito especial da presença do Espírito da Sabedoria, e das operações particulares do Espírito Santo.

    Porque não eram somente dons da natureza, mas a Luz do Filho de Deus estava na sua alma e um movimento ardente do Espírito Santo na sua vontade e no seu coração.

    Foi ele que, não tendo ainda vinte anos, foi ungido por Samuel por ordem de Deus e cheio pelo Espírito-Santo (1Rs (Sam.) 16, 13); e se nessa circunstância todos os sábios deste mundo imundo tivessem prestado assistência a Samuel, eles teriam julgado sem nenhuma dúvida que os mais idosos dentre os filhos de Isaías seriam mais apto à governação, assim como Samuel ele próprio foi desapontado no início pela aparência exterior; mas Deus, não tendo atenção nem à idade nem à natureza nem a nenhuma outra prerrogativa carnal, transmitiu a realeza ao David adolescente, criou-o, fortificou-o, guardou-o, ajudou-o, enquanto que os seus outros irmãos foram menos estimados; e David suportou pacientemente a inveja deles.

    É o que ele próprio diz (2Rs (Sam.) 23, 2): O Espírito do Senhor falou por mim, e o seu discurso está na minha língua.

    E (Sl 119 (Vulg. 118), 99 e 100): Eu compreendi acima de todos os que me ensinavam, porque os teus testemunhos são a minha meditação. Eu compreendi mais que os velhos, porque eu procurei os teus mandamentos.

    E no versículo 130: A declaração dos teus discursos ilumina e dá intelecto aos pequeninos.

    Salomão na sua juventude recebeu a Sabedoria (1Rs 3, 12).

    Daniel, criança de doze anos, é cheio pelo Espírito-Santo.

    Às quatro crianças, Daniel, Anania, Mizael e Azaria (Dn 1, 17), Deus dá a Ciência e a Disciplina em toda a liberdade e toda a sabedoria; e a Daniel a inteligência de todas as visões e sonhos.

    E todas as palavras e intelectos da Sabedoria, sobre os quais o Rei os interrogou, ele considerou-os dez vezes melhores neles que em todos os adivinhos e magos que estavam na extensão do seu reino.

    Jesus, filho de Sirac, diz: Quando eu era ainda jovem, antes de me ter afastado, eu procurei abertamente a Sabedoria na minha oração; desde a minha juventude tenho procurado encontrá-la (Eclo 51, 18-19).

    O Apóstolo S. Paulo não quer que Timóteo (que era jovem) seja desprezado por causa da sua juventude (1Cor 16, 11).

    E Jeremias ouviu do Senhor: Não digas: Sou apenas uma criança: porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que eu te ordenar (Jr 1, 7).

    E em Eclesiastes 4, 13, é dito: Mais vale uma criança pobre e sábia que o rei velho e louco que não sabe prever para o futuro.

    E todos estes exemplos são realmente tomados na fonte da Sacro Santa Escritura.

    E se nos fosse permitido, Deus bom, de nos estendermos também a todos os outros, que campo nos seria aberto aqui para descobrir. Mas abordaremos apenas alguns.

    Quando Alexandre o Grande (pelo nome e pelos atos) era ainda jovem, havia nele uma admirável força da Natureza, pela qual ele ultrapassava também em prudência os velhos mais sábios, por causa de uma sagacidade de génio pela qual ele podia julgar perfeitamente as coisas presentes e prever as eventualidades futuras.

    Quando os Vénetos enviaram homens imberbes ao Imperador do Oriente e que o Tirano ficou indignado como se eles tivessem sido enviados por insulto, um deles respondeu-lhe intrepidamente: Não se deve proferir um julgamento sobre as pessoas e as suas doutrinas segundo apenas a sua idade, porque se fosse assim, os bodes encontrar-se-iam numa condição melhor que a das pessoas.

    Aquele a quem a virtude eleva não deve ser desprezado, mesmo que ele próprio seja jovem.

    Quais e quantos grandes chefes de exércitos, do nosso tempo: Mauritius Nassovius, Sigismundus Transylvanus, Donb lohana Austria, etc., nascidos por uma singular influência para estes atos, se têm distinguido, ainda jovens, contra anciãos, isto não pode ser obscuro para ninguém, exceto para aquele que é completamente ignaro da condição histórica.

    Porque Deus, Altíssimo e Todo Poderoso Soberano Monarca do Mundo, quando ele tenciona estabilizar ou transferir os reinos mundanos, excita da mesma maneira os órgãos pelos quais ele confere a autoridade, quer dizer o Temor, a Justiça, a Sabedoria, o Conselho, a Felicidade dos sucessos, e dos quais nenhum entre os mortais, mesmo muito poderoso, pode impedir os desígnios. Porque os seus heróis são revestidos e armados por uma força invencível e sobrenatural.

    Os nomes, os fatos e gestos destes estão inscritos no céu corruptível; é por isso que os Astrónomos hábeis (não por exemplo estes vulgares sofistas calculadores, mas aqueles que conhecem a arte dos Magos vindos do Oriente) podem verdadeiramente e perfeitamente procurar todos os fatos e gestos e os expor com mais segurança ainda que pelas letras, mesmo que todos os livros históricos fossem destruídos, o que poderá parecer incrível aos ignaros.

    Pelo contrário, os nomes, os fatos e gestos dos Heróis da Igreja cuja virtude se manifestou poderosamente na juventude dos seus corpos e das suas idades, como os de José, Samuel, David, Salomão, Daniel, não estão inscritos no céu corruptível, mas no céu eterno, onde podem ser lidos por todos os eleitos.

    É por isso que portanto, não se deve procurar o número dos anos em presença do natural excelente, nem considerar a idade naquele que brilha pela virtude e que tem a força nas suas mãos.

    Estas palavras de Valério Máximo (liv. 3, cap. 1), vêm extremamente a propósito: É iníquo pensar que ainda não é apropriado prestar homenagem àquele que já é maduro pela virtude.

    E a nossa época não é completamente destituída de exemplos. Porque há (graças a Deus) e poder-se-ia ainda encontrar alguns hoje nos quais o génio e a prudência rápida das coisas veio antes da barba, como canta o Poeta Aulus Persius, Sátira 4: Jovens pelo corpo, anciãos pelo espírito.

    Pelo contrário, os Alemães dizem: Considera-se o ancião como um louco, principalmente porque eles estão todos são cheios de tolices.

    Do mesmo modo eles dizem ainda: A velhice nunca combate contra a loucura.

    E: O velho é duas vezes criança. Porquê? porque o delírio cresce com a velhice como diz o provérbio.
  • Mas o sentido do ser humano são os seus cabelos brancos, etc. - Estas palavras são preciosas e dignas de nota e que é preciso lançar aos velhos loucos de longa barba que desprezam e gracejam grosseiramente da juventude Teo-Soficamente Sábia e Prudente.

    Aqueles que são instruídos pelos dons heróicos, possuem antes dos anos, uma alma e qualidades viris.
  • A velhice é uma coroa de dignidade, etc. - Isto é muito verdadeiro, mesmo nos pagãos, porque Ovídio diz (Fast., 6):

    Grande era antigamente a reverência pelos cabelos brancos,
    E as rugas dos anciãos tinham o seu preço.

    Mas a velhice de quem ? O Sábio responderá: Daquele que se encontra nas vias da justiça. Porque dois homens foram encontrados por Daniel nas vias da injustiça, e apesar de serem velhos foram dignamente lapidados.

    De que proveito e utilidade é a velhice se a probidade e a constante integridade da vida não lhe forem adicionadas, e se as pessoas não envelhecem em probidade e na Sabedoria?

    O jovem verdadeiramente sábio é, confesso, um pássaro raro; no entanto foi encontrado, é encontrado ainda hoje, e será encontrado.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 17 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 16 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
350. → A via dos ímpios é tenebrosa; eles não sabem onde se precipitam. Pr 4, 19. 350. Porque a via dos ímpios é como trevas; eles não sabem onde caem.


  • A via dos ímpios é tenebrosa - Portanto, assim como a luz cresce nos piedosos, as trevas e as fúrias crescem nos ímpios.

    Porque toda a vida dos ímpios é uma noite cheia da ignorância de Deus e dos bens permanentes, e mesmo de toda esta vida nova pela qual o Homem se tornou Luz no Cristo Jesus.

    Portanto, destas trevas, erros e fúrias dos ímpios, nada pode resultar a não ser ruínas perpétuas e inesperadas, até à morte extrema.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 16 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 15 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
349. Mas a vereda dos Justos procede como uma Luz esplêndida, e cresce até ao dia perfeito. Pr 4, 18. 349. Mas a vereda dos Justos, como → uma Luz brilhante, progride e ilumina até ao dia perfeito.


  • Uma Luz brilhante - Este astro fosforescente que se levanta nos corações dos seres humanos devotos é o Cristo Jesus, verdadeira luz iluminando todas as pessoas que vêm a este mundo; é ele que expulsa as trevas do espírito, que acende a luz da fé, a chama da caridade, o raio da esperança, o astro da humildade, a fulguração da mansidão, o esplendor da piedade, a centelha do temor Divino, a Luz da oração, a estrela da paciência invencível, a estrela da misericórdia, o raio da justiça, até que esta noite tenebrosa da carne desapareça e que o dia ou a luz da Nova Jerusalém brilhe completamente.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 15 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 14 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
348. (Porque) ela é uma via que é considerada reta pelo ser humano e cujo fim → leva à morte. Pr 14, 12. 348. Porque uma via é reta diante dos seres humanos; e o seu fim, via da morte.


  • Leva à morte - Porque se tu abandonas a Sabedoria ela abandona-te por seu turno e rejeita-te para as trevas profundas, os erros dos conselhos, a infelicidade dos sucessos, no precipício da morte.

    Apesar de tu veres corretamente a via da voluptuosidade e das honras, o fim, no entanto é desastroso; porque as voluptuosidades são breves e momentâneas e nunca sinceras; mas sempre são misturadas com tristezas e remorsos da consciência, e deixam depois delas as aflições da alma e as doenças do corpo.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 14 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 13 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
347. → Foge para longe dela, não passes por ela; declina e não pares nela. Pr 4, 15. 347. Deixa-a, não passes por ela; declina para longe dela e passa.


  • Foge para longe dela - José fugia da meretriz por amor da castidade, deixando-lhe o seu casaco.

    Foge também, tu, deste mundo imundo; com receio de que tu espolies e desaposses a tua alma imortal da sua glória eterna, das suas voluptuosidades e delícias imortais e das suas riquezas eternas, por causa de uma vã glória, de hediondas voluptuosidades e duma vergonhosa avareza.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 13 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - Sétimo grau


VII. GRAU PROLOGÉTICO

Sétima Exposição



[ Anterior ] [ Índice ] [ ◊ ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 12 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
346. → Não te deleites nas veredas dos ímpios, que a via dos maus não te agrade. Pr 4, 14. 346. Não caminhes nas veredas dos ímpios, e não caminhes na via dos maus.


  • Não te deleites, etc. - Quando tu tiveres enfim subido ao sétimo grau da Sabedoria, toma cuidado de não seres arrastado pelos hábitos e as afeições das pessoas más como por uma torrente; procura a constância dos Anjos, afim de que as atrações mundanas não façam desviar o teu coração como as mulheres idólatras fizeram desviar o coração do Rei Salomão.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sétimo grau » 12 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 11 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
345. (Porque verdadeiramente) → o fruto dos bons trabalhos é glorioso, e a raiz da Sabedoria não acaba. Sb 3, 15. 345. Porque o fruto dos bons trabalhos é glorioso e a raiz da Prudência não morre.


  • O fruto dos bons trabalhos - Dos trabalhos dos seres humanos quer dizer daqueles que se estudam com todas as suas forças, a Sabedoria de Iahweh conduzindo e ensinando, a reduzirem-se à simplicidade da Monada.

    Estes são como a árvore que é plantada ao longo dos cursos de água que dá o seu fruto no seu tempo, e cuja folha não cai; em Todas as Coisas, que eles fizerem, quais quer que elas sejam, eles prosperarão. Ver o Salmo 1 na totalidade.

    Pelas ações destes (não dos loucos) e pelos seus trabalhos e ações ser-lhes-á inspirado por Deus de bem querer, conhecer, ser e poder; assim como Zadith, filho mais velho de Hamuel o indicou a um pequeno número (ao tratar da obra Físico-Químico-Católica); nós próprios explicamos um pouco aqui e ali na exposição deste Prólogo.

    Que aquele que pode compreender, compreenda.

    Aqui esconde-se um arcano muito grande, observado por um pequeno número.

    Deus queira que pela minha admoestação tão fiel os loucos se tornem Sábios.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 11 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 10 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
344. → Possui-as sozinho, e que os estrangeiros não participem nelas contigo. Pr 5, 17. 344. Que elas sejam só tuas, e sem estrangeiros contigo.


  • Possui-as sozinho - Todo o bem é realmente comunicativo, mas não, sem distinção, comunicável, porque todas as coisas não convêm a todos, mas segundo que, quando e quanto, como S. Gregório de Nanzianzo e nós próprios o alegamos tão frequentemente.

    Os Talmudistas observam isto: Mesmo que os teus amigos sejam numerosos, tu encontrarás com dificuldade um entre mil a quem tu devas revelar os arcanos.

    Conserva mesmo a tua boca fechada para aqueles que se deitam no teu seio, com receio de que tu te aflijas no dia seguinte, porque tu não sabes o que cada dia traz.

    Imita o Cristo que diz aos seus discípulos (eu digo seus discípulos): Foi-vos dado conhecer o mistério do reino de Deus; mas para os outros em parábolas, afim de que vendo eles não vejam, e ouvindo eles não oiçam (Lc 8, 10).

    Morieno Romano, Filósofo cristão, recordou-se deste preceito quando ele se afastou do sentimento do Rei Calid; ele passou sob silêncio o mais alto Bem da Natureza e da Arte; ele não lhe revelou realmente a Arte e a Ciência.

    Alanus diz isto: Meu filho, põe um chapéu sobre a tua boca para não te prejudicares a ti próprio.

    É por isso que eu falo secretamente de certas coisas das mais secretas, guarda-te de estar em cólera contra mim; não convém ao Filósofo transgredir os preceitos dos sábios, com receio de que os arcanos se aviltem e que ele excite contra si a Maldição Divina.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 10 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 9 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
343. Que as tuas fontes se dispersem para fora; deriva as águas nos lugares públicos. Pr 5, 16. 343. → Que as tuas fontes derivem para fora e divide as águas nos lugares públicos.


  • Que as tuas fontes derivem, etc. - Exerce cristãmente as obras de caridade para com o teu Próximo necessitado, pelos frutos dos teus labores.

    Não te esqueças dos Lázaros.

    Dai e ser-vos-á dado; quando aconteceu que vós não recebestes ?

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 9 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 8 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
342. → Bebe a água da tua cisterna e o que corre do teu poço. Pr 5, 15. 342. Bebe a água da tua cisterna e o que corre do meio do teu poço.


  • Bebe a água - Como se fosse dito para usares dos teus Bens e dos teus Dons, não apenas externos, mas também internos, benignamente concedidos a ti por Deus; e que tu não sejas o escravo ou o macaco das opiniões de outro, e que queiras jurar pelas palavras e sentenças de qualquer mestre desviado dos caminhos direitos da verdade, quer dizer insipiente, quer Teólogo, Jurisconsulto, Médico, Físico, Químico, Mago, Cabalista, qualquer que seja a sua nomeada perante o mundo, pela autoridade ou a Antiguidade.

    Os grandes homens, crê-o bem, cometem grandes erros.

    Um homem iletrado é reto e não comete a heresia em comparação com aqueles que são mal instruídos e que se desviam do bom caminho.

    A antiguidade não é isenta da loucura.

    Então portanto quando tiver sido concedido a alguém Divinamente iluminado, de filosofar Teo-Soficamente, que ele use e desfrute do poder da liberdade Filosófica, segundo o seu génio e o seu talento; que ele entenda, veja, observe em cada coisa, Iahweh a falar, ensinar e respondendo na Sacro Santa Escritura, no livro da Natureza e em si próprio.

    Visto que nunca existiu um verdadeiro Pitagórico, como atesta um homem doutíssimo, que não tenha conhecido os Deuses (Elohim), assim também, digo eu, ninguém será nunca Davídico que não oiça o Senhor a falar nele próprio (Sl 85, 9), e nunca verdadeiro cristão que não saboreie em si a unção do Espírito-Santo da Sabedoria.

    Deus não faz acepção de pessoas, mas (segundo a doutrina da Religião Universal, versículo 184 e 304) em todas as nações aquele é recebido dele, que o teme e opera a justiça (Ac 10, 35).

    Portanto não duvides, meu filho, de Ti Próprio, quer dizer da tua pessoa em Orando em espírito e verdade e em vivendo Teo-Soficamente, pela unção vinda do Santo-Espírito (versículo 10).

    Cada um de nós, a graça Divina operando, influenciando e dando, deve e pode conhecer a Doutrina da verdade; e a pode ensinar e fazer aprender aos outros, é preciso não somente que ele a veja pelos olhos doutro e a oiça pelas orelhas doutro; mas é necessário que ele a receba de Deus ele próprio.

    Do mesmo modo que é vantajoso a cada um, para o sustento do seu corpo e da sua família, ter em casa provisões de alimento, do mesmo modo é necessário sempre ter pronta a Doutrina da verdade no Santuário da sua alma Divinamente iluminada, onde possa ser consultada por si e pelos outros.

    Eis que o meu génio me puxa pelas orelhas, avisando-me das lacerações e dos escárnios dos trocistas (nasuti).

    Que farei eu ? Devo reter a verdade ? A Deus não agrada, porque eu sei que é a condição da verdade de ter sempre antagonistas suscitados pelo diabo, calcando aos pés a verdade mas não a podendo suprimir. A verdade (Alêtheia) perturba muito os loucos.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 8 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 7 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
341. → E os celeiros serão cheios e as prensas regurgitarão de vinho. Pr 3, 10. 341. E os celeiros serão cheios até à saturação e as prensas serão cheias de vinho até romperem.


  • E os celeiros, etc. - O Senhor fará descer sobre ti a chuva da noite e o orvalho da manhã da sua Benção, afim de que as áreas das tuas granjas sejam cheias Macros e Micro-Cosmicamente, segundo o Corpo, o Espírito e a Alma, Externamente e Internamente.

    E Deus te constituirá, como Israel, sobre uma terra magnífica, afim de que tu comas os frutos dos campos, que tu sugues o mel da pedra e o óleo do rochedo duríssimo.

    A Manteiga da manada e o leite das ovelhas com a gordura dos cordeiros e dos carneiros, e os bodes com a flor do trigo, e que tu bebas o mais puro sangue da vinha (Dt 32, 13 e 14).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 7 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 6 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
340. → Honra (portanto) o Senhor com os teus bens e com as primícias de todos os teus frutos. Pr 3, 9. 340. Honra Iahweh com as tuas riquezas, e com as primícias de todos os teus produtos.


  • Honra o Senhor, etc. - Não o diabo, vivendo mundanamente.

    Com uma alma reconhecida confessa que é de Deus que te provêm os Dons e os Bens que tu recebeste, que tu recebes e que tu receberás.

    Porque é isso que significa o rito das primícias a oferecer (Dt 26).

    E assim a ação de graças é um convite a dar mais, tanto nas coisas espirituais como nas seculares.

    É sobre este fundamento que está construído o segundo corolário da terceira figura deste Anfiteatro: o Dízimo.

    Tu honrarás o Senhor, se sendo caritativo de Deus neste grande hospital, tu exerces em pensamento e em ato as Obras da Misericórdia com alegre ação de graças para com o teu Próximo necessitado, por intermédio dos Bens e dos Dons concedidos a ti pela Clemência Divina e favorável.

    Dá a todos, se não à Cristandade ou à Religião, pelo menos à Humanidade; nisto tu imitará o Protótipo, o Todo Poderoso e o Altíssimo que, tanto para os maus como para os Bons faz levantar o Sol, e dá o alimento e o vestuário a Todos, inteiramente, universalmente e particularmente.

    Deus gosta daquele que dá com hilaridade (2Cor 9, 7).

    Ama os Devotos em Cristo, os ímpios por causa de Cristo que nos amou tanto, mesmo sendo seus inimigos, que ele se ofereceu todo inteiro em sacrifício para nos resgatar.

    Ama os primeiros porque eles são bons, e não menos os outros afim de que tu os tornes bons.

    É importante odiar os vícios, não as pessoas.

    Quem obturar o seu ouvido ao clamor do pobre e clamar ele próprio não será ouvido (Pr 21, 13).

    Porque ele será medido pela mesma medida com a qual ele tiver medido (Mt 7, 2).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 6 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 5 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
339. A Sabedoria libertou das dores aqueles que a observaram. Sb 10, 9. 339. A Sabedoria → libertou os seus adoradores dos tormentos.


  • Libertou dos tormentos - Porque primeiramente, a Sabedoria embebe e ornamenta a alma com a cognição de muitas coisas divinas e humanas, com as quais a alma é consolada com uma suave alegria.

    Porque, quanto mais a alma do ser humano ascende e se eleva na cognição de Deus e da Natureza, mais ela é preenchida com uma suavidade e uma alegria profundas; donde a alma é cada vez mais inflamada com o amor do Criador e Unida a Deus; donde a tranquilidade e a serenidade nascem na consciência.

    Em seguida, a Sabedoria liberta o seu adorador dos tormentos, como ela livrou José da prisão; quando os raios da Sabedoria tendo brilhado e resplandecido nele pela interpretação e a exposição do sonho do Rei, ele foi liberado da sua prisão e erigido e elevado à dignidade real.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 5 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 4 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
338. → Porque o Senhor estará ao teu lado e cuidará que o teu pé → não seja capturado. Pr 3, 26. 338. Porque Iahweh será a tua confiança e guardará o teu pé da captura.


  • Porque o Senhor estará, etc. - Porque Iahweh é o muro, quer dizer o Círculo de fogo dos Teo-Sofos (que ultrapassa em muito aquele que é pintados ou figurado pelos pseudomagos) que cerca com uma inclusão defensiva aqueles que o temem; afastando os espectros assustadores (terriculamenta) dos inimigos, e pondo completamente em fuga todas as partes adversas.

    O Anjo do Senhor está no circuito daqueles que o temem, Salmo 34, versículo 8 (vulg. 33, 7).
  • Não seja capturado - Pela força, a astúcia ou a falsa doutrina dos adversários; com receio que tu sejas seduzido pelas velhacarias sofísticas do diabo e que tu não te desvies da linha direita da verdade.

    É por isso que tu deves implorar o conselho e a ajuda do Senhor Deus omnipotente afim de que ele te faça obter as obras de Bereshit e de Mercavah, quer dizer a cognição das coisas humanas e divinas (pela Filosofia e a Teologia) no Oratório e no Laboratório, seguindo a linha direita (eu falo com Morien), quer dizer a via linear da verdade, felizmente, sem nenhum desvio.

    Isto realizar-se-á retamente, conforme tu o tenhas retamente querido tu próprio.

    Conforme o que tu crês tu próprio, e que tu Ores e Labores, isto acontecerá para ti.

    Tu confessarás finalmente que foi devido à misericórdia de Deus que nós não fomos devorados.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 4 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 3 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
337. → Tu não serás apavorado por um terror súbito, nem pela irrupção das potências dos ímpios. Pr 3, 25. 337. Tu não temerás um apavoramento súbito, nem que ele venha pela desolação dos ímpios.


  • Tu não serás apavorado - Tu não serás aterrorizado, dormindo ou velando, pelas larvas dos espectros, que eu sei obcecam muitas pessoas consideradas como sendo grandes e poderosas no mundo (mesmo no nosso tempo); nem tu serás estimulado pelas fúrias da má consciência.

    Grande é a força da Consciência.

    Os Bens são o suave nutridor da velhice; os males corroem os miseráveis até à medula.

    Qual voluptuosidade não falta, lá onde reina a tranquilidade; nenhuma tristeza falta, lá onde está o mal.

    Nada é mais suave para o ser humano que a tranquilidade da alma. Lê a Sabedoria, capítulo 17, versículos 10 e 11; capítulo 18, versículo 17.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 3 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 2 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
336. Se dormires, não temerás; tu repousarás e → o teu sono será salvo. Pr 3, 34. 336. Se estiveres deitado não temerás, quando repousares o teu sono será salvo.


  • O teu sono será salvo - E, dormindo, no espelho da Alma virginal, quer dizer purificada pela loção da penitência, das sujidades dos pecados, tu serás avisado, ensinado, instruído, cheio com a Doutrina fetalífera por visões Divinas.

    A alma tranquila é como um banquete perpétuo (Pr 15, 15).

    E S. Agostinho diz-nos: O rico em consciência dorme mais seguramente na terra que na púrpura.

    Sobre as Visões hipnóticas ou as Revelações soníferas ou as insónias Divinas e indicadoras dos presságios, contenta-te Laconicamente com isto: A Alma, completamente livre de todos os cuidados condenáveis, sóbria e sã num corpo são, Rainha e Dominadora das suas afeições e dos seus vícios, em poder dela própria e penetrada Teosoficamente por ela própria, pode com direito empreender de conhecer e explicar os segredos de todo o Universo criado (porque ele é uma partícula do favor Divino do Criador do Universo), de ser unida aos Espíritos Bons; de recensear as coisas passadas, de contemplar as Novas, de prever as futuras, enfim de se representar Divinamente como num espelho os mistérios e o autor de todas as coisas (pela irradiação dele próprio).

    Sumário: A nossa Alma junta ao Espírito da Sabedoria de Deus, penitencialmente lavada e purificada, Teo-Soficamente elevada pelas asas e sublimada pelo fogo do amor Divino no Agiostérium, quer dizer o Santuário dos bons Espíritos ou dos Anjos de Deus (o que pode ocorrer para o ser humano, quer acordado quer a dormir) compreende, recebendo-as Cabalisticamente, as coisas Espirituais, contempla as coisas supracelestes, vê muitas coisas Físicas em e pelas Hiperfísicas (não apenas per se, mas ainda pelos sentidos e as coisas sensíveis intermediárias); as suas forças inferiores estando adormecidas e absorvidas, quer dizer estando em êxtase ou exteriorização (excessus) ou rapto em Deus soberano, ela compreende as coisas mais elevadas, quer dizer Divinas; ela vê e apreende inefavelmente Todas as Coisas.

    O exórdio do Pimandro de Hermes Trismegisto (que sendo inspirado pelo Espírito Divino) pode ser trazido aqui devido à excelência da sua Doutrina: Como eu pensava na Natureza das coisas, diz ele, e como eu dirigia toda a acuidade do meu Espírito para as coisas superiores, os sentidos do corpo estando já adormecidos como acontece àqueles que, por um excesso de alimento ou pela fadiga, são mergulhados no sono, subitamente pareceu-me perceber qualquer coisa imensa pela magnitude do corpo que, chamando-me pelo meu nome, gritou assim: Que desejas tu, ó Mercúrio, aprender e compreender? Eu sou Pimander, Espírito da Divina Potência; vê o que queres; porque eu estarei por toda a parte contigo. E eu, desejo aprender a natureza das coisas e conhecer Deus. E Pimander respondeu: Eu ensinar-te-ei a conhecer-me a mim em todas as coisas que tu tiveres escolhido. Tendo dito isto, ele mudou de forma e revelou-me subitamente a universalidade das coisas.

    S. Cipriano, Cartas, liv. 9, Carta 9: Recordo-me, diz ele, daquilo que me foi mostrado e que o Senhor me considerou digno de receber a revelação, e estas visões não devem ser tidas por ridículas e ineptas como ocorreu com José, cujos irmãos disseram: Eis o nosso sonhador. São estas verdadeiramente.

    E este julgamento dos irmãos sobre o irmão deles? É bastante sintomático! Eu não fico surpreendido se os meus irmãos mundanos tiverem este mesmo julgamento sobre mim.

    Como quer que seja, continua a ser no entanto certo que aqueles aos quais Deus se revela (quer mediatamente, quer imediatamente) não devem ser tidos por vãos sonhadores.

    Cícero diz: Há em nós qualquer coisa que prevê e adivinha. O quê? A Alma (mens) que prevê os bens e os males.

    Há vários exemplos tanto na nossa época como na antiguidade, que eu reservo para um lugar mais cómodo; para o qual eu reservo um grande número, com ampla dedução.

    Eu acrescentaria, para terminar, esta passagem do livro Epidorpidum de Júlio César Scaliger, sobre a verdade dos sonhos:

    Quem nega os sonhos verdadeiros, sonha ele próprio quando fala;
    Porque nós observamos mais de uma vez e muito frequentemente
    Que é muito raro passar uma noite sem sonhar.

    Muito instruído na verdade, eu falo não pela minha própria causa, mas pela dos Tomistas. Ó quem é mais feliz do que aquele que está liberto de todas as preocupações!

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 2 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 1 de Dezembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
335. → Então tu caminharás fiduciariamente na tua via, e o teu pé não se magoará. Pr 3, 33. 335. Então tu caminharás com confiança na tua via, e o teu pé não se magoará.


  • Então tu caminharás fiduciariamente - Se Deus, na nossa vida está por nós, quem estará contra nós?

    Se ele te apoia, quem te aterrorizará?

    Recebe portanto agora cristãmente com todo o teu coração a promessa da vitória.

    Aplica-te agora a ser um membro vivo da Sabedoria de Deus incarnado, imitando Teo-Soficamente o Protótipo seguindo a Lei e a Doutrina deste Anfiteatro; e assim, fazendo parte do Corpo, tu poderás tudo sobre a Cabeça.

    Em ti próprio, tu não passas de um imbecil; mas nele tu não terás nenhuma fraqueza.

    Ela é a nossa glória, a nossa vitória.

    É a via Teo-Sófica pela qual é preciso obter de Iahweh o bem querer, conhecer, ser e poder nas coisas Cabalísticas, Mágicas, Químicas, Tudo em Todas as Coisas.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 1 de Dezembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 30 de Novembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
334. → Então tu conhecerás a Justiça e o Julgamento e a Equidade e → todas as boas veredas. Pr 2, 9. 334. Então tu conhecerás a justiça e o julgamento e as retidões e todas as boas veredas.


  • Então - Quer dizer quando tu procurares sabiamente a Sabedoria como uma riqueza e quando tu a tiveres perscrutado e escavado como para os tesouros (versículo 220), e quando tu tiveres precedido o sol e quando tu tiveres adorado no Oriente da sua luz (versículo 160).
  • Todas as boas veredas - Tanto nas coisas corporais, naturais, humanas e seculares, como espirituais, hiperfísicas, Divinas e eternas.

    Todos os bens virão a mim juntamente com ela, diz o Sábio (versículo 291).

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 30 de Novembro

Anfiteatro da Sabedoria Eterna - 29 de Novembro


Versão antiga ou Vulgata Passagens citadas da Sacro Santa Escritura Nova tradução dos Provérbios a partir do hebreu, e da Sabedoria a partir do grego
333. E eles serão → a vida da tua alma e o adorno do teu pescoço. Pr 3, 22. 333. E eles serão a vida da tua Alma e o adorno da tua garganta.


  • A vida da tua alma - Segundo a Lei e o Verbo de Deus, a vida, quer dizer Deus, é restituída à alma daquele que morre cristãmente, e que estava morta pela infelicidade extrema.

    É por isso que, afim de que a tua Alma continue viva, guarda a Lei e o Conselho da Sabedoria viva.

    Que outra coisa é a vida da alma, senão Deus, fonte da vida, o verbo do Pai, Luz e vida dos seres humanos, e o Espírito do Pai e do Filho vivificando a nossa alma pela fé.

    O quê portanto é a morte da alma, senão a separação de Deus, fonte da vida, a perda do verbo vivificante, a privação da Luz espiritual à qual sucedem as trevas espirituais, nas quais habitam os espíritos das trevas veiculando com elas os erros e os horrores infernais, que são as prisões da alma e os liames da morte externa.

[ Anterior ] [ Índice ] [ Seguinte ]


Início » Textos » Anfiteatro » Sexto grau » 29 de Novembro